Como estou me dedicando para melhorar?

Um comportamento comum desse transtorno psicológico é ter certeza que a outra pessoa não achou bonita, como se nós tivéssemos a capacidade de adivinhar o que o outro pensa. Não temos essa capacidade. Ninguém tem. Precisamos ser menos rudes com a gente mesmo. Somos amorosos com os outros mas não somos consigo mesmos. E também não devemos fazer essa pergunta ao outro (“você me acha bonito(a)?”) Porque nunca vamos acreditar na resposta. Então porquê vamos perguntar? Apenas para nos irritar julgando que a pessoa mentiu. Não acreditamos que possamos ser dignos de alguém nos admirar fisicamente, porque não nos admiramos. Por isso a importância da terapia, para tirar essa armadura, descer a guarda, se permitir mais e se amar mais.

Depois que fiz meu tratamento percebi como eu tinha um sentimento de desprezo e desamor por mim, não era apenas eu me achar feia, não era apenas eu sofrer por achar que ninguém me achava bonita também. Eu não tinha amor por mim, que é a falta de autoestima. Se queremos melhorar essa nossa condição (nossa distorção de imagem) temos que fazer algo por nós. Não basta apenas “força de vontade” querendo que um milagre aconteça e essa distorção acabe. O que eu estou fazendo por mim para melhorar? Estou fazendo terapia? Posso me privar de outro gasto para ter R$ 100,00 por mês para ir na terapia? “Infelizmente não tenho mesmo como conseguir R$ 100,00 para ir na terapia no mês”, então o que eu posso fazer por mim? Estou lendo um livro sobre autoestima? Sobre autoimagem?

Precisamos buscar conhecimento para poder mudar a nossa distorção de imagem. É preciso entender o transtorno, como ele acontece dentro de nós, quais os hábitos que temos que são totalmente do TDC (como por exemplo não acreditar quando alguém nos diz que estamos bonitos). E então ter novos hábitos para criar a autoimagem correta, tirando a autoimagem distorcida. Se abrir para o novo, se permitir que as coisas podem ser diferentes.

Temos muita dificuldade em aceitar uma informação diferente da que já temos criada dentro de nós. A nossa verdade que é a correta e a única possível. Não aceitamos que possa ser diferente, não acreditamos nessa possibilidade. E é aqui que mora nosso fracasso. Nunca vamos melhorar e mudar se não estivermos disponíveis para o novo. Não é possível mudar quando estamos intransigentes. Essa é a palavra perfeita para o que somos.

Significado de Intransigentes:
Alguém que é intolerante, não aceita a opinião de outras pessoas e sua opinião é a única que importa. Pessoa autoritária.

E somos assim não porque queremos, mas porque já está enraizado dentro de nós. Porque vivemos sempre na defensiva, achando que todos nos acham feio, que somos desprezados, que não somos amados, que as pessoas nos julgam por nossa aparência, que não temos espaço na sociedade porque somos feios, etc. Por isso não queremos nos abrir. Porque quando nos abrimos nos tornamos vulneráveis. E queremos ter a segurança, não a insegurança do novo.

É o mesmo que acontece com namoros e casamentos falidos mas que as pessoas não se separam. Porque o sofrimento que elas passam já é do conhecimento delas. Aquilo está sob controle. Terminar e se abrir para um novo relacionamento é entrar no desconhecido, é algo que ainda vai acontecer e isso traz insegurança. Então a pessoa se sente mais confortável com o ruim mas que ela já sabe lidar do que ter que lidar com o novo desconhecido. Aqui digo sobre “desconhecido” como viver a cada dia algo novo e não sobre pessoas desconhecidas.

Então temos muito receio de nos abrir para o novo. E se o novo me machucar mais do que eu já estou machucado? Mas a mudança não tem como acontecer sem a nossa permissão. E “permitir” aqui é diferente de “querer”. “Ah mas eu quero a mudança”. Eu também quero ser muito rica, mas não estou trabalhando o suficiente pra isso. Então “permitir” está relacionado a “dedicação”, o que estou fazendo para alcançar meu objetivo? Apenas vivendo meus dias e esperando que as coisas melhorem ou estou buscando conhecimento sobre o meu TDC e colocando em prática novos hábitos?

De que forma estou me dedicando para melhorar minha autoimagem distorcida? Pense sobre isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *