Sentir-se feio: dismorfia corporal pode causar depressão

dismorfia

A Dismorfia Corporal é um transtorno que limita a vida das pessoas e pode estar associado a depressão, isolamento, fobia social e dependendo da gravidade e sofrimento pode levar ao suicídio.
A dismorfia corporal é caracterizada pela exacerbação de um defeito mínimo ou até pela criação de um defeito imaginário no corpo do indivíduo, fazendo-o passar horas na frente do espelho focando suas “imperfeições”. Os pensamentos a respeito do seu corpo “feio” podem se tornar obsessivos e levar a rituais para alivio do mal estar causado.

Esse transtorno tem se mostrado muito comum entre a população, pode chegar a 2%, iniciando na adolescência ou no jovem adulto, acomete homens e mulheres igualmente, embora não saibamos qual a causa, a desregulação do sistema nervoso central e disfunções dos gânglios podem estar envolvidos, além disso os valores sociais também tem forte influência na doença.

A dificuldade de se fazer o diagnóstico começa pela linha tênue que divide o se preocupar com a aparência de forma saudável e a forma exagerada que leva ao sofrimento, é fato que pessoas podem começar se preocupando de forma significativa com os “defeitos” do corpo e chegar a desenvolver o transtorno.

A vigorexia ou transtorno dismorfico muscular é uma derivação deste transtorno, faz com que o indivíduo se veja como pequeno e fraco, levando o mesmo a passar 3 ou 4 horas dentro da academia tentando definir os músculos e torna-los cada vez maior.

Assim como a anorexia nervosa, no qual as pessoas se veem gordas demais mesmo estando abaixo do peso que a organização mundial de saúde prega como saudável, que fazem dietas restritivas ao extremo ou as bulímicas que acabam expelindo o que ingeriu seja por vomito provocados ou laxantes e diuréticos.

A terapia é fundamental para aquisição da consciência corporal saudável e restabelecer vínculos e atividades perdidas, assim como a medicação pode ser uma grande aliada em alguns casos.

Adriana de Castro Ruocco Sartori
Psicóloga, mestre em ciência da Psiquiatria pela USP, especialista em abuso, dependência e compulsão, terapeuta transpessoal, hipnóloga pela ACT – Institute de Milton Ericson , Consteladora familiar e empresarial pela escola de Bert Hellinger, formada em Cura Reconectiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *