Qual o tratamento correto para o transtorno dismórfico corporal?

Quando eu ainda tinha dismorfia eu li tudo o que eu achei na internet. E na época (2009) não tinha muita coisa. Tinha bastante reportagem (texto) em sites dizendo o que era o transtorno, mas tudo muito repetitivo sem nada aprofundado e os outros sites eram cópia do que já tinha sido falado por aí. E sobre o tratamento eu sempre lia que não havia cura, somente o controle. E isso me desanimava muito, pensar que eu iria passar o resto da minha vida com dismorfia, mesmo que melhor do que eu estava mas não ia me livrar disso nunca. Como por exemplo acontece com o Alcoólatras Anônimos que nunca mais a pessoa pode beber nada, senão ela volta a ser alcoólatra. Alcoolismo não tem cura, mas tem controle. Diabetes não tem cura, mas ter controle. A pessoa pode ter uma vida boa, mas terá que conviver com essas coisas o resto da vida.

Porém, depois do tratamento, comecei a ver que eu estava totalmente livre desse problema. Não era um controle, era uma cura. Eu não me privo de nada para me sentir bem. Eu não me privo de olhar no espelho, nem de sair. Eu não preciso estar maquiada para me sentir bem. Também não tomo mais nenhuma medicação.

Mas afinal, qual o tratamento correto para a dismorfia corporal? O tratamento correto é aquele que funciona. Não existe apenas um caminho certo para sair disso. Cada pessoa encontra seu próprio caminho.

O meu caminho foi:
– terapia com psicólogo (eu não lembro com certeza a linha mas acredito que foi a terapia cognitivo comportamental ou algo parecido a isto)
– psiquiatra (porque eu estava com depressão mas o remédio também ajudou a diminuir o meu sofrimento em relação ao que eu via)
– leitura (li muitos livros sobre todos os assuntos relacionados a dismorfia corporal. Li sobre auto estima, auto imagem, ditadura da beleza, etc. Você pode ver os livros que eu li e outros livros clicando aqui).
– colocando em prática o que eu aprendia de novo tanto na terapia quanto nos livros. Saber só a teoria não vai adiantar. Você pode ler muito sobre como andar de moto, ver muitos vídeos de como se anda de moto. Mesmo que faça isso por anos, quando você pegar uma moto, mesmo que você consiga algum sucesso, muitos erros ainda vão ser cometidos. Mesma raciocínio para a dança. Você pode ler, ver vídeos etc de como dançar (tango, dança gaúcha, ou o que for). Por mais que na teoria você saiba tudo e em uma prova oral você tire 10, na aula prática capaz de você não conseguir executar nada. Quanta coisa você viu o alguém explicando e pensou “moleza” e depois na prática não conseguiu fazer nada? Só a prática dá esse conhecimento. Só a prática dá essa segurança. E o que queremos? Sermos seguros do que somos de verdade. É importante a prática para mudar pensamentos e atitudes erradas. Quem está obeso precisa fazer uma reeducação alimentar porque está comendo errado. É a mesma coisa nós. Precisamos de uma reeducação mental. Precisamos corrigir a nossa distorção de imagem para a nossa auto imagem correta. O nosso problema não é nossa aparência, o problema são nossos pensamentos. Pensamentos que alimentam a alma.

No depoimento do Robert, feito em 2012 contanto como foi a vida dele e como foi o tratamento dele. Desde aquela época ele também não tem mais o transtorno.

Outro membro do grupo do whatsapp contou que também não tem mais o transtorno dismórfico corporal. O tratamento dele foi totalmente através da fé. Ele voltou a frequentar a igreja, entregou sua vida à Deus e depois de um tempo estava curado.

Eu não busquei a fé no meu tratamento, até porque eu estava muito desacreditada de Deus naquela época mas estava muito crente do que eu era capaz de conseguir. Isso não quer dizer que o tratamento do outro rapaz estava errado. O importante é que dê certo.

Vou terminar o post colando aqui um texto que encontrei em outros dois site a dismorfia e tratamento. Segue:

Dismorfia corporal tem cura? Qual o tratamento? Sim, dismorfia corporal tem cura e o tratamento é psiquiátrico, com psicoterapia e medicamentos antidepressivos. Mesmo que a pessoa não fique curada, o tratamento da dismorfia corporal é importante para ajudar a pessoa a se aceitar melhor e ter uma vida normal.

Não existe um remédio específico para tratar a dismorfia corporal. Porém, é possível amenizar os sintomas que normalmente estão associados a esse transtorno mental, como depressão e ansiedade, com os antidepressivos.

A psicoterapia é uma parte essencial do tratamento, para que a pessoa possa compreender a verdadeira origem dos seus sentimentos de insatisfação. Contudo, é importante frisar que trabalho com a psicoterapia é longo.

Além disso, existe uma negação por parte do paciente em aceitar o fato de que tem dismorfia corporal. Por isso é comum uma pessoa com dismorfia corporal só procurar ajuda depois de 10 ou 15 anos sofrendo com o problema, que geralmente surge na adolescência. Seu tratamento é bastante difícil, pois grande parte dos pacientes acredita que é apenas “muito vaidosa” e não aceita o diagnóstico.

Também é importante saber distinguir uma simples insatisfação com o corpo de um transtorno psiquiátrico. Caso haja muito sofrimento psíquico ou prejuízo na vida diária, deixa de ser uma simples insatisfação e passa a ser dismorfia corporal, que precisa ser tratada.

Uma forma de identificar o transtorno dismórfico corporal é perguntando-se o quanto sua aparência te incomoda, quanto tempo pensa nisso por dia e se você deixa de fazer coisas por causa disso. As respostas podem indicar uma tendência ou mesmo a presença da condição.

A prevalência de sintomas do transtorno em pessoas que buscam cirurgias plásticas no Brasil pode chegar a 57%.

A melhor forma de prevenir o distúrbio é a aceitação e o respeito ao corpo e o fim da pressão para se encaixar em padrões sociais de aparência. É preciso ressaltar a beleza natural das pessoas e da diversidade, e entender que imagens de corpos perfeitos são irreais.

Fontes:
Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica de Santa Catarina
Médico Responde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *