Livro: Imperfeitos, Livres e Felizes

Quando eu comprei o Livro Fênix – Renascendo das cinzas eu também comprei Imperfeitos, Livres e Felizes – Práticas de Auto-estima de Christophe André. O livro tem quase 400 páginas.

Em uma pesquisa, ao questionar-se sobre que pessoas têm mais chances de ir para o céu, a maioria dos entrevistados respondeu: eu. Segundo Christophe André, em todos nós apresentamos uma tendência natual a nos considerarmos acima da média. Isso não significa que desvalorizamos aqueles que estão à nossa volta, mas sim que nos supervalorizamos. E com toda essa confiança a respeito de nossa capacidade, André nos questiona: por que, mesmo assim, precisamos de afirmação a todo momento, sujeitando-nos cada vez mais à necessidade de exibir bens materiais?

Imperfeitos, livres e felizes apresenta uma surpreendente análise sobre a auto-estima. O que ela é? Como praticá0la? O autgor afirma que estimar-se é uma necessidade vital, porém, atualmente fazemos isso de forma equivocada, concentrando-nos em um individualismo exacerbado. Segundo André, a solução não é deixar de pensar em nós mesmos: devemos adotar uma nova perspectiva. Ele aborda as causas psicológicas que podem desestabilizar a autoconfiança e ensina, por meio de exercícios, como fortalecer o respeito por si mesmo sem recorrer aos valores mariais ou outras “máscaras”. Aprenda a se aceitar como você é, sem temer a rejeição e o julgamento  dos outros. Esta obra vai conduzi-lo por um caminho cujo destino é um dos nossos bens mais preciosos: o amor próprio.

Christophe André é psiquiatra e autor de Aprendendo a conviver com pessoas difíceis, Psicologia do medo, Viver feliz e Auto-estima.

Depois vou postar o índice pq é gigantão.

3 ideias sobre “Livro: Imperfeitos, Livres e Felizes

    • O sumário é gigante, eu até digitei o sumário até o cap 24. No total são 46. Segue.

      Imperfeitos, Livres & Felizes – Práticas de Auto-estima

      Sumário

      Introdução
      William e Jules

      Como vai você?
      – Quem tem mais chance de ir para o céu?
      – Tudo vai bem, mas apenas quano o mar está calmo…
      – Tempestades na auto-estima
      – Me engana que eu gosto?
      – O império do umbigo?
      – Auto-estima ou auto-obessão? “Quando alguém pensa demais em si mesmo, é que está pensando mal”
      – Recuperar o simples gosto de si mesmo

      PRIMEIRA PARTE
      Auto-estima é tudo isto

      CAPÍTULO 1
      Um programa

      CAPÍTULO 2
      O essencial sobre a auto-estima

      – O que é a auto estima?
      – Manifestações da auto-estima no cotidiano
      – A auto-estima é natural
      – A auto-estima influencia nossa maneira de ser
      – A auto-estima é mais do que nunca necessária
      – Sem auto-estima, nossa personalidade será um joguete

      CAPÍTULO 3
      O que é uma boa auto-estima?

      – As seis dimensões de uma boa auto-estima
      – Os benefícios de uma boa auto-estima
      – Uma inteligência de si mesmo?
      – Uma boa auto-estima: ideal impossível de atingir?

      CAPÍTULO 4
      As oscilações da auto-estima

      – Os sintomas de sofrimento da auto-estima
      – Até onde podem ir os problemas da auto-estima

      CAPÍTULO 5
      As auto-estimas vulneráveis: baixas e falsas

      – A fragilidade da auto-estima e os reflexos para defendê-la
      – Colocar-se abaixo do outro: a arte de se esquivar das pessoas de baixa auto-estima
      – Colocar-se acima de outro: mentiras e tensões das pessoas de auto-estima alta
      – As mudanças problemáticas da auto-estima: da baixa à alta instável e vice-versa

      CAPÍTULO 6
      Desenvolvimento duradouro da auto-estima

      – Por que é preciso cuidar da auto-estima
      – O trabalho com a auto-estima
      – Como fazer com que a auto-estima evolua favoravelmente?
      – O caminho é longo, mas existe um caminho…
      – Essencial: criar um ambiente psicológico propício à mudança sustentada

      CAPÍTULO 7
      A auto-estima começa pela aceitação de si mesmo

      – Aceitar-se para estimar a si mesmo
      – Aceitar-se para mudar
      – Aceitar: um jeito de ser no mundo
      – Podemos aceitar tudo?
      – Os benefícios da auto-aceitação
      – Os males da ausência de auto-aceitação
      – Aprender a se aceitar?

      CAPÍTULO 8

      O bagageiro de minha lambreta

      CAPÍTULO 9
      Prática da auto-aceitação

      – AS dores da auto-estima estão frequentemente ligadas à ausência de auto-aceitação
      – As situações de risco para a não aceitação a si mesmo
      – Prática da auto-aceitação
      – A auto-aceitação funciona
      – Como aceitar os “verdadeiros” problemas?
      – A auto-aceitação tem riscos?
      – Discernimento na auto-aceitação

      CAPÍTULO 10
      Parar de se julgar

      – Penso estar observando a mim mesmo, mas na realidade estou me julgando…
      – O problema: o crítico interno
      – “De tanto pensar assim, acabamos acreditando!”
      – A toxicidade do julgamento de si mesmo quando decorre de uma autocrítica cega
      – Como praticar uma autocrítica útil?
      – Nâo existe punição dupla: não aduabta se recrimiar por estar se recriminando…

      CAPÍTULO 11
      Falar para si mesmo

      – Dialogar consigo mesmo não é apenas uma representação
      – Sair do murmúrio confuso de nossas almas
      – A arte de falar consigo mesmo
      – Encontros consigo mesmo: diário íntimo e tempo de meditação
      – Devemos falar positivamente com nós mesmos? O papel dos “ambientes mentais”
      – Os limites do diálogo consigo mesmo

      CAPÍTULO 12
      Náo-violëncia consigo mesmo: pare de se fazer mal!

      – Maltratar a si mesmo
      – Guerra ou paz consigo mesmo?
      – Punir-se ou se ajudar a mudar?
      – A arte da mudança não-violenta

      CAPÍTULO 13
      Lutar contra os próprios complexos

      – Podemos desenvolver complexos sobre tudo
      – Complexos: o que devemos evitar
      – Complexos: o que funciona
      – A cirurgia estética só “cuida” dos complexos quando modifica o comportamento
      – A longa caminhada para passar dos complexos doentios às dúvidas benignas
      – Moral da histõria: não se esconda inteiro para dissimular apenas um pedacinho de si

      CAPÍTULO 14
      Proteger a auto-estima das influências tóxicas, da publicidade e das pressões sociais

      – Pressões sobre a imagem física
      – Pressões pelo sucesso e o conformismo social
      – As mentiras da publicidade
      – Não à auto-estima inflada!
      – As consequências das pressões sociais na auto-estima

      CAPÍTULO 15
      Ouvir a si mesmo, se respeitar e se afirmar

      – O que é a auto-afirmação?
      – Como se afirmar quando não há auto-estima?
      – A auto-afirmação não deve ser apenas um comportamento, mas também uma maneira de estar no mundo
      – Ouvir a si mesmo em vez de mentir
      – Respeitar-se
      – Afirmar-se para ocupar o próprio lugar, mas não contra os outros
      – Só a prática, e mapenas ela, conduz a uma verdadeira mudança

      CAPÍTULO 16
      Viver na imperfeição: a coragem de ser fraco

      – O sentimento de insuficiência pessoal
      – As situações em que tememos nos desmoralizar
      – A onerosa tentação de “fingir”
      – Um dos riscos do “fingimento”: o sentimento de não ser o que se diz ser
      – Mentir pra proteger a auto-estima
      – Solução: a auto-afirmação negativa
      – Invulnerável, ou quase,,,

      CAPÍTULO 17
      ch Cuidar do moral

      – Os estreitos laços entre auto-estima, humores e emoções
      – As pessoas com problema de auto-estima não sabem elevar o próprio moral
      – As quedas do moral despertam os problemas da auto-estima
      – Uma neuropsicologia da auto-estima?
      – Usar as próprias emoções para trabalhar a auto-estima
      – Baruch Spinoza

      CAPÍTULO 18
      Ser seu melhor amigo

      – Devemos procurar nos admirar?
      – Os riscos da auto-estima exagerada…
      – Devemos nos amar?
      – Simplesmente ser amigo de si mesmo
      – O aprendizado de rela;óes auto-amigáveis

      CAPÍTULO 19
      “Sentada entre duas estrelas”

      TERCEIRA PARTE
      viver com os outros

      CAPÍTULO 20
      A dor insuportável da rejeição social

      – “Eu não podia mais me olhar no espelho”
      – A dor da rejeição
      – Ser rejeitado no cotidiano
      – Perturbações ligadas ä rejeição
      – “Se não me amam, para que me esforçar?”
      – Enfrentar a rejeição

      CAPÍTULO 21
      A luta contra o medo da rejeição (e seus excessos)

      – O medo da rejeição e suas escorregadelas
      – O raciocínio emocional e seus riscos
      – O efeito “spotlight”: ora, nem todo mundo está olhando para você!
      – Enfrentar o medo da rejeição

      CAPÍTULO 22
      O medo da indiferença e o desejo de reconhecimento: existir no olhar dos outros

      – O desejo de reconhecimento
      – Reconhecimento de conformidade ou de distinção? Duas maneiras de aumentar a auto-estima sendo reconhecido pelos outros
      – Riscos e erros da busca de reconhecimento
      – Solidáo e o sentimento de solidão

      CAPÍTULO 23
      A busca de amor, afeto, amizade, simpatia: a busca da estima dos outros

      – Até onde ir na necessidade de ser amado?
      – Como a busca de afeição é ativada ou não em caso de rejeição social
      – Amor e auto-estima
      – Um remédio para a auto-estima

      CAPÍTULO 24
      A auto-apresentação: que face mostrar?

      – Até que ponto podemos e devemos nos esforçar para sermos vistos de forma positiva?
      – Respeitar certas regras de comunicação?
      – Alguns exercícios de “competências sociais”
      – As vantagens de uma apresentação equilibrada e sincera

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *