Você ama sua casa?

Encontrei em uma espécie de diário que eu levava para a terapia um texto de como eu me via. Eu acho que foi uma tarefa da psicóloga. Provavelmente ela perguntou “O que você sente quando se vê no espelho?” E pediu para eu levar na próxima sessão. Eu acho que foi isso. E abaixo estou colocando o que eu fiz de resposta.

eu_me_vejo_feia

Saber que era isso que eu pensava de mim é triste para mim. Porque hoje eu me trato tão diferente, com tanto amor, tenho tanto carinho por mim em todos os aspectos. Não me acho perfeita (nem fisicamente nem interiormente) mas aceito meus defeitos como fazendo parte de mim e me amo desta forma. Parece conformismo mas não é. Antes eu me via deformada e hoje vejo uma aparência normal. Bonita para algumas pessoas e feia para outras. Porque a realidade é que somos as duas coisas ao mesmo tempo e isso não é um problema. É apenas uma questão de opinião que varia entre as pessoas. Nunca seremos belo para 100% das pessoas nem 100% feio para todos também. O importante é a imagem que temos de nós. Então por isto que é importante buscar ajuda e tratar este transtorno.

Se você não gosta da casa em que você mora, um dia você poderá se mudar. Se você não gosta da cidade em que você mora, um dia você pode se mudar. Se você convive com alguém que não gosta você pode optar por não conviver mais com ela (se não é possível de imediato, um dia isso pode acontecer). Agora se você não gosta de si próprio não tem como se mudar. Não tem como dizer “eu não gosto deste corpo, então vou me mudar pra esse outro corpo aqui que eu comprei”.

Então você vai me dizer “Ah, mas eu posso reformar meu corpo, como se reforma a própria casa e continuar morando nela”. É verdade. Quando o problema é só estético é possível. Mas quando o problema é interno, como por exemplo uma infiltração, é preciso quebrar o interno da casa, quebrar a estrutura. E essa comparação podemos fazer com quebrar o nosso interno, no sentido de quebrar paradigmas, mexendo na nossa estrutura emocional, e consertando as rachaduras no nosso íntimo. Não é possível viver em uma casa bonita por fora mas cheia de problemas estruturais, correndo o risco até mesmo de desabar. Precisamos cuidar primeiro da parte interna da casa que é a parte mais importante e então vivermos em paz. E em nós mesmos também precisamos cuidar primeiro do nosso interior, que é a parte mais importante de nós. Com a nossa parte interna bem estruturada estaremos preparados para cuidar bem do nosso exterior.

Distorção da Imagem Corporal – Auto Imagem – parte 1

Muitas pessoas têm dúvidas de como ela não é feia se ela se vê assim. Como aqui no blog ainda não foi tratado de forma mais a fundo, estou trazendo hoje informações para que fique mais claro que a imagem que vemos foi construída dentro do cérebro e que nós vemos através dos olhos mas essa imagem é lida através do cérebro.

Se buscarmos informações lá na aula de biologia sobre os 5 sentidos do Corpo Humano, vamos ler:

O corpo humano é composto de cinco sentidos, a saber: a visão, o olfato, o paladar, a audição e o tato que fazem parte do sistema sensorial, responsável por enviar as informações obtidas para o sistema nervoso central, que por sua vez, analisa e processa a informação recebida.

Não obstante, essas capacidades estão relacionadas com órgãos ou partes do corpo humano (olhos, nariz, boca, ouvidos, mãos) e correspondem às percepções dos homens no mundo, realizadas por meio do processo de tradução, análise e processamento das informações sensoriais, o que muitas vezes, determinou a sobrevivência dos seres humanos bem como dos animais no planeta terra.

Uma especialista em imagem corporal foi convidada pela Daiana Garbin para explicar como acontece a distorção da imagem. Vou postar o vídeo na íntegra aqui mas também vou transcrever uma parte do que ela explicou.

Bianca Thurm – Especialista em Imagem corporal.

A imagem corporal é construída a partir de dois aspectos. Um aspecto psíquico, que contém todo o julgamento que a pessoa tem a respeito do corpo dela. E todas as atitudes (se gosta, se não gosta, se ta feio, se ta bonito, se ta gordo, se ta magro, se está adequado ou não). Essa é a carga de julgamento, psíquico, emocional. E a outra parte, outro aspecto, que constrói a imagem corporal é reconhecer o corpo. Saber qual é o tamanho e a forma real do corpo. Esses dois aspectos trabalham juntos, são informações necessárias para se unirem e formarem a imagem corporal ou a distorção da imagem.

A nossa imagem no espelho é muito mais do que o nosso reflexo. Ela é uma construção carregada de julgamentos e comparações. Vamos dividir o aspecto psíquico do perceptual e vamos falarmos somente do “perceber o corpo”. Reconhecer o tamanho do corpo e o aspecto de forma precisa, a pessoa necessita das próprias informações que são construídas a partir do próprio corpo. São informações de qual é o tamanho da minha perna, do meu quadril, do tronco, dos braços, da cabeça. Então essas informações partem do corpo para a mente e a pessoa vai criando um mapa do seu corpo na mente, com informações neurológicas. Tudo que vem do corpo para a mente vai formando o mapa e é carregado também da vivência corporal que são as experiências que a pessoa viveu ao longo da vida através do corpo. Essas informações também formam o tamanho do corpo. A partir deste mapa a pessoa vai julgar. Se a pessoa reconhece neurologicamente que o corpo é grande, ela vai julgar o corpo como grande. Porque esse mapa com essa construção neurológica é verdadeira para a pessoa. Por isso que a pessoa ouve “Nossa mas você é magra” e ela responde “Não, eu sou gorda” e entra em conflito porque aquilo que as pessoas vêem não condiz com o que a pessoa sente e com essa representação, esse mapa neurológico, que ela tem na mente. E é por isso que para a pessoa ver o corpo distorcido que ela continua buscando uma magreza.

Quando que começa a distorção com a imagem corporal? É na infância? Não tem regra, pode ser em qualquer parte da vida mas é  comum na infância. Por exemplo, uma menina que se desenvolve mais rápido do que outra e por algum momento sofre bullying ou recebe comentários de que o corpo é maior, de que o corpo é grande. Ela já começa a se sentir culpada “eu sou diferente de todo mundo”. Só que na cabeça da criança esse diferente é igual a isolamento. E aí começa o julgamento negativo “você é de um jeito e eu sou de outro”. Então é difícil a criança entender isso. Ela vai entender “eu estou sendo julgada e estou sendo excluída. Estou sendo excluída por quê? Porque meu corpo é diferente.” Então, por exemplo, ela começa a olhar que as outras são muito menores que ela. Então o ideal é ser pequeno e começa a criar uma referência de tamanho pequena “o bom é ser pequeno”. E essa informação (julgamento) vai pra mente. E o julgamento carrega também a questão de tamanho, de reconhecer o tamanho neurologicamente. Eu sou grande, mas grande quanto? A gente não sabe quanto, apenas “grande”. Esse “grande” pode virar qualquer tamanho. E ela tem um ideal de magreza pensando “aquela pessoa magra é o ideal” e começa a buscar tudo isso.

Tratamento: Como a distorção de imagem é formada por dois aspectos (o psíquico e o neurológico) os dois precisam receber cuidados. A parte psíquica com psicólogos e as vezes com psiquiatras, as vezes precisa de medicação para ajudar nessa conversa entre a mente, a medicação ajuda muito a fluir melhor  essa comunicação do córtex e a compreensão psíquica do porquê. O que aconteceu e depois precisa reconstruir essa conexão entre perceber o corpo e a informação que chega na mente. A pessoa precisa reconhecer de novo o corpo.

Post com tema relacionado: Não é o nosso olho que vê

Fontes:
Toda Matéria
Youtube – Eu vejo