Você ama sua casa?

Encontrei em uma espécie de diário que eu levava para a terapia um texto de como eu me via. Eu acho que foi uma tarefa da psicóloga. Provavelmente ela perguntou “O que você sente quando se vê no espelho?” E pediu para eu levar na próxima sessão. Eu acho que foi isso. E abaixo estou colocando o que eu fiz de resposta.

eu_me_vejo_feia

Saber que era isso que eu pensava de mim é triste para mim. Porque hoje eu me trato tão diferente, com tanto amor, tenho tanto carinho por mim em todos os aspectos. Não me acho perfeita (nem fisicamente nem interiormente) mas aceito meus defeitos como fazendo parte de mim e me amo desta forma. Parece conformismo mas não é. Antes eu me via deformada e hoje vejo uma aparência normal. Bonita para algumas pessoas e feia para outras. Porque a realidade é que somos as duas coisas ao mesmo tempo e isso não é um problema. É apenas uma questão de opinião que varia entre as pessoas. Nunca seremos belo para 100% das pessoas nem 100% feio para todos também. O importante é a imagem que temos de nós. Então por isto que é importante buscar ajuda e tratar este transtorno.

Se você não gosta da casa em que você mora, um dia você poderá se mudar. Se você não gosta da cidade em que você mora, um dia você pode se mudar. Se você convive com alguém que não gosta você pode optar por não conviver mais com ela (se não é possível de imediato, um dia isso pode acontecer). Agora se você não gosta de si próprio não tem como se mudar. Não tem como dizer “eu não gosto deste corpo, então vou me mudar pra esse outro corpo aqui que eu comprei”.

Então você vai me dizer “Ah, mas eu posso reformar meu corpo, como se reforma a própria casa e continuar morando nela”. É verdade. Quando o problema é só estético é possível. Mas quando o problema é interno, como por exemplo uma infiltração, é preciso quebrar o interno da casa, quebrar a estrutura. E essa comparação podemos fazer com quebrar o nosso interno, no sentido de quebrar paradigmas, mexendo na nossa estrutura emocional, e consertando as rachaduras no nosso íntimo. Não é possível viver em uma casa bonita por fora mas cheia de problemas estruturais, correndo o risco até mesmo de desabar. Precisamos cuidar primeiro da parte interna da casa que é a parte mais importante e então vivermos em paz. E em nós mesmos também precisamos cuidar primeiro do nosso interior, que é a parte mais importante de nós. Com a nossa parte interna bem estruturada estaremos preparados para cuidar bem do nosso exterior.

Transtorno dismórfico corporal tem cura?

Quando eu descobri que tudo o que eu sofria tinha um nome e que se chamava Transtorno Dismórfico Corporal (ou dismorfia corporal) eu fui pro Google ler tudo o que eu achasse sobre isso. Li em vários sites dizendo que não há cura mas que pode ser controlada. Isso me deixava muito desanimada, pensar que eu teria que lidar com isso o resto da vida.

Que diabos de “não tem cura mas pode ser controlada”, que controle é esse? Tipo um Alcoólatras Anônimos que não tem cura e a pessoa tem que sempre frequentar um grupo de apoio para se manter forte e não ter recaídas? Dismórficos Anônimos, já estava até pensando… “Só por hoje não vou olhar no espelho”.

Fiz meu tratamento, me empenhei, li muito, coloquei em prática as informações novas que eu fui aprendendo e comecei a ver a mudança dentro de mim. Eu mudei minha forma de pensar e a minha distorção de imagem foi sendo mudada para uma auto imagem correta. Desde 2012 eu não tenho mais nenhum sintoma do transtorno e depois de alguns anos assim eu só consegui ter cada vez mais a certeza que eu estava curada desse transtorno psicológico.

Só que como eu não sabia de mais ninguém que também tinha conseguido, eu ficava me questionando se eu realmente tinha saído disso ou era uma convicção equivocada. Então depois com o tempo de blog, conheci um leitor aqui do blog que também tinha o transtorno e que estava fazendo seus próprios exercícios para superar sua dismorfia. Ele enfrentava seus medos e se colocava em situações que não se sentia confortável para aprender a lidar com suas emoções. Depois de um tempo me relatou que não tinha mais o transtorno. Tive então mais um reforço do que eu tinha pensado, de que realmente é possível sair disso. Éramos duas pessoas que contrariávamos a tal informação de quem não há cura, que há só um controle. Isso faz uns 3 anos, se não faz mais. Depois disso não soube de mais ninguém.

Foi quando esse ano foi criado o grupo do whatsapp e então entrou uma pessoa e relatou que teve o transtorno por muito tempo mas que com tratamento conseguiu sair disso e hoje não tem mais. Três pessoas. Eu mal podia acreditar que eu estava sabendo de mais uma pessoa que tinha esse transtorno e estava curada.

Depois disso uma psicóloga comentou sobre um paciente que tinha o transtorno e também conseguiu êxito no tratamento e se curou. E por último de um rapaz que buscou em Deus a cura e também conseguiu. No total, cinco pessoas.

É uma alegria muito grande poder ver de “não há cura” fomos para cinco pessoas curadas. Se eu pudesse dizer qual o segredo para conseguir sair disso eu diria que é persistência. Nada na vida se consegue sem dedicação. Estou querendo dizer que é preciso fazer terapia periodicamente? Não. Se você encontrou um caminho que está dando resultado e não é na terapia, siga o caminho que você encontrou. O meu caminho foi terapia, muita leitura e por em prática a mudança no que eu percebia que eu estava fazendo errado (pensamentos e atitudes). Outra pessoa encontrou o caminho em Deus, dentro da igreja e não fez terapia e não leu nada. Não existe um único caminho, existe o caminho que você se identifica e então caminha por ele. O importante é ver que há um progresso. Se o que você está tentando há algum tempo  e não está vendo nada de mudança em você, tente outro caminho. A mudança é lenta mas devagar se vai longe.

Clique aqui para ler o depoimento do Robert, que era leitor do blog. Ele não tem mais o transtorno faz anos e conta como foi sua vida com o transtorno e como foi o seu tratamento. Que este depoimento possa servir de esperança e inspiração para outras pessoas.

Grupo Whatsapp Dismorfia Corporal

GRUPO WHATSAPP 

simbolo-do-whatsapp-2

38329757-vector-illustration-of-hand-drawn-vintage-mirror-

A pedidos, foi criado (em fevereiro 2018) um grupo do Whatsapp sobre o Transtorno Dismórfico Corporal. Para desabafar, encontrar outras pessoas passando pela mesma situação, tirar dúvidas etc. Juntos somos mais fortes.
‌Opções de como entrar no grupo:
1 – Mande uma msg no whatsapp pra mim pedindo pra eu adicionar 48 99996.4401 (tive que revogar o link porque tem empresas que entram só pra fazer propaganda e saem, tava atrapalhando muito o grupo).
2 – Ou envie seu número com ddd para o email diariodeumadismorfia@gmail.com
3 – Ou deixe seu número com ddd nos comentários. O comentário não será aprovado. Eu copio o número e excluo o comentário (sem ser aprovado). O número não aparece pra ninguém além de mim.
EDIT:
23/02/18 – o grupo foi criado
23/03/18 – já somos 30 no grupo.
29/03/18 – já somos 40 no grupo.
01/04/18 – já somos 50 no grupo.
Temos debates interessantes no grupo, além de desabafos etc. Somos um grupo de amigos.

Distorção da Imagem Corporal – Auto Imagem – parte 1

Muitas pessoas têm dúvidas de como ela não é feia se ela se vê assim. Como aqui no blog ainda não foi tratado de forma mais a fundo, estou trazendo hoje informações para que fique mais claro que a imagem que vemos foi construída dentro do cérebro e que nós vemos através dos olhos mas essa imagem é lida através do cérebro.

Se buscarmos informações lá na aula de biologia sobre os 5 sentidos do Corpo Humano, vamos ler:

O corpo humano é composto de cinco sentidos, a saber: a visão, o olfato, o paladar, a audição e o tato que fazem parte do sistema sensorial, responsável por enviar as informações obtidas para o sistema nervoso central, que por sua vez, analisa e processa a informação recebida.

Não obstante, essas capacidades estão relacionadas com órgãos ou partes do corpo humano (olhos, nariz, boca, ouvidos, mãos) e correspondem às percepções dos homens no mundo, realizadas por meio do processo de tradução, análise e processamento das informações sensoriais, o que muitas vezes, determinou a sobrevivência dos seres humanos bem como dos animais no planeta terra.

Uma especialista em imagem corporal foi convidada pela Daiana Garbin para explicar como acontece a distorção da imagem. Vou postar o vídeo na íntegra aqui mas também vou transcrever uma parte do que ela explicou.

Bianca Thurm – Especialista em Imagem corporal.

A imagem corporal é construída a partir de dois aspectos. Um aspecto psíquico, que contém todo o julgamento que a pessoa tem a respeito do corpo dela. E todas as atitudes (se gosta, se não gosta, se ta feio, se ta bonito, se ta gordo, se ta magro, se está adequado ou não). Essa é a carga de julgamento, psíquico, emocional. E a outra parte, outro aspecto, que constrói a imagem corporal é reconhecer o corpo. Saber qual é o tamanho e a forma real do corpo. Esses dois aspectos trabalham juntos, são informações necessárias para se unirem e formarem a imagem corporal ou a distorção da imagem.

A nossa imagem no espelho é muito mais do que o nosso reflexo. Ela é uma construção carregada de julgamentos e comparações. Vamos dividir o aspecto psíquico do perceptual e vamos falarmos somente do “perceber o corpo”. Reconhecer o tamanho do corpo e o aspecto de forma precisa, a pessoa necessita das próprias informações que são construídas a partir do próprio corpo. São informações de qual é o tamanho da minha perna, do meu quadril, do tronco, dos braços, da cabeça. Então essas informações partem do corpo para a mente e a pessoa vai criando um mapa do seu corpo na mente, com informações neurológicas. Tudo que vem do corpo para a mente vai formando o mapa e é carregado também da vivência corporal que são as experiências que a pessoa viveu ao longo da vida através do corpo. Essas informações também formam o tamanho do corpo. A partir deste mapa a pessoa vai julgar. Se a pessoa reconhece neurologicamente que o corpo é grande, ela vai julgar o corpo como grande. Porque esse mapa com essa construção neurológica é verdadeira para a pessoa. Por isso que a pessoa ouve “Nossa mas você é magra” e ela responde “Não, eu sou gorda” e entra em conflito porque aquilo que as pessoas vêem não condiz com o que a pessoa sente e com essa representação, esse mapa neurológico, que ela tem na mente. E é por isso que para a pessoa ver o corpo distorcido que ela continua buscando uma magreza.

Quando que começa a distorção com a imagem corporal? É na infância? Não tem regra, pode ser em qualquer parte da vida mas é  comum na infância. Por exemplo, uma menina que se desenvolve mais rápido do que outra e por algum momento sofre bullying ou recebe comentários de que o corpo é maior, de que o corpo é grande. Ela já começa a se sentir culpada “eu sou diferente de todo mundo”. Só que na cabeça da criança esse diferente é igual a isolamento. E aí começa o julgamento negativo “você é de um jeito e eu sou de outro”. Então é difícil a criança entender isso. Ela vai entender “eu estou sendo julgada e estou sendo excluída. Estou sendo excluída por quê? Porque meu corpo é diferente.” Então, por exemplo, ela começa a olhar que as outras são muito menores que ela. Então o ideal é ser pequeno e começa a criar uma referência de tamanho pequena “o bom é ser pequeno”. E essa informação (julgamento) vai pra mente. E o julgamento carrega também a questão de tamanho, de reconhecer o tamanho neurologicamente. Eu sou grande, mas grande quanto? A gente não sabe quanto, apenas “grande”. Esse “grande” pode virar qualquer tamanho. E ela tem um ideal de magreza pensando “aquela pessoa magra é o ideal” e começa a buscar tudo isso.

Tratamento: Como a distorção de imagem é formada por dois aspectos (o psíquico e o neurológico) os dois precisam receber cuidados. A parte psíquica com psicólogos e as vezes com psiquiatras, as vezes precisa de medicação para ajudar nessa conversa entre a mente, a medicação ajuda muito a fluir melhor  essa comunicação do córtex e a compreensão psíquica do porquê. O que aconteceu e depois precisa reconstruir essa conexão entre perceber o corpo e a informação que chega na mente. A pessoa precisa reconhecer de novo o corpo.

Post com tema relacionado: Não é o nosso olho que vê

Fontes:
Toda Matéria
Youtube – Eu vejo

Consegui me ver normalmente depois do tratamento?

Estou em dois grupos do Facebook sobre Transtorno Dismórfico Corporal. Em uma das publicações que falei que estava à disposição de quem precisasse de algo, me perguntaram “Gostaria de saber se você conseguiu se enxergar normalmente depois do tratamento.”

Vou colar aqui minha resposta:

Eu consegui sim. Hoje consigo ver minha beleza física e gosto do que eu vejo. Diferente do que acontecia uns anos atrás, que sofria com o que eu via. O tratamento psicológico foi fundamental na minha melhora (o tipo de tratamento que fiz foi a terapia cognitivo comportamental) e a leitura também me ajudou muito a abrir meus horizontes e ver que há outras formas de se pensar sobre o assunto beleza. Com isso, minha auto imagem e a minha auto estima foram mudando e comecei a me descobrir.

Acho que é isso que falta para cada pessoa que tem o transtorno dismórfico corporal: se descobrir. Nós (dismórficos) acabamos criando uma imagem na nossa cabeça (e vemos isso no espelho) de como somos e isso não é fácil de consertar. Porém, essa mudança é possível sim. E tirar esse peso das costas do sofrimento com a própria aparência não tem preço. Poder sair na rua sem medo de ser julgada (e se for, não me importo com isso) e poder ser quem eu sou.

O que é preciso esclarecer com a superação do transtorno dismórfico corporal é que a pessoa não vai achar tudo lindo maravilhoso em si. Mas vai entender que aquelas características não são um problema. Por exemplo: Eu não acho o meu nariz o mais bonito para mim. Porém, eu não o vejo mais como um problema. E o meu nariz no conjunto do meu rosto e no conjunto do meu corpo não é um problema e junto com as outras características físicas que tenho faz com que tudo esteja em harmonia e, dessa forma, belo.

A diferença entre uma pessoa com transtorno dismórfico corporal para uma que teve e não tem mais é que as características que antes incomodavam não incomodam mais. Não por uma questão de se conformar com o que não gosta, mas no sentido de então conseguir enxergar que aquela característica não tem nada de errado, que é normal e que no conjunto ela está em harmonia com o restante das outras características físicas. Hoje eu gosto do meu conjunto, me sinto bem como sou. Aceito minhas características porque sei que elas fazem o que eu sou, única. Não existe outra de mim. Não existe outra de você e isso é maravilhoso.

Vou operar meu nariz? Não. Muitas pessoas vão dizer que não há nada de errado com meu nariz. Outras podem até achar meu nariz feio. Só que isso é uma questão de gosto e opinião cada pessoa tem uma. Por mais que eu tenha o nariz “perfeito” nunca vai ser perfeito para todos. Porque “perfeito” não exite, justamente porque não existe um consenso para a beleza. Sempre vai haver opiniões diferentes e isso é ótimo porque dessa forma todos são feios e belos ao mesmo tempo. Hoje eu tenho as mesmas características de quando eu me achava deformada por conta do transtorno dismórfico corporal. Eu tenho olheiras, tenho sardas, tenho o mesmo nariz etc. A diferença é que essas características não tem a mesma intensidade de quando eu estava com o transtorno. E a palavra para tudo isso é equilíbrio.

Grupo do Facebook: https://www.facebook.com/groups/1660848680796787

Não é o nosso olho que vê

Para poder falar de como diminuir o sofrimento por causa do transtorno dismórfico corporal precisamos entender o que o transtorno dismórfico corporal muda na nossa vida.

Entender que estamos com transtorno dismórfico corporal e como tudo acontece ajuda muito a sair disso. Estar com dismorfia corporal altera a forma como nos vemos, e se não aceitamos que isso é uma alteração na nossa mente fica difícil alguma mudança.

O estamos passando é devido a uma alteração no nosso cérebro que faz ele funcionar como se estivesse desconfigurado, fazendo ele funcionar errado. Então precisamos fazer algumas coisas para que ele volte a funcionar corretamente, que é o tratamento.

Como o cérebro está funcionando errado? Ele está vendo uma imagem irreal da nossa imagem. As pessoas me falam “Mas eu vejo no espelho que eu sou assim horrível, não tem como ser mentira porque eu estou vendo com meus próprios olhos que sou assim”. E é justamente aí que está o problema que o transtorno dismórfico corporal causa. Esse transtorno é uma doença mental, conforme está escrito no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Se é mental, então é um problema do cérebro. E o que isso tem a ver com como nos vemos? Está relacionado com como funciona a nossa visão, nossos olhos.

Como funciona a nossa visão? O nosso olho é a ferramenta que faz conseguirmos enxergar. Não é o olho que vê. É o cérebro que vê através do olho. O cérebro lê o que os olhos passam de informação. Os olhos são um prolongamento do nosso cérebro. A função da sua mente é interpretar tudo aquilo que seu olho viu.

Existem várias formas de deficiência neurológica que não permite o cérebro ver corretamente. Mas vou citar dois tipos para podermos entender melhor a ligação dos olhos com o cérebro e depois sobre o transtorno dismórfico corporal.

Agnosia Visual: Normalmente associada a danos cerebrais ou doenças neurológicas, a agnosia visual é a perda da capacidade de reconhecer pessoas, objetos sons e formas. Eles podem olhar para um objeto comum, como uma caneta, e não conseguir identificar o que é.
Um teste para identificar esse transtorno neurológico é pedir para copiar um objeto. Como o paciente pode perceber perfeitamente as formas, apesar de não fazer ideia de seu significado, o desenho sai extremamente parecido com o original. E exatamente aí está o problema do agnóstico visual associativo. Ele copia os traços linha por linha, lentamente, por que seu cérebro manda copiar as formas que está vendo, em vez de dizer – “Hmm, isto é uma âncora. Então vou desenhar baseado na memória de como é uma âncora”. (copiei a explicação de uma matéria da Revista Super Interessante, não fiz da minha cabeça).

Deficiência visual cortical (DVC): É uma forma de deficiência visual causada por um problema cerebral mais que um problema no olho (deficiência ocular).

Podemos então entender que na Agnosia Visual a pessoa está com seu olho em perfeito estado. O olho vê perfeitamente mas o cérebro está com um problema que não permite ler corretamente as informações que o olho envia. Não é o olho que tem um problema. O olho capta e envia a informação corretamente. O problema está lá na leitura dessa informação feita pelo cérebro.

No outro tipo de deficiência visual que é a “Deficiência visual cortical” entendemos que a pessoa tem prejuízo da visão por conta de um problema no cérebro e não propriamente no olho.

No transtorno dismórfico corporal acontece uma alteração psicológica, fazendo com que nos vejamos de forma diferente como somos. Quando uma pessoa me fala “Eu sei que sou horrível porque me olho no espelho e vejo isso”. A pessoa está querendo dizer que não está com problema de visão. Que não tem como o que ela está vendo estar errado porque ela está vendo com os próprios olhos que são saudáveis. Mas o problema não está nos olhos, está na mente. E se a mente mostra para você algo que não é real fica difícil você confrontar o que você está vendo. Porque você não tem duas imagens, a real e a que o cérebro está mostrando, para poder comparar. Então aqui é preciso ter a capacidade de compreensão e separar o que é real e o que a mente está alterando.

Se isso não for claro e a pessoa não tiver total compreensão disso, todo o resto do tratamento vai ficar comprometido. A pessoa com transtorno dismórfico corporal tendo isso bem claro não vai fazê-la vê-la da forma correta. Ela vai continuar se vendo feia, mas ela vai ter a consciência que o que está vendo é irreal e que está em processo para se ver da forma correta e real.

Não desista de si mesmo

Essa é a resposta que eu escrevi para um depoimento que deixaram no meu blog ano passado e eu queria escrever uma resposta. Hoje eu escrevi e estou postando aqui pois pode servir para outras pessoas:

Li seu relato e queria te dizer que tenho 1.79 e também não gosto. Eu gostaria de ser menor. Aqui na minha cidade (Florianópolis SC) apesar de ser uma cidade de pessoas mais altas que o restante do país, eu sempre sou a mulher mais alta do local. Sou a mais alta até que os homens. Se vou na lotérica e tem 20 pessoas na fila entre homens e mulheres, eu sou a mais alta entre todos. Se eu vou em uma festa, eu sou a mais alta de todos. Pouquíssimas vezes tem algum homem da minha altura ou maior. Eles existem sim, mas geralmente não estão no mesmo lugar que eu. Isso me incomoda muito e já procurei várias vezes na internet se existia uma cirurgia para cortar os ossos da perna para que eu pudesse ser menor. E existe cirurgia para isso? Não existe. Então eu vou ter essa altura para o resto da vida. Eu me considero com muita olheira, muito branca, com papada, etc. Eu vou deixar de ser feliz por causa da minha altura ou por causa de outras características que eu não gosto? Eu não sou só isso. Eu sou muito mais do que a altura que eu não gosto. Eu sou muito mais do que minha olheira, minha papada, minha brancura e tudo que me incomoda. E se essas características individuais eu não gosto, no meu conjunto eu acho que está tudo harmônico.

Eu não sou só aparência e não me interessa pessoas que me vêem somente assim. Eu sou amizade, sou carinho, sou amor, sou alegria, sou bons momentos junto e não vou me privar por conta das características que não gosto. Todo mundo na vida tem alguma coisa que não gosta, até os considerados “bonitos” tem algo que, se pudessem, gostariam que fosse diferente. Só que eles não se privam da vida por causa disso. A vida é feita de bons momentos com quem gostamos, é sair comer alguma coisa que gosta, tomar um suco na beira da praia, é ver o por do sol, é jogar conversa fora com um amigo, é rir num final de semana sem pensar no trabalho de segunda-feira. A vida não é o meu rosto, o meu nariz, o meu olho, minha altura ou o meu peso. Eu não posso me privar da vida por conta de coisas que eu não vou conseguir mudar. Isso não é se conformar com o que não se gosta. É aceitar e viver em paz sabendo que isso não é um problema na vida. É como aquele ditado “O que não tem solução, solucionado está”. Se não tem solução, então vou me preocupar com o que realmente importa e parar de gastar minha energia e meu tempo com o que eu não posso mudar e no final das contas não tem importância. Porque características da nossa aparência não tem importância absoluta na nossa vida. O que tem importância é o nosso bem estar e nos amarmos. Isso que é fundamental.

“A imagem física tem muitos aspectos. É visual – o que você vê quando olha para você mesmo. É mental – como você pensa sobre sua aparência. É emocional – como você se sente sobre seu peso ou altura. É sinestésica – como você sente e controla as partes de seu corpo. É também histórica – moldada por toda uma vida de experiências, que incluem prazer e dor, elogio e crítica. Acima de tudo, a imagem física é uma questão social. Pode residir em sua mente, mas esta fundamentada nas experiências cotidianas que a cercam. O modo como você se sente depende de como se considera avaliado pelos outros. Sua imagem física pode ser abalada pelo julgamento de uma pessoa amada ou pelo assobio de um estranho.”

Esse é um texto de um livro. Cada pessoa é um conjunto de características. Somos nossas características físicas, mas também somos nossas características de personalidade, o nosso caráter, os nossos gostos e todas as nossas particularidades que é o nosso jeito e que isso é o que realmente simboliza o que nós somos. Nós não gostamos de alguém só por causa da aparência dela. Nós gostamos desta pessoa pelo relacionamento que temos com ela (estou me referindo à amizade). Quando conhecemos alguém e gostamos dessa pessoa é porque gostamos da companhia, de como nos trata, de como se refere à nós, dos momentos que passamos junto com essa pessoa, da confiança e reciprocidade que existe e eu poderia listar tantas outras qualidades de um relacionamento de amizade.

Eu não quero chegar aos meus 80 anos, olhar para trás e ver que eu não aproveitei a minha vida porque fiquei lamentando minha altura e minha aparência. Eu quero olhar e ver que vivi da melhor forma possível. Eu tive transtorno dismórfico corporal e perdi uma parte da minha vida, fiquei sem sair, tive depressão, como qualquer pessoa com transtorno dismórfico corporal tem um prejuízo de convívio social (que é um dos critérios para o diagnóstico). Porém, é preciso tratar para sair disso e ter uma vida normal. Viver com o peso que o transtorno nos trás é horrível. Toda vez sair de casa é uma tortura, uma preocupação que as pessoas irão reparar na nossa feiura e que isso vai ser assunto na mesa de jantar de cada pessoa que nos viu. Só que não somos obrigados a viver isso o resto da vida. Podemos nos posicionar diante disso e dizer “eu não quero isso pra minha vida” e então se empenhar em sair disso, através de terapia, leitura e dedicação.

Se auto julgar dizendo “sei que todo esforço que eu puder fazer pra me tornar alguém que eu gostaria de ser é totalmente inútil” tira qualquer possibilidade de resolver o que se está passando. Se você se condena dessa forma realmente não se tem mais nada a se fazer. Agora se, ao contrário, falar “Sei que qualquer esforço que eu fizer vai ser válido e vai me ajudar a sair disso e vai fazer eu me amar como eu sou”, metade do caminho já está andado.

Agora, se auto condenando você já tomou a sua decisão e sua vida vai ser sempre assim porque você está convicto disso. Então vai viver dessa forma e só vai se auto afirmar cada vez mais. A cura começa antes mesmo do tratamento. Quando a pessoa percebe que algo precisa ser mudado, já é parte do processo. E identificar as coisas que precisam ser mudadas é o primeiro passo para tudo mudar e dar certo. Mudar dói, mas nada é mais doloroso permanecer preso a um lugar que não te faz feliz.

Tem uma pergunta simples que nos posiciona em frente às situações da nossa vida. A pergunta é: Eu quero ou não quero isso para a minha vida? Se não quero, então me posiciono diante da situação e trabalho para mudá-la.

Já pensou se toda pessoa com algo que não gostasse se auto condenasse a uma vida infeliz? Os anões, os deficientes físicos, os que mancam, os que não andam, os cegos, os que não tem um braço, as pessoas com diabetes que vão ter que tomar remédio o resto da vida, as pessoas com câncer que apesar do problema não desistem diante da vida, etc etc etc, são tantos exemplos. A auto piedade não é uma dádiva e nos coloca em situação de vítima. E em situação de vítima tiramos a nossa responsabilidade de fazer algo para mudar isso porque eu não sou mais o responsável pela situação.

Se empregos, relacionamentos e a própria vida foi comprometida por conta do transtorno dismórfico corporal, chegou a hora de mudar essa situação e batalhar para fazer uma realidade nova. Onde eu posso sair de casa sem me preocupar com quem está me vendo porque estou em sentindo bem comigo mesmo, onde eu sei que quando se interessam por mim é porque realmente se interessaram por mim e não por falta de opção, que quando me elogiam é porque realmente querem me fazer um elogio sobre o que estão falando e não por pena.

Quando leio seu relato eu sei a dor que você passa porque eu passei também por isso. Você deve ter visto no meu blog como eu me via. Eu editei uma foto minha do jeito que eu me via para a minha psicóloga ver como eu me enxergava, eu me via deformada. Eu fiz uma espécie de diário para a terapia que eu fazia na época, onde eu incluía as coisas que achava importante registrar. A primeira página do meu diário é a imagem de uma boneca e de um mundo e um texto que diz “Oi, meu nome é Solange e eu tenho 26 anos. Eu moro em dois lugares: em mim e no mundo. Porém, eu não gosto de morar em nenhum dos dois”. Toda vez que eu leio eu choro. Toda vez. Já se passaram quase 10 anos, mas eu lembro do que eu passei. Eu tomava banho no escuro, passei pomada a base de ácido no rosto na tentativa de tirar as manchas que eu via no meu rosto e ficava escutando meu chefe tirando sarro do meu rosto vermelho. Eu lixei meus dentes com lixa de unha porque nenhum dentista queria arrancar meus dentes “tortos” para por um implante pra eles ficarem retos. Não ache que eu banalizo o seu sofrimento. Eu só quero que você entenda que isso que você está vivendo não é normal. Não há porque se conformar com isso porque a verdadeira realidade é outra. Mas só com tratamento você vai conseguir ver isso.

O exercício de tentar confrontar e sair, para que se veja que está exagerando e o mundo não é como se vê e que está projetando coisas irreais devido a um problema psicológico não funciona. Não funciona e piora a situação. Vou explicar o porquê. Porque se cria uma expectativa em cima de uma situação, sendo que não há como ver a situação diferente sem tratamento. É como uma pessoa diabética querer medir a glicose do sangue para comprovar que a glicose está controlada mas sem tomar remédio. Não vai estar. Não vai estar porque a pessoa não fez nada para mudar a situação que se encontrava. O ano não vai ser novo se você for o mesmo. Não tem como continuar tendo as mesmas atitudes e esperar resultados diferentes. Não tem como esperar uma realidade diferente se você continua se odiando, se você continua se auto depreciando, continua considerando que você não é digno de ter uma namorada, de alguém tem admirar. Não tem como alguém amar você se nem você se ama. É preciso tratar para isso mudar.

Se faz 24 anos que você deixou de viver, então chegou a hora de nascer de novo. Eu tenho uma tatuagem da data que eu me mudei pro Rio de Janeiro no meio do meu tratamento de dismorfia corporal porque essa data representa para mim o meu novo nascimento em relação a minha auto imagem e a minha auto estima. Em relação à minha vida. E que bom que podemos renascer quantas vezes for preciso sem precisar morrer de verdade. Que bom que podemos recomeçar a qualquer hora. Basta a gente decidir isso.

É preciso se empenhar para as coisas certas. As coisas certas são: terapia, psiquiatra, leitura e dedicação para si mesmo. Sem uma dessas faltar não funciona, uma coisa está interligada a outra e tudo precisa acontecer junto para funcionar. O único que talvez não seja necessário é o psiquiatra mas depende de cada caso e no seu caso acho indispensável.

Como tudo na vida pra dar certo a gente precisa de dedicação. Se queremos ter graduação de algum curso precisamos enfrentar 4 anos de aula (alguns 2 anos, mas que seja). Não é possível fazer 1 mês de aula e já querer se formar. É preciso frequentar as aulas, estudar, aprender e então no final do período necessário vai estar formado e com conhecimento. Se quiser aprender a tocar piano, não da para assistir uma aula no youtube ou fazer uma aula presencial e achar que já vai sair tocando. É preciso dedicação, estudar, treinar, fazer isso por um tempo e então vai estar pronto para tocar piano até de olhos fechados. O tratamento do transtorno dismórfico corporal é a mesma coisa. Levar a terapia a sério, levar a medicação a sério, levar a leitura a sério e ter disciplina como tudo na vida para dar certo. Tem que ter o comprometimento mas o resultado vem.

1 – Ir a um Psiquiatra que saiba sobre o transtorno para tomar uma medicação que diminua seu sofrimento e que te ajude a voltar ao convívio social. Só o tratamento com remédio não adianta. É preciso as outras etapas do tratamento também, mas o remédio ajuda como uma bóia para quem está se afogando. A bóia não vai ensinar a nadar mas vai ajudar a pessoa a não morrer afogado.

2 – Terapia. Fazer terapia pra tratar o transtorno. Começar a se descobrir, descobrir sua beleza, quais as suas qualidades etc. O tipo de terapia que eu gosto muito é a Terapia Cognitivo Comportamental, que é a terapia que minha psicóloga usa e no meu ver dá grande resultado em pouco tempo porque usa perguntas que te faz refletir e também trabalha com tarefas. Se quiser, dê uma lida na internet sobre esse tipo de terapia.

3 – Ler. No meu blog, no menu, tem “Livros” com ótimas indicações de livros sobre auto imagem e ditadura da beleza. A leitura ajuda a abrir a mente, ver novos horizontes, conseguir refletir e entender muitas coisas que se pensa errado. Dá para comprar em sebo eles mais barato, mas até novos eles não são caros. No site www.estantevirtual.com.br você consegue ver sebos de todo o Brasil e as vezes encontra pra comprar na sua cidade.

Os 3 livros que eu considero os mais importante sobre auto imagem, auto estima e ditadura da beleza:

– A beleza está nos olhos de quem vê – Camila Cury
– Imperfeitos, livres & felizes – Christophe André
– Meu corpo, meu espelho – Rita Freedman

Mas você pode ler o que achar mais interessante, existe uma quantidade enorme de livros sobre esses temas.

Não se pode ter pressa para terminar o tratamento. Isso é como um curso sobre nós mesmo. É um curso onde vamos nos conhecer. Onde teremos uma aula por semana (com o psicólogo) e depois estudaremos em casa (com leitura) e exercícios (colocando em prática o que estamos aprendendo). Não da para ter pressa. Começar hoje e daqui dois meses dizer “não está adiantando de nada”. O processo é lento mesmo. Eu demorei 3 anos pra dizer que tudo estava sob controle e que eu tinha saído disso mas cada pessoa tem seu ritmo. Pode ser mais, pode ser menos, o importante é que o resultado venha, independente do tempo. Tem que ter paciência. A pressa, a expectativa, a ansiedade, nada disso ajuda. Bem pelo contrário só faz a gente desistir. E desistir não resolve nossos problemas.

Eu quero te dizer que o que eu puder te ajudar você pode contar comigo. Os outros poderão andar ao seu lado, mas ninguém poderá andar por você. Torço para o seu sucesso e precisando é só entrar em contato.

Instagram Diário de uma Dismorfia

Olá, boa tarde para você 🙂

instagram_diario

Eu criei um Instagram @Diariodeumadismorfia para postar frases e informações sobre o transtorno, sobre auto imagem, sobre auto estima e qualquer assunto relacionado.
Se você não tem Instagram não tem problema, o conteúdo vai ser postado aqui no blog também e na página do Facebook também como segue abaixo os links.

Meu Contato e Redes Sociais:

Email: diariodeumadismorfia@gmail.com
Página no Facebook: https://www.facebook.com/diariodeumadismorfia
Instagram: @Diariodeumadismorfia – https://www.instagram.com/diariodeumadismorfia
Meu Facebook caso queira adicionar: https://www.facebook.com/profile.php?id=1222164652 (informe por mensagem inbox que é daqui do blog porque eu não aceito quem eu não sei de onde surgiu).

O problema é a imagem que você vê nos olhos de sua mente.

27336223_10216180552046153_6286045348260674333_n

Esse é o trecho de um dos livros que indico pra quem tem dismorfia corporal. Livro “Meu Corpo, Meu Espelho” autora Rita Freedman. Das pessoas que já entraram em contato comigo dizendo sofrer pela dismorfia corporal e que eu vi a foto, nenhuma tinha uma fisionomia que eu considerasse feia. E é isso que está no texto do livro que precisamos entender. A imagem que vemos é resultado do que o nosso cérebro enxerga. O nosso olho é a ferramenta do nosso corpo para ver mas o nosso cérebro que recebe e lê essa informação. Se seu cérebro está com um problema (transtorno) para ler essa informação, a leitura vai sair errada. Se você sofreu bullying ou qualquer tipo de diminuição ou rejeição na sua vida pode ter causado um dano lá no seu cérebro (no seu psicológico) e fez com que mudasse a forma que você se vê. Por isso é importante o tratamento, a terapia, a leitura, a informação e a correção disso dentro de você para que você volte a se ver da forma como você realmente é.