Perfeito pra quem?

Ontem quando eu fui dormir, comecei a pensar em tantas coisas que antigamente eu queria mudar em mim. Tantas coisas pequenas e até tolas, mas que para mim tinham um grande significado.

corte-reto-de-cabelo_Jennifer Aniston__Lindizzima

Peguei essa foto da Jennifer Aniston para exemplificar (a foto do pé não é dela). Dois “defeitos” que eu lembrei e que eu queria muito corrigir eram: Uma dobrinha perto da axila quando eu ficava com o braço abaixado, na verdade não era nem uma dobrinha, era tipo uma curvinha, como se fosse uma gordurinha. E o outro “defeito” era o dedo do pé maior que o dedão. Eu cogitava a idéia de fazer uma lipo nessa gordurinha da axila se eu tivesse dinheiro pra isso, o que eu não tinha. E também uma cirurgia para diminuir o dedo maior do pé. Eu ficava pensando como o médico iria fazer essa cirurgia, iria serrar o osso? Existe esse tipo de cirurgia? Eu seria a primeira brasileira a querer fazer esse tipo de cirurgia? Eu ficava me questionando várias coisas.

Fiquei pensando como nós, pessoas com dismorfia corporal, queremos ter a aparência perfeita. Foi então que eu me peguei me perguntando “Mas perfeito pra quem?”. O que é perfeito pra você, não é perfeito para o outro, e vice versa. Daí você me diz “Ah Solange, mas se eu me sentir feliz com a minha aparência não importa o que os outros pensem”. Mentira. Deixe de mentir para si mesmo. É uma ilusão pensar que vai funcionar assim, sabe por quê? Porque quando você sai na rua, o que você pensa é “As pessoas estão me achando feia(o)”, “Aquela pessoa está falando mal da minha aparência com seu amigo”, etc. Isso prova que você se preocupa com o que os outros acham de você.

Mas não dá para ter uma aparência que todos achem você perfeita(o). Porque umas pessoas vão achar que você fica melhor de cabelo loiro, outras de cabelo castanho, outras ruivo, outras grisalho, outras careca. Outras pessoas vão achar que você fica melhor mais alto do que você é, já outras vão achar que você fica melhor mais baixo, outras vão achar que tem que ser na altura que você tem. Outras vão achar que você fica melhor com pele negra, com pele branca ou com pele bronzeada. Outras vão achar que você fica melhor com cabelo liso, outra de cabelo cacheado, outras de cabelo curto, outras de cabelo longo. Outras vão achar que você fica melhor com sardas, outras vão achar que você fica melhor com a pele sem pintas. E eu vou ficar aqui até amanhã listando características. Acontece que você não pode ter TODAS as características ao mesmo tempo. Ou você é de um jeito, ou é de outro. Por isso, por mais “perfeito” que você ache que está tentando ficar, para as pessoas pode estar nem um pouco perto do “perfeito” delas. Cada um tem um tipo de “perfeito”. Além do que, o seu “perfeito” é o “feio” de outra pessoa. E o “feio” de outra pessoa pode ser o seu “perfeito”. Pessoas possuem GOSTOS diferentes, não há um padrão, por mais que a mídia imponha isso.

Se eu tivesse dinheiro para fazer todas as plásticas que eu tive vontade de fazer, em busca do meu “perfeito”, hoje eu estaria uma sósia da Jocelyn Wildenstein (nunca conseguirei escrever o sobrenome dela sem copiar do Google). Já falei dela aqui no blog, se você não leu é só clicar aqui em A merda que Jocelyn Wildenstein fez. Eu teria diminuído meu olho que achava muito grande, faria outra cirurgia pra colocá-lo mais pra dentro já que ele é meio saltado e esbugalhado. Teria feito algum tratamento na pele para tirar todas as minhas sardas (apesar de ter usado pomada a base de ácido e não ter adiantado), operaria meu nariz, tiraria minha papada imaginária do meu rosto, teria feito preenchimento embaixo do meu olho porque acho muito fundo e faria algum outro tratamento para tirar as olheiras (talvez a carboxiterapia funcionasse). No final das contas, eu ficaria muito mais horrível aos olhos dos outros do que eu realmente achava que eu era feia e teria um post no meu blog chamado “A merda que a Solange fez”. Além de que consertar a merda ia ser bem mais difícil do que não ter feito ela.

O que eu to querendo dizer com tudo isso? Não é possível chegar em um Perfeito comum a todos, e o caminho que buscamos pra consertar nossos defeitos em nossa aparência não é a melhor forma de buscar solução. Se as pessoas te falam que não enxergam em você os defeitos que você fala, é preciso que você comece a entender que elas realmente não vêem e pare de teimar que elas não estão sendo sinceras e verdadeiras com você. Gente dismórfia é teimosa e isso só piora o caminho para superar tudo isso. A forma certa de se resolver tudo o que você sente e vê é com terapia (eu gosto e indico a terapia cognitivo comportamental que eu acho uma terapia gostosa de se fazer e da resultados em curto tempo) e se for necessário, tomar remédio (um psiquiatra que vai recomendar) até que a terapia consiga mudar alguns hábitos que você tem. O remédio também vai ajudar a diminuir sua tristeza e contribuir para o seu tratamento na terapia. Só o remédio não adianta. Eu já tomei remédio também, não precisa tomar pra vida toda e você não vai ficar dependente do remédio. Ele só vem para contribuir, não para piorar a situação.

Se dê novas oportunidades para ser feliz e se sentir satisfeita(o) com a sua aparência. Ainda há tempo para isso 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *