Foda-se

botao_pronto_400x400

Sim, foda-se é um estilo de vida. Esse texto é pra você que descobriu que tem dismorfia corporal (se você tem dúvidas clique aqui) e não vai a lugar algum porque todos “vão reparar no seu defeito monstro”.

Se você não vai a praia, ao shopping, a uma festa ou a qualquer lugar, porque as pessoas vão olhar pra você, eu preciso dizer uma coisa: Foda-se. Não você, elas! Foda-se as pessoas. Elas não têm nada a ver com a sua vida. Se você continuar parando de ir aos lugares porque as pessoas sei lá o que, você vai passar a vida toda sendo escrava não só de você mesma, mas escrava da opinião QUE VOCÊ ACHA que os outros fazem a seu respeito.

Eu não queria acabar com a sua alegria, mas eu PRECISO te falar isso. As pessoas não estão nem aí pra você. As pessoas não estão nem aí se você está acima do peso, se você tem o nariz feio, se seu olho é estranho ou seja qual for a sua insatisfação. Elas têm mais o que fazer. E se alguma realmente ficar tempo pensando mal de você, essa pessoa tem problema e deveria procurar uma terapia.

Pessoas dismórficas pensam de um jeito único. Os dismórficos acham que as pessoas pensam de um jeito que não pensam na realidade. Isso tudo você criou na sua cabeça. Eu digo isso porque eu já fui neurótica assim também, mas depois de muita reflexão e muita leitura eu estou aprendendo a pensar direito e parar com essa loucura de que a pessoa vai te olhar, vai te julgar, vai comentar com o amigo e que isso vai virar assunto na mesa do jantar. Entenda, isso-não-vai-acontecer. A pessoa pode ter te olhado, pode até ter pensado alguma coisa. Mas morreu ali. Cinco segundos depois essa pessoa já esqueceu, já tá pensando em outra coisa. Desculpa, você não é o centro das atenções, nem mesmo sendo tão feio(a) como você acha que é.

Eu já deixei de fazer tanta coisa porque eu achava que iam me olhar, iam me achar uma aberração da natureza e eu ia ser o assunto do dia com todas as pessoas que quem me viu ia conversar. E então eu não fazia mais nada, eu não ia a lugar algum. Já não bastava eu ser escrava de mim mesma eu era escrava dos outros (na minha cabeça né). Só ano passado, aos 28 anos, que eu adotei o “foda-se” na minha vida e foi tirar um peso das minhas costas. Quero ir a algum lugar e acho que as pessoas vão ficar olhando como sou deformada? Foda-se. Quer achar, ache. Aliás, as pessoas que vão me ver na rua (rua = da porta da minha casa pra fora) nunca mais irão me ver de novo. Então eu vou fazer o que eu to a fim! Quero ir à praia e to branca igual a uma gringa? Vão tentar falar inglês comigo? Odeio ser um peixe fora d’água sendo a mais branca da praia? Foda-se. Vou assim mesmo e ninguém tem nada a ver com isso. Outro dia fui à praia, levei creme, alicate de cutícula e espatula e fiz a unha sentada na cadeira de praia. Imagina se outra pessoa ia fazer isso, que mico! Foda-se. Foda-se quantas vezes for preciso. Hoje eu coloco meu fone e canto voltando pra casa, falo sozinha, lembro de alguma coisa na rua e dou risada. As pessoas me acham estranha, esquisita, louca? Foda-se. Elas pagam minhas contas? Então foda-se. Hoje eu vivo assim e sou muito mais feliz.

Pense nisso.

 

Whitney Houston fez cirurgia plástica?

Whitney que nasceu em 1963 e embalou nossas vidas com I Will Always Love You e atualmente com I Look to You partiu dessa pra uma melhor. Ela não andava em uma fase boa da vida, pra gente ver como dinheiro não traz felicidade. E por problemas que só ela sabe, acabou se afundando em drogas como cocaína e crack.

Agora um cara chamado Daily Mail está dizendo que ela era homossexual. O que ele ganha com isso? Deixa a mulher pow, já morreu. Mas ele quer ter os seus 15 minutos de fama.

Enfim, vamos ao que interessa.

Estamos tão acostumados com celebridades que fazem cirurgia plástica que quando Whitney Houston morreu eu pensei “Será que ela era como Latoya Jakcon que fez várias plásticas?”.

latoya-jackson-plastica

Na capa do Vinil (me senti velha agora) Latoya já tinha começado a fazer plástica. Se ela tivesse parado por aí tava bom. Mas não…

latoya-jackson-compacto-vinil-heart-dont-lie-1984

Aliás, Latoya ficou a cara do irmão Michael Jackson. É Michael Jackson de peruca. 😮

Já nas minhas pesquisas sobre a Whitney Houston o que encontrei foi “botox para a pele sem rugas, blefaroplastia (cirurgia do olho) e implantes de mama (silicone)”.

1985-A-young-Whitney-Hous-014

1985

whitney-houston-2012whitney-houston-2012awhitney-houston-2012b

Vou dizer que não vi muita diferença. Pra mim, a única visível é o silicone.

Adele magra?

Adele foi a grande vencedora da 54º edição dos Grammy Awards. Estava eu navegando quando vi em um blog cogitando sobre ela ter sigo “emagrecida” no Photoshop pra capa da Revista. Confesso que fiquei na dúvida. Porque há um jogo de luzes que podem ter contribuído para esse “efeito”. Então vou por aqui a foto da capa e a do dia do Grammy pra vocês mesmos tirarem suas conclusões.

0312-VO-COVERadele-grammy-1 adele-grammy-2

Posts relacionados:

Christiane Torloni de verdade
Desculpe, Kate, mas vc não é magra o suficiente – precisa de Photoshop
Pare de acreditar em capas de revistas
Pare de acreditar em capas de revistas #2
E vc ainda acredita nas revistas?
Eu dava um dedo…
Fernanda Vasconcellos aparece sem umbigo em comercial na praia
Photoshop é como nascer de novo
Carol Castro antes e depois do Photoshop
A Mulher da Página 194
Ex-Miss Universo posa nua e sem retoques para capa de revista
Pele Perfeita
Aviso sobre photoshop poderá ser obrigatório em publicidade

Estudo aponta que olhar no espelho causa ansiedade e depressão

espelho

A pesquisa revelou que se admirar por muito tempo pode ser prejudicial para a saúde

Seja por vaidade ou apenas para dar uma verificada no visual, todos nós damos algumas paradinhas em frente ao espelho diariamente. Mas esse hábito, por vezes tão natural, pode representar mais riscos do que trazer benefícios para nossa saúde mental.

O estudo realizado pelo Instituto de Psiquiatria de Londres revelou que os voluntários que olhavam para seus reflexos por mais de dez minutos apresentavam gradualmente sintomas de ansiedade e depressão. Mesmo as pessoas que se declaravam satisfeitas com suas aparências começavam a demonstrar os sintomas depois de alguns minutos em frente ao espelho.

Os pesquisadores, que divulgaram os resultados este mês, consideram essas conclusões surpreendentes, já que eles esperavam que tais comportamentos fossem encontrados somente entre pacientes com Transtorno Dismórfico Corporal – quando a pessoa enxerga sua aparência ou forma física diferente do que ela realmente é. No entanto, o mesmo aconteceu com as pessoas diagnosticadas com saúde perfeita quando estas foram solicitados a encarar o espelho por alguns minutos.

Outras pesquisas realizadas no Reino Unido já demonstraram que as mulheres se olham no espelho cerca de 38 vezes por dia, enquanto os homens cumprem esse ritual apenas 18 vezes no mesmo período. Então não é por acaso que os mesmos estudos revelaram que as mulheres são mais críticas com suas aparências do que os homens, além de que elas são menos propensas a tecer elogios sobre suas próprias figuras quando se veem no espelho.

Para comparar os efeitos da autoimagem em pacientes com Transtorno Dismórfico Corporal e pacientes saudáveis, os pesquisadores do Instituto de Psiquiatria recrutaram 50 voluntários. Foram selecionadas 25 pessoas que sofriam do transtorno e outras 25 pessoas que se mostraram positivas quanto à própria imagem para passarem por dois testes.

O primeiro deles consistia em responder a um questionário antes e depois de encarar a própria imagem por 25 segundos. No segundo teste, os voluntários passavam dez minutos em frente ao espelho e depois respondiam outro questionário.

Conforme esperado, os pacientes com transtorno demonstraram alto grau de insatisfação mesmo depois de se olharem por apenas 25 segundos. Mas o que surpreendeu os pesquisadores foi que os voluntários saudáveis demonstraram as mesmas inquietações e sinais de ansiedade e depressão quando foram submetidos a testes de maior duração.

Os pesquisadores acreditam que isso acontece porque, embora todos tenham o costume de dar aquela espiadinha no espelho para verificar se tudo está de acordo, a maior parte das pessoas não passa longos períodos analisando cada parte do corpo. De fato, é possível que passar muito tempo em frente ao espelho seja um costume prejudicial à saúde.

Fonte: Toda Ela

Será que tenho dismorfia corporal?

Algumas pessoas que passam pelo blog dizem que se identificaram com os sintomas mas que não sabem se possuem a doença.

Por isso criei esse ítem no menu, com a intenção de ajudar quem tem dúvida a identificar se tem dismorfia corporal ou não.

Em primeiro lugar, quem tem que dizer se vc tem ou não dismorfia corporal é um médico profissional dessa área. Resumindo, um psiquiatra. Mas tem que ser um psiquiatra que saiba que essa doença existe, pq é comum encontrar psiquiatras que não sabem o que é isso. Experiência própria.

Falando de forma bem teórica, a dismorfia corporal consta no DSM-IV (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais) e no CID-10 (Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde). É necessário ter TODOS os três sintomas abaixo para ser considerada com a doença:
a) o indivíduo preocupa-se com um defeito imaginário na aparência e se uma mínima anomalia está presente, tem preocupação marcadamente excessiva com essa;
b) a preocupação deve causar estresse significativo ou prejuizo na vida social, ocupacional ou outras áreas do funcionamento;
c) essas queixas não podem ser caracterizadas como outro transtorno mental, tal como a anorexia nervosa.
(Se quiser ler mais sobre dismorfia corporal clique aqui).

Se mesmo assim vc ainda não tem certeza, vou explicar com o português comum. Uma pessoa com dismorfia corporal tem hábitos específicos que caracterizam bem a doença. Porém, não adianta vc se identificar com um ou outro, tem que se identificar com pelo menos mais da metade.

Os hábitos de quem tem dismorfia são:

1. Vc fica muito tempo na frente do espelho olhando o que vc odeia na sua aparência. Se vc está no quarto ou no banheiro não perde a oportunidade de ficar com a cara colada no espelho. Ou evitam espelhos.
2. Quando vc sai da porta de casa pra fora acha que todos estão reparando como vc é horrível. E além de reparar tb acha que eles comentam.
3. Se vc fala pra alguém da família ou amigo do seu defeito (a nivel de deformação) a pessoa diz que não é nada do que vc diz. Ou pelo menos não do jeito exagerado que vc diz ser.
4. Vc deixa de ir a qualquer lugar público (festa, shopping, praia) por se achar muito horrível para as pessoas te verem (isso tb pode incluir parar de trabalhar ou estudar)
5. Vc quer fazer todas as cirurgias plásticas possíveis e impossíveis pra consertar o que vc odeia na sua aparência. Vc já chegou a ir a consultas com cirurgiões plásticos e dermatologistas pra arrumar esse defeitão.
6. Com certa frequência vc chora de tanta tristeza por ser tão feio.
7. Quando falam que vc é bonito(a) vc tem certeza que tão de sacanagem.
8. Vc não consegue pensar em outra coisa a não ser como vc é feio e como as pessoas estão reparando como vc é.
9. Vc não vai a lugar algum sem maquiagem (óculos escuros, boné, etc), nem mesmo à padaria ou à portaria do prédio.
10. Vc confere sua aparência em qualquer superfície que reflita sua imagem, as mais comuns são janelas de carros e vitrines de lojas.
11. Vc fica comparando sua aparência com a de pessoas famosas que vc acha bonita.
12. Vc já quis (ou quer) morrer (isso inclui se matar) pq é insuportável aguentar esse peso que é viver com a aparência que vc tem.
13. Vc nunca namorou ou acredita que quem demonstra interesse por vc é por pena ou pq vc é tão feio(a) que é mais dificil levar um fora.
14. Vc não consegue conversar olhando nos olhos das pessoas ou quando anda na rua não olha pra ninguém.
15. Vc foge de fotografias como o diabo foge da cruz.

Ok, li e acredito que tenho dismorfia corporal. O que devo fazer?
Procure um psiquiatra. Pare com esse medo idiota de achar que psiquiatra só serve pra cuidar de gente de manicômio, que baba e  usa camisa de força. Se vc não quer se ajudar então não vem se queixar pra mim depois. Eu tenho dismorfia corporal e to dizendo aqui o que é importante fazer pra superar isso. Tudo o que eu to dizendo aqui eu fiz e hoje consigo viver bem melhor.

O que o psiquiatra vai fazer?
O objetivo principal do psiquiatra é te medicar. Ele não fez psicologia na faculdade, ele fez MEDICINA. O psiquiatra não é psicólogo, apesar de tb ter psiquiatra que faz terapia. O que é bom.

Como é a consulta com o psiquiatra?
Vc vai sentar na frente do(a) psiquiatra. Ele vai estar atrás de uma mesa de consultório, com um computador, blocos e receituários. Diferente do psicólogo que vc senta em um sofá e o psicólogo em outro e entre vcs não tem nada. O psiquiatra precisa saber como é a sua vida, sua rotina e como vc se sente (e se vê). Vc precisa falar tudo. Se ficar escondendo as coisas do médico não sei qual a razão de vc ir lá. Ele ta ali pra te ajudar, se vc ficar escondendo as coisas dele o único prejudicado é vc. Com base no que vc falar ele vai saber qual é o melhor remédio pra vc. O remédio vai regular a serotonina e da dopamina (explicando de forma grosseria são substâncias do cérebro responsáveis pelo seu bem estar) e vai ajudar a diminuir as “alucinações”. Em outras palavras, vc não vai ficar tão atormentado por causa do seu nariz horroroso, sua pele manchada ou seja lá qual for a sua reclamação. O remédio não vai fazer vc se achar se achar mais bonita(o), mas vai diminuir a sua dor emocional, vc vai sofrer menos por causa da sua aparência. O psiquiatra vai pedir pra vc voltar em um mês, pra saber como está sendo a adaptação com o remédio. O remédio demora cerca de 15 dias para começar a fazer efeito, pq nesse tempo o corpo está se acostumando com o que está recebendo. O que vc vai tomar não é como remédio para prisão de ventre. Não adianta vc tomar hoje e achar que amanhã já vai se sentir melhor. Conforme vc se sentir ao fim do primeiro mês o psiquiatra vai manter essa medicação ou fazer alguma adaptação, como aumentar a dose ou trocar de substância.

Ah, mas eu não quero tomar remédio.
Ok, então não tome. Vc pode melhorar sem tomar remédio, mas é um caminho mais longo e doloroso. Eu tomo remédio todo dia por causa da dismorfia corporal e não vejo problema nisso. Tem gente que tem problema do coração e toma remédio todo dia, tem gente que tem diabete e toma remédio todo dia, pq eu não posso tomar remédio todo dia? Meu bem estar vai melhorar, vou conseguir viver melhor, vou conseguir me relacionar com as pessoas e com o mundo melhor, e o mais importante, vou conseguir me relacionar comigo mesma melhor. Se mesmo assim vc não quer tomar remédio, tente homeopatia, floral, alguma medicina/terapia alternativa.

Preciso fazer terapia?
É bom fazer. Vai ajudar muito a vc superar tudo isso. Vai aprender a rever seus conceitos. Suas opiniões pré formatadas e a mudar as suas verdades únicas que só existem pra vc e vc nem sabe. O tipo de terapia que eu recomendo (opinião minha) é a terapia cognitivo comportamental.

A terapia cognitivo comportamental é empregada para problemas tais como: dificuldades existenciais, mudanças de estilo de vida e até questões mais específicas como pânico, depressão, ansiedade, anorexia, obesidade, bulimia, obsessões e compulsões.

A terapia desenvolvida nesta abordagem acontece em conjunto com o paciente, onde o mesmo identifica, examina (auto-avalia) e corrige as distorções do pensamento que causam seu sofrimento emocional e tem como objetivo auxiliar o paciente na correção dos pensamentos distorcidos ou disfuncionais, para que o paciente se sinta melhor emocionalmente e para que se comporte de maneira mais produtiva na busca de suas metas.

O que mais preciso fazer?
Cada um precisa achar seu próprio caminho. Os profissionais podem te ajudar, mas o principal responsável pra sair disso é vc. Duas coisas que me ajudaram com a minha dismorfia corporal é a leitura. Eu tive que reaprender muita coisa sobre a beleza, auto imagem e auto estima. A listagem de livros que eu li, estou lendo e pretendo ler vc pode ver aqui. A outra coisa que eu fiz que ajudou muito foi enfrentar os meus medos. Se eu tinha medo de ir a uma festa pq as pessoas iam ficar me reparando, eu ia. Se eu tinha medo de ir a praia pq eu ia ser a única branca (chegam a tentar falar em inglês comigo achando que sou gringa), eu fecho o olho e vou. Se eu tinha vergonha de usar saia/vestido por causa da minha perna (branca e fina) eu vestia e ia. No começo não é confortável fazer essas coisas, mas a cada vez que vc faz o monstro fica menor e é muito bom vc poder fazer coisas rotineiras e normais sem ser um tormento. Ou até mesmo poder fazer coisas que antes vc não fazia por medo ou vergonha.

No mais, espero boa sorte pra cada pessoa que tiver dismorfia corporal e passar por aqui. Se vc acha que não há mais vida, há sim. Tenha fé, acredite, se empenhe em vc mesmo, tenha disciplina (como em tudo na vida) que devagar vc vai se reerguendo, vai saindo desse poço e vai conseguir seguir em frente. Se vc não consegue sozinho, busque ajuda de outra pessoa. Não tenha vergonha disso, feio é não pedir ajuda por orgulho. Deixe o orgulho de lado, o mais importante é a sua felicidade.

Solange

Christiane Torloni de verdade

Esse post é pra vocês, mulherada 40+! Que passa na banca e fica invejando a Christiane Torloni na capa da Boa Forma.

Christiane_Torloni_boaforma_photoshop

Já falei e repito. Isso-é-Pho-to-shop! Não que ela não tenha o corpo bonito, mas ele é aperfeiçoado no computador.

Vamos ver a Christiane Torloni sem photoshop, que faz 55 anos daqui 10 dias.

Christiane Torloni3Christiane Torloni5

Até o bronze é de mentira!

Se sentiu melhor agora? Não que ela não esteja bem pra idade dela. Mas ela não é o que a revista vende. Apesar de eu achar ela um pouco boneca demais (pelas plásticas no rosto) ela está ótima pra idade dela.

Entenda, as mulheres das revistas só existem nas revistas. Na vida real elas são tão imperfeitas como você (e eu). Be happy!

Posts relacionados:

Adele magra?
Desculpe, Kate, mas vc não é magra o suficiente – precisa de Photoshop
Pare de acreditar em capas de revistas
Pare de acreditar em capas de revistas #2
E vc ainda acredita nas revistas?
Eu dava um dedo…
Fernanda Vasconcellos aparece sem umbigo em comercial na praia
Photoshop é como nascer de novo
Carol Castro antes e depois do Photoshop
A Mulher da Página 194
Ex-Miss Universo posa nua e sem retoques para capa de revista
Pele Perfeita
Aviso sobre photoshop poderá ser obrigatório em publicidade

Meu olho esbugalhado

Recebi um email de uma amiga aqui do blog, Pat, com o assunto “olhos bonitos” e dizia assim:

“Olhando a foto da Monique do BBB não pude deixar de notar a semelhança dos olhos de vocês duas. Bem, se vc acha a moça e/ou só os olhos dela feia, me desculpe, mas acho parecidíssimo. Eu a acho linda, assim como a você e os seus olhos também.  Beijo!
(A preta Gil tbm tem o olho assim, e também ela acho LINDA! Ah! E a JuPaes, tbm, embora o olho dela, além de “esbugalhado” (Ha, essa é uma expressão sua, So, admita!) ela tem o olho meio “árabe”!, enfim, é tudo olhão!)

Ela fala isso pq sabe que eu por muito tempo (ok, um pouco ainda) odiei meu olho grande e saltado e que tb foi motivo de chacota na adolescência.

Esse é o meu olho:

olho-solange1 olho-solange2 olho-solange3 olho-solange5

Olheiras pra que te quero né! Quero fazer carboxiterapia que dizem que é bom pra diminuir olheira. Se alguma clínica de estética quiser me dar um brinde “tamo ae”!

Mas voltando ao email, realmente a Monique do BBB é bonita e acho até que o olhão da um tchãn. Mesma coisa a Juliana Paes, que é o exemplo mais comum.

Cheguei a cogitar fazer cirurgia pra por meu olho “pra dentro” ou fazer um preenchimento para dar uma amenizada, mas esse sonho não chegou a se realizar ($$$$$$$$). Foto de um preenchimento abaixo. Fica legalzão né.

nova-técnica-de-preenchimento-facial-300x269

E a foto abaixo é de plástica de Exoftalmia. Como por exemplo quem tem hipotireoidismo. Eu cheguei a fazer o exame de tireóide porque achava que meu olho saltado podia ser isso, mas não era.

Exoftalmia-plastica1 Exoftalmia-plastica2

Então selecionei 4 pessoas que tem o olho parecido com o meu, grande e saltado e que não são feias. Nem vendo somente o olho em específico. São elas: Aishwarya Rai, Juliana Paes, Monique do BBB e Polliana Aleixo.
aishwarya-rai1 aishwarya-rai2 aishwarya-rai3 aishwarya-rai4 aishwarya-rai5

Juliana_Paes2 Juliana_Paes3

Monique-BBB1 Monique-BBB2 Monique-BBB3 Monique-BBB4

polliana_aleixo1 polliana_aleixo2 polliana_aleixo3

Minha irmã disse (na época que tava passando Insensato Coração) que eu era muito parecida com a Polliana de perfil. E eu acho que o meu olho é mais parecido com o dela mesmo.

Achei no Yahoo Respostas algumas perguntas sobre olhos grandes e vi respostas bem legais. Segue:

Pergunta: Meu nome é Marcos, tenho olhos grande pra fora esbugalhado arregalado igual o da Juliana Paes acho feio isso é de família foi indo até chegar em mim odeio meus olhos queria saber se existe algo ou cirurgia que coloque ele mais para dentro do globo e deixa normal e quanto custa essa cirurgia e a onde eu posso fazer ela, eu fico triste por causa disso e isso acaba comigo rebaixa minha auto estima.

Resposta: Se é igual à juliana Paes, não deveria mexer. Aceite-se e desencana. O problema não está nos seus olhos. Faça terapia.

Pergunta: Oque vocês acham da Juliana Paes ela tem os olhos grandes de mais né?

Resposta 1: Ela tem olhos grandes. Mas não são grandes demais, é um rosto harmonioso.
Os olhos grandes delas são muito charmosos e é justamente isso que muita gente elogia nela.

Resposta 2: Ela é muito bonita,e claro que temos uma invejinha saudável dela. rsrsrs, mas que ela tem os olhos um pouco grandinhos isso tem mesmo não podemos negar,mas faz parte da beleza exótica dela…talvez se ela não tivesse aqueles olhos não seria tão bonita como é….

Então é isso. A conclusão desse post é: DISMÓRFICOS AUMENTAM EM 500% O QUE ACHAM QUE É FEIO. E não ache que você aí não faz isso, que você é o dono da verdade porque não é! Procure terapia, leia um livro, tome remédio se for preciso. Mas pare de neurose! Eu também tenho as minhas mas precisamos superar isso pra viver melhor. Chega de sermos escravos de nós mesmos. Uma boa semana pra todo mundo!

Novo dono do blog

Gostaria de comunicar aos leitores do blog que a partir de hoje ele não será mais meu, será de uma pessoa chamada ADEN. Mentira! O blog continua sendo meu. Mas esse cara aí, que eu nem sei quem é, apareceu aqui no blog e deixou um comentário em 2 posts. E ele é ótimo, escreve bem e se expressa melhor ainda. Eu fiquei assim 😮 quando li o comentário dele. E é por isso que eu estou transformando em POST, porque merece. Boa leitura a todos. Obs: Eunice é uma leitora que comentou dizendo que tem dismorfia.

Vocês podem até ter esse problema, achar que são feias. Mas nós homens achando vocês bonitas, é isso que importa. Vocês podem dizer que o que importa é a própria pessoa se achar bonita, e digo que isso é verdade, mas se outras pessoas te acham bonita, digo que também é bom. Por exemplo o caso da Eunice, aposto que o marido dela acha ela bonita. Então acho que mesmo tendo tal problema é bom deixar um pouco de lado esse pensamento egoísta de achar que só vale o que você pensa e aceitar os elogios das outras pessoas. Se as pessoas te acham bonita é porque você é e fim de papo, nós homens somos diretos mesmo então não levem a mal. Não importa se você é índia, negra, japonesa, branca, mulata, ruiva, se tem sardas, se tem cabelo curto ou longo, se é liso ou cacheado, enfim, nada disso importa. Você não é o padrão de beleza para alguns homens, isso é lógico, mas com certeza para outros é.
A beleza é relativa e cada pessoa tem uma beleza única. Então parem de reclamar de suas aparências e agradeçam a Deus pela vida, pela saúde e por terem seus corpos perfeitos, pois podem ver, ouvir, falar, tem todos os membros e não têm deformidades de nascença nem adquiridas através de acidentes, agradeçam a Deus pela beleza única de ele deu para você, pois ninguém tem a mesma beleza que você tem. Quem acha essas mulheres de revistas cheias de maquiagem e photoshop são bonitas só porque disseram que é, e nem pensam que isso serve somente para movimentar a indústria da beleza (pois as mulheres buscam incansavelmente uma beleza que não existe) não passa de massa de manobra sem opinião própria e sem senso de crítica, pois não consegue ver que a verdadeira beleza está na frente do espelho.

Abraços de um homem que não é bonito nem feio, sou apenas eu.

E o outro comentário:

Vocês mulheres são muito bobas mesmo. Nós homens sabemos muito bem que aquelas mulheres não existem, que é tudo maquiagem e photoshop.
E outra, quem disse que estas fotos tratadas estão melhores que as outras? Estão parecendo mais com umas bonecas de porcelana, sou muito mais as fotos naturais. A mocinha com as sardas por exemplo, não vejo problema nas sardas, esse é o charme dela, a foto tratada está ruim, parece uma imagem 3D virtual.

Abraços.

Ele é o cara.

E você ainda acredita nas revistas?

Buenos Dias pra todos.

Dismórfico é uma coisa de doido!!! Se um dismórfico vai em algum consultório, seja médico, dentista ou mesmo nas bancas pelas ruas afora. Digo e repito. A pele perfeita que vc vê não existe. Tudo aquilo é manipulado. Se vc pegar qualquer pessoa na rua, der uma ajeitada no cabelo, uma maquiagem, fazer uma pose esperta e tiver um fotógrafo bacana com uma câmera de R$ 4.000,00 é ÓBVIOOOOO que vai ficar legal pra caralh*. Se já não bastasse isso, depois de toda essa produção, a foto vai ainda pro nosso grande amigo PHOTOSHOP pra dar mais um glamour pra foto. Quer ver um exemplo? Carolina Dieckmann tem o dente torto e você nunca reparou.

Peguei na net essas fotos editadas pra vcs verem como tudo é manipulado e todo mundo pode ficar com cara de Revista Nova.

photoshop1a photoshop2a photoshop3a photoshop4a photoshop5a photoshop6a photoshop7a

Posts relacionados:

Christiane Torloni de verdade
Desculpe, Kate, mas vc não é magra o suficiente – precisa de Photoshop
Eu dava um dedo…
Fernanda Vasconcellos aparece sem umbigo em comercial na praia
Photoshop é como nascer de novo
Carol Castro antes e depois do Photoshop
A Mulher da Página 194
Ex-Miss Universo posa nua e sem retoques para capa de revista
Pele Perfeita
Aviso sobre photoshop poderá ser obrigatório em publicidade

Monografia sobre Dismorfia Muscular

Ladies and gentlemen,

Esse blog anda com pouco post porque minha vida anda uma bagunça, mas espero que logo eu volte  a postar com mais frequência aqui. Sinto falta de fazer posts meus, e não só postando textos de outros lugares.

Enfim. O post de hoje é sobre um trabalho de conclusão de curso (monografia) sobre Dismorfia Muscular (2010). Coooooooomoooo são 70 páginas eu vou colocar aqui só as partes mais interessantes e no final vou por a monografia (autora: JULIANA HAMMES DE´CARLI) para quem quiser baixar. Até porque o blog é sobre dismorfia corporal e não vigorexia. Então só vou postar o que tem a ver com a auto imagem distorcida e não vou postar as partes sobre a prática excessiva de exercícios físicos.

Fiz minhas observações em ROSA.

Resumo:
Este trabalho trata da dismorfia muscular, um transtorno dismórfico corporal recente em relação a outros já estudados, como bulimia e anorexia. A mídia e a cultura são fortes fatores influenciáveis, que estimulam a propagação desse transtorno. O indivíduo com dismorfia muscular apresenta distorção de imagem corporal e os sintomas deste problema estão associados a sintomas de estresse psicoemocional. Este transtorno apresenta comorbidade e por se tratar de um problema recente (eu não acho que o problema seja recente, eu acho que é um problema bem antigo mas que nunca houve uma preocupação em estudar e tratar. Da mesma forma que falam erroneamente que a dismorfia corporal é uma NOVA DOENÇA, que mané nova pow! É nova a atenção que estão dando para ela, mas ela já existe há séculos!), ainda não há descrição para tratamento específico, tendo práticas “emprestadas” de quadros correlatos e que não podem ser descritas como definitivas.

De acordo com a American Psychiatric Assocition (DSM-5 Development), transtornos de dismorfia corporal são caracterizados por
1. Preocupação com uma falha ou defeito percebido na aparência física que não é
observável por outras pessoas.
2. A preocupação causa sofrimento clinicamente significativo (por exemplo: humor depressivo, ansiedade, vergonha), prejuízo no funcionamento social ou ocupacional ou em outras áreas importantes de funcionamento (como na escola ou o relacionamento em casa).
3. As preocupações não se restringem aparentemente a sintomas de um transtorno alimentar (exemplo, preocupação com a gordura corporal ou peso).

A distorção da imagem corporal está comumente associada a distúrbios alimentares como anorexia, bulimia e transtorno dismórfico corporal. Quando falamos de imagem corporal, a auto-percepção do peso é importante e determinante entre os transtornos dismórficos corporais, podendo ser influenciado por diversos fatores, incluindo a cultura e os padrões sociais. (VEGGI ET al, 2004).

Achei esse parágrafo confuso. Parece que o transtorno dismórfico corporal está diretamente ligada à um distúrbio alimentar. E isso não procede. Da mesma forma que a vigorexia é um SUBTIPO da dismorfia corporal, a anorexia também é. Agora no transtorno dismórfico corporal é muito mais predominante a obsessão por DEFEITOS FÍSICOS ESPECÍFICOS. O parágrafo podia ter sido escrito passando o “transtorno dismórfico corporal” pra frente pra não gerar confusão.

Mudanças na aparência, forma e tamanho corporais, que são comuns em toda
sociedade, têm uma importante função social e expressam onde o indivíduo está inserido na sociedade e pode ainda demonstrar mudança no status social (CONTI, 2005- 6). O indivíduo só é aceito estando nos padrões do grupo. Assim pessoas não atraentes podem ser discriminadas e não recebem tanto suporte em seu desenvolvimento quanto os sujeitos reconhecidos como atraentes, podendo ser rejeitadas, o que dificulta o desenvolvimento de habilidades sociais e da auto- estima. (SAIKALI, 2004).

A distorção da imagem corporal é um fator determinante para os transtornos alimentares. De acordo com Saikali ET AL (2004), a autoavaliação desta pode ocorrer de três formas:
“(…) o indivíduo pensa em extremos relacionados à sua aparência ou é muito crítico em relação a ela; quando o indivíduo compara a sua aparência com padrões extremos da sociedade; quando o indivíduo se concentra em um aspecto de sua aparência.” (SAIKALI ET al, 2004. V.31,n.4.). Tanto a anorexia, quanto a dismorfia muscular, foi considerada por Pope (2002) como doenças ligadas à perda de controle de impulsos narcisistas.

TRATAMENTO

No tratamento psicológico é feito a identificação de padrões distorcidos de percepção da imagem corporal e identificação de aspectos positivos da aparência física. Deve-se abordar e encorajar atitudes mais sadias e enfrentar a aversão de expor o corpo e isso, na maioria das vezes, não flui resultado, pois, o vigoréxico tem um bloqueio muito grande e não aceita
opinião.

Não só o vigoréxico, né? Eu mesma, dismórfica, sou a dona da minha verdade e tenho grande dificuldade de aceitar “conselhos”.

A influência da mídia, sociedade e meio esportivo de que corpos perfeitos são
sinônimos de beleza e sucesso, vem acometendo homens e mulheres para o desenvolvimento de transtornos alimentares e mentais, levando o ser humano ao extremo para conseguir os resultados impostos por estes meios de comunicação.

Essas pessoas se tornam perfeccionistas consigo mesmas e obsessivas pelo exercício (BATISTA, 2005). Estes complexos podem ser agravados pela busca inconstante da beleza física e vem acompanhada de ansiedade, depressão, fobias, atitudes compulsivas e repetitivas, como olhar muitas vezes ao espelho (ASSUNÇÃO, 2002).

4.1 Dismorfia muscular, adolescentes e formação da Imagem Corporal

De acordo com McCabe ET AL. (2001), a maioria dos estudos sobre imagem corporal é feito com meninas e ressaltam os efeitos das influências socioculturais. Ainda existem poucos estudos teóricos sobre as influências em meninos. Foi feito um estudo no qual o principal objetivo era examinar detalhadamente a natureza das mensagens que os adolescentes recebem sobre seus corpos de diferentes fontes. As mensagens foram organizadas de acordo com o tipo de fonte, que foram as seguintes: pais, mães, irmãs, irmãos, amigos homens, amigos mulheres e a mídia. Participaram do estudo 40 meninas e 40 meninos adolescentes com 13 a 15 anos da classe média na Austrália. O índice de massa corporal nas meninas tinha
a média de 23,13kg/m² enquanto nos meninos a média era de 22,49kg/m² (McCABE ET AL, 2006). As informações foram adquiridas através de entrevista, foram feitas perguntas em aberto e depois perguntas mais diretas.

Baixa auto- estima, e altos níveis de depressão, ansiedade e sensibilidade interpessoal prevêem distúrbios como distúrbio de imagem corporal e juntamente com outros sintomas, a dismorfia muscular. Apesar de sintomas de depressão estar relacionado com distorção de imagem corporal e dismorfia muscular, sendo uma variante única, só aparece significantemente na
dismorfia muscular.

O processo dos indivíduos que acreditam serem objetos ou mercadorias quando são olhados e avaliados chama-se auto-objetivação (FREDRICKSON e ROBERTS, 1997). A autoobjetivação tem sido mostrada resultando em ansiedade aparente, vergonha do corpo,sintomas de depressão, baixa satisfação corporal, baixa auto-estima e transtorno alimentar.

Os benefícios dos exercícios físicos não são tão vivenciados para pessoas que se auto-objetivam (MALTBY e DAY, 2001). O que mostra que este é um fator de risco para a pessoa ter uma imagem corporal negativa (McKINLEY, 1998; STRELAN ET AL, 2003). Uma pessoa que não usufrui dos benefícios e treina por autoobjetivação não necessariamente mudará sua imagem corporal positivamente. Por exemplo, uma pessoa com alto índice de gordura corporal, ao emagrecer nem sempre tem uma satisfação corporal correspondente. E é importante lembrar que desejar ter uma aparência melhor, não necessariamente quer dizer que deseja se sentir melhor. Portanto, o que esteestudo mostra é que tanto para homens, quanto para mulheres, treinar com a resposta específica de auto-objetivação só agrava o problema.

Um estudo feito em 2001 por Hitzeroth notou que cinco em cada quinze homens com transtorno dismórfico corporal (TDC), possuíam dismorfia muscular. Em 2005, Pope et al fizeram um estudo com o objetivo de comparar homens com TDC com dismorfia muscular e homens com TDC sem dismorfia muscular. Homens com DM se preocupam com mais partes do corpo do que homens com TDC, mas quando comparam os dois grupos sem levar em conta a preocupação com os músculos, os dois grupos são semelhantes. Entre os homens com DM a principal preocupação são os músculos, seguidos de cabelo e depois a pele, enquanto os homens com TDC preocupam-se mais com cabelo e pele. Comparando comportamento entre os dois grupos, ambos possuem “checagem no espelho” e se escondem partes do corpo com roupas.

Devido ao fato da DM ocorrer juntamente com outras manifestações do TDC, espera-se que a DM responda ao mesmo tipo de tratamento, com inibidores de serotonina ou terapia cognitivo-comportamental. De qualquer forma os sintomas de DM precisam ser ainda estudados.

Download completo: clique aqui
depois de fazer o download tem que renomear e por .pdf no final do arquivo pra poder abrir.