Prevalência do TDC em pacientes dermatológicos (parte 3)

Para ler a primeira parte clique aqui.
Para ler a segunda parte clique aqui.

Segundo Phillips e Dufrense, nos últimos anos, o TDC deixou de ser um transtorno psiquiátrico negligenciado e está sendo mais bem reconhecido e compreendido. Trata-se de um transtorno grave, relativamente comum que, frequentemente, se apresenta aos profissionais de saúde mental e também a médicos não psiquiatras. Muitos pacientes sentem vergonha dos seus sintomas e não os relatam, mesmo que desejem que seu médico saiba de suas queixas com a aparência. Em média, o paciente procura tratamento específico após onze anos do aparecimento dos primeiros sintomas.
Provavelmente o TDC esteja sendo subestimado, pois poucos psiquiatras ou especialistas que fazem um primeiro contato com os pacientes com o TDC reconhecem essa condição. Em contraste, observa-se que os pacientes com o TDC consultam dermatologistas, cirurgiões, plásticos e outros profissionais com o objetivo de modificar sua aparência, mostrando-se insatisfeitos com os resultados e solicitando novas intervenções para a mesma queixa ou para uma área do corpo diferente, para a qual transferiram o foco das atenções. É da maior importância que esses profissionais conheçam os sintomas do TDC e investiguem especificamente esses sintomas. Os tratamentos cosméticos parecem ineficazes no TDC e podem oferecer riscos aos médicos que os executam, uma vez que os pacientes podem tornar-se agressivos e violentos com seus médicos. Além do mais, esses pacientes tem maiores taxas de ideação suicida e tentativas de suicídio, incluindo efetivas.
No Brasil, ainda não há estudos sobre a prevalência do TDC em população dermatológica. Segundo Fontenelle, apesar da importância em relação à aparência física observada na moderna sociedade brasileira, não existem investigações sistemáticas sobre o TDC no Brasil. Também parece não haver estudo publicado que tenha avaliado simultaneamente a prevalência, presença de comorbidades, gravidade dos sintomas e grau de juízo crítico do TDC em pacientes dermatológicos clínicos e cirúrgicos. Sendo assim este estudo se justifica na tentativa de preencher essas lacunas de conhecimento e investigar aspectos da fenomenologia das queixas com a imagem corporal nos pacientes com o TDC.

Quem quiser baixar a monografia completa clique aqui.

Abaixo segue o sumário da monografia.

1. Introdução
– Os tratamentos médicos cosméticos na atualidade
– Considerações sobre aspectos psicossociais
– A imagem corporal e a insatisfação
– Transtorno Dismórfico Corporal
– Clínica do Transtorno Dismórfico Corporal
– Prevalência do Transtorno Dismórfico Corporal
– Aspectos demográficos
– Etiologia
– Comorbidades
– Tratamento
– Justificativa do estudo

2. Objetivos e Hipóteses
– Objetivo geral
– Objetivos específicos e hipóteses

3. Casuística e Métodos
– Delineamento do estudo
– População
– Local de realização do estudo
– Amostra e amostragem
– Entrevistas
– Aspectos éticos
– Logística
– Treinamento dos entrevistadores
– Estimativa do Diagnóstico
– Avaliação da classe econômica
– Análise estatística dos dados

4. Resultados
– Características sócio-demográficas: perfil da amostra
– Rastreamento do Transtorno Dismórfico Corporal
– Histórico Médico
– Antecedentes psicossociais
– Diagnóstico do Transtorno Dismórfico Corporal após triagem da amostra
– Prevalência de Transtorno Dismórfico Corporal
– Características sócio-demográficas dos pacientes com o Transtorno Dismórfico Corporal
– Comorbidades
– Tratamentos psiquiátricos prévios
– Intensidade dos sintomas do Transtorno Dismórfico Corporal
– Nível de crença (Juízo crítico) sobre os sintomas do Transtorno Dismórfico Corporal
– Dimensões obsessivo-compulsivas associadas ao Transtorno Dismórfico Corporal
– Comparações entre pacientes com Transtorno Dismórcico Corporal e Transtorno Dismórfico Corporal associado ao Transtorno Obsessivo-Compulsivo
– Tratamentos dermatolóticos cosméticos e cirúrgicos
– Fatores associados à gravidade do Transtorno Dismórfico Corporal ea o nível de crença (juízo crítico)
– Fatores associados à presença de Transtorno Obsessivo-Compulsivo

5. Discussão
– Características da amostra
– Rastreamento do Transtorno Dismórfico Corporal: considerações sobre as respostas às perguntas de triagem
– Histórico Médico
– Antecedentes psicossociais
– Diagnóstico do Transtorno Dismórfico Corporal após triagem da amostra
– Prevalência do Transtorno Dismórfico Corporal
– Características sócio-demográficas dos pacientes com o Transtorno Dismórfico Corporal
– Comorbidades
– Diagnósticos e tratamentos psiquiátricos prévios
– Intensidade dos sintomas do Transtorno Dismórfico Corporal
– Nível de crença (juizo crítico) sobre os sintomas do Transtorno Dismórfico Corporal
– Dimensões obsessivo-compulsivas associadas
– Comarações dos pacientes com Transtorno Dismórfico Corporal e Transtorno Dismórfico Corporal associado ao Transtorno Obsessivo-Compulsivo
– Tratamentos dermatológicos cosméticos e cirúrgicos
– Fatores associados à gravidade do Transtorno Dismórfico Corporal e ao nível de crença (juízo crítico)
– Fatores associados à presença de Transtorno Obsessivo-Compulsivo
– Limitações deste estudo
– Perspectivas futuras

6. Conclusões
7. Anexos
8. Referências

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *