Até que ponto meu problema é realmente um problema?

Quando digo “meu problema” não estou me referindo ao meu problema como pessoa. É um título para quem está lendo se perguntar. Para você, até que ponto seu problema é realmente um problema real ou é um problema criado? Um problema criado com certeza vai se tornar um problema real.

Vou tentar explicar melhor. Vi o comentário de um rapaz aqui no blog que falou sobre ele ter tido na adolescência um problema no maxilar que fez com que essa região do rosto não crescesse de forma simétrica. Uma dentista chegou a dizer para ele que deveria utilizar uma aparelho de contenção por 6 meses para que o rosto não crescesse ainda mais de forma assimétrica. Atualmente ele pergunta para as pessoas se elas acham o rosto dele torto e sempre recebe a resposta de que não é ou que não é tão notável. Esse relato me lembrou muito o caso de outra moça que conversou comigo com o mesmo problema: crescimento errado do osso do maxilar. O médico dela falou pra ela que ela tinha um lado do maxilar maior que o outro. Mas o médico era especialista nisso, por isso tem o olho clínico e treinado para ver esses pequenos detalhes em seus pacientes. A mesma preocupação acontecia com ela, de as pessoas repararem que o rosto dela era “torto”.

Estou citando esse tipo de característica (maxilar) como exemplo, mas pode ser sobre o nariz, olho, orelha, testa, todo o rosto ou qualquer outra parte do rosto. Conheci através do nosso grupo do whatsapp um rapaz que sofre por achar que o cotovelo dele é feio. Esse transtorno pode ser sobre qualquer parte do corpo, até mesmo as menos improváveis.

Agora voltando à pergunta desse post. Até que ponto meu problema é mesmo um problema? As pessoas do meu convívio podem não reparar no que eu considero um defeito mas independente disso na minha mente isso tira o meu sono e a minha paz porque acredito que todos me julgam e me destratam por causa de como é minha aparência. Quando digo pessoas do meu convívio pode ser amigos, familiares ou até mesmo pessoas desconhecidas em lugares que frequento no meu dia a dia.

O ponto que estou querendo chegar é que vejo muitos depoimentos de pessoas aqui no blog que deixaram de viver e apenas existem, pessoas que não possuem mais nenhuma perspectiva de vida, que acreditam piamente que sua vida está fadada ao fracasso por causa de sua aparência e vai ser assim até a sua morte. Quando na verdade a pessoa possui uma aparência normal como qualquer outra e poderia ter uma vida normal como qualquer pessoa. Só que a realidade que ela criou dentro da mente dela é tão verdade que é muito difícil mudar essa visão, essa autoimagem.

E por a pessoa acreditar que isso é verdade, as atitudes dela reforçam essa realidade e vira um círculo vicioso difícil de ser quebrado porque uma coisa alimenta a outra. Por exemplo: Se eu penso (e acredito) que sou feio(a) e que ninguém vai se interessar por mim e conheço alguém que considero interessante. Qualquer forma diferente que essa pessoa me tratar eu já vou assimilar que é porque sou feio. Porque eu já estou o tempo todo na defensiva, que vai dar errado, esperando que a pessoa não vai se interessar por mim porque não sou digno (não tenho atributos) para isso. Mas a pessoa pode ter me tratado diferente porque ela estava com pressa, porque ela não estava em um dia bom ou apenas porque ela tem preferência por outro tipo de aparência ou personalidade para se interessar. E isso não tem nada a ver com bonito ou feio. Então quando eu achar algo que eu identifique que a pessoa está me rejeitando eu já vou me reafirmar que deu errado mais uma vez porque sou feio e isso é o motivo que muita coisa da errado na minha vida.

Se você acredita que não tem mais jeito, que sua vida já está escrita para ser um fracasso porque você não tem a aparência que gostaria de ter e que você é feio, você vai ter essa vida que escolheu/acredita.

Agora se você acredita que essa realidade é um problema que você não queria que tivesse acontecido mas infelizmente por questões alheias a sua vontade aconteceu e hoje você tem uma vida que não queria, mas que é possível que essa realidade mude, e que você tenha uma vida normal, muita coisa pode mudar.

Fácil né? Não. Não é fácil assim. Na teoria muito simples. Na prática é bem diferente. Quando já temos algo enraigado, que já vem de muito tempo, e que já está consolidado dentro de nossa mente, nosso psicológico, é um caminho difícil para mudar. Além disso, é preciso de um profissional para conseguir essa mudança (sem psicólogo pode funcionar, mas as chances caem ainda mais). E quando se faz um tratamento com um psicólogo para mudar essa autoimagem distorcida, ainda é preciso se identificar com o tratamento desse psicólogo, se sentir a vontade com esse psicólogo e se dedicar a esse tratamento. Então não é fácil, mas é possível mudar tudo isso. Aqui no blog tem um post falando sobre pessoas que conseguiram mudar essa situação (clique para ler). E digo, não é fácil, é um caminho um pouco longo e difícil, mas vale muito a pena. E durante o caminho você já vê as mudanças acontecendo.

Podemos ter uma vida inteira de infelicidade acreditando que nosso fracasso se deve a nossa aparência, quando na verdade as pessoas ao nosso redor não estão vendo nada disso que acreditamos ser a nossa realidade. Essa realidade muitas vezes é apenas a nossa realidade, como se vivêssemos em um mundo paralelo onde ninguém mais vê o que nós vemos. Então não vamos assinar um contrato de infelicidade vitalício por uma coisa que não é real. Até que ponto meu problema é realmente um problema? Ele é um problema para mim, sim, é verdade. Mas somente eu vejo isso e vivencio isso. Então é possível buscar alternativas para que essa minha realidade mude.

Tem uma parte do livro “Imperfeitos, Livres e Felizes” (para saber sobre livros clique aqui) que diz que muitas vezes pessoas fazem plásticas e conseguem se relacionar melhor com outras pessoas, serem mais aceitos e conquistam coisas na vida (cargos, etc) e atribuem este sucesso à essa modificação na aparência através da plástica. Quando na verdade o que mudou foi a postura da pessoa, a forma dela agir e de se relacionar com as pessoas e com o mundo e essas conquistas poderiam ser alcançadas sem a cirurgia plástica (somente com a mudança de atitudes).

Por exemplo: Se uma pessoa não gosta do nariz dela e acredita que ninguém se interessa dela por causa do nariz e até mesmo não pode ter um bom emprego porque ninguém vai querer contratar uma pessoa com o nariz igual ao dela (grande ou em um formato que a pessoa considera inadequado). Então ela opera e fica com o nariz como ela gostaria que fosse. Dessa forma essa pessoa consegue ter uma melhor desenvoltura para se relacionar com outras pessoas e começa a namorar. Além disso, se sente mais confiante para procurar e se portar nas entrevistas de emprego e consegue ser contratado para um cargo que antes nem imaginava conseguir. Ela atribui esse sucesso à mudança em sua aparência, quando na verdade essas conquistas se devem a nova forma que ela está vivendo e se vendo (autoimagem).

Para terminar, gostaria de falar sobre o padrão de beleza que tanto nos assombra. Sabemos de pessoas que estão dentro do padrão de beleza imposto pela mídia. Essas pessoas são privilegiadas fisicamente? Na minha opinião, sim. Em uma porcentagem de toda população do mundo, quantas pessoas estão dentro do padrão de beleza? Uma mínima parcela. Existem muito mais pessoas fora do padrão de beleza do que dentro. E isso não quer dizer que quem está fora desse padrão não tem sua beleza e está condenada a infelicidade. Vamos usar um comparativo. Quantas pessoas no mundo são milionárias, se pegarmos o total de pessoas que vivem no mundo atualmente? Uma mínima parcela também. Isso quer dizer que quem tem menos dinheiro não pode ter uma vida feliz também, conforme o que possui? Pode sim. Então não quer dizer que só porque não estamos dentro daquela parcela de pessoas “privilegiadas” que não temos também nosso mérito de desfrutar de muita coisa, de termos nosso valor e de sermos também felizes, conforme o que temos/somos. ♥

Posts relacionados:

Não torne as coisas eternas
• Não desista de si mesmo
• Quando eu digo que beleza é um conjunto de características
Beleza é uma questão subjetiva
• Não é o nosso olho que vê
• Qual o tratamento correto para o transtorno dismórfico corporal?
• Distorção da Imagem Corporal – Auto Imagem – parte 1

Modelo perde movimento do rosto após mais de 350 cirurgias plásticas

Alicia_Douvall_transtorno_dismorfico_corporal

Quantas cirurgias plásticas é possível alguém fazer? Para a modelo inglesa Alicia Douvall, o número já passou de 350. A celebridade se submeteu a tantos procedimentos que contou ao jornal The Sun não conseguir mais sorrir, devido a alta quantidade de inserções feitas no rosto. A modelo apresenta uma série de cicatrizes pela face e em torno das orelhas e já foi fotografada totalmente desfigurada, caminhando pelas ruas de Londres. “O que eu fiz parte meu coração. Imagine segurar seu bebê pela primeira vez e não poder sorrir. Fui tão egoísta. Agora meu sonho é que Papaya um dia veja sua mamãe sorrindo para ela”, disse em entrevista, referindo-se a sua filha de 16 meses.

Na época do nascimento da menina, ela declarou estar surpresa por conseguir amamentá-la pois já havia feito 16 operações plásticas nos seios. Para recuperar os movimentos do rosto, a modelo precisou passar por um procedimento agressivo e doloroso. Na semana passada, Alicia teve todos os implantes faciais removidos (bochechas e queixo), o que incluiu quebrar a mandíbula em dois lugares. O nariz também precisou ser fraturado e a pele agora precisa voltar ao normal, caso contrário ela parece não conseguir mexer os músculos, como se fosse vítima de um derrame.

Alicia, que já se relacionou com o ator Mickey Rourke e com o jogador Dennis Rodman, foi tema de documentários que apontavam que ela sofria de Desordem Dismórfica Corporal. Agora, ela afirma lançar uma campanha para informar sobre os riscos nos excesso de operações plásticas.

“Perdi minha aparência e minha vida está arruinada. Fiz as coisas mais horríveis tentando ser perfeita e fiquei cega com o que os médicos diziam para mim. Gastei mais de R$ 3,6 milhões e perdi minha juventude com isso. Nunca sorri para minha menininha e preciso viver com o fato de que deixava Georgia cuidando de Papaya enquanto fazia operações”, disse. Georgia é a filha mais velha da modelo, de 17 anos. Alicia também comprometeu sua capacidade de se alimentar e apenas consegue beber com a ajuda de canudos. Entre as operações realizadas está inclusive uma para diminuir comprimento dos seus dedos dos pés. Desde 2008, a modelo luta para se tratar do problema de ser viciada em operações e esteve internada em clínica psiquiátrica em três ocasiões.

Fonte: Voz da Bahia

Fotos do Google:

FEMAIL_482x449

£££-Alicia-Douvall

2224424.main_image

Bruna Marquezine e seios reais

Recentemente, no Carnaval, deu o que falar as fotos que saiu da Bruna Marquezine.

polemia_seios_caidos_bruna_marquezine1

polemia_seios_caidos_bruna_marquezine4polemia_seios_caidos_bruna_marquezine6Quando vi a foto dela pensei “Que legal. Ela tem dinheiro pra por silicone e não quis. Ela está feliz com o corpo que tem e isso é o que importa. Ela não sente a necessidade de estar dentro de um padrão, ainda mais sendo uma celebridade”.

Porém, o que realmente aconteceu com outras pessoas é que se sentiram no direito de julgar o corpo dela. Falaram que ela tem peito caído. “Nossa, que feio. Parece que amamentou 500 filhos”. “Vá suspender esse peito com silicone. Tá horrível” algumas pessoas comentaram.

Mas que audácia é essa? Cadê o respeito com o corpo do outro? As pessoas perderam o limite e o bom senso.

Screenshot_20180213-232955A gente não precisa estar dentro de um padrão de beleza para ser aceito pelos outros. Estar bem consigo mesmo que é importante. A opinião dos outros não é importante.  O que os outros falam não define o seu valor. Faça um quadro com essas 4 frases e coloque em seu quarto.

A Bruna deixou de ser bonita e ter seu valor por causa que ela tem um peito menor do que o que estamos acostumados em ver nas celebridades? Não. Porque o valor dela existe independente de como é a fisionomia dela. Você não tem mais valor porque colocou silicone, operou o nariz ou qual seja o procedimento estético que você quer fazer. Você não é um produto.

Entre aspas estou colando uma parte do que foi escrito na matéria publicada no site da Elle, que achei muito interessante:

“Mesmo dentro de boa parte do que ficou conhecido como padrão estético, Bruna não ficou livre dos julgamentos — o que evidencia como é preciso desconstruir uma ideia única de beleza. Se Bruna tem ou não o que os usuários da rede social caracterizam como “peitos caídos” não está em debate, mas o julgamento que mulheres recebem, principalmente quando parecem estar livres e felizes com o que veem no espelho, sim.

As redes sociais só aglutinaram uma situação sexista e aparentemente insaciável na vida das mulheres. Provavelmente, se Bruna cedesse à pressão e resolvesse fazer uma cirurgia plástica, ela seria condenada por não valorizar a “beleza natural” e adotar um comportamento supostamente fútil. Há uma cobrança, na maioria das vezes invisível, para que mulheres estejam sempre “impecáveis”, baseadas em um padrão branco e um ideal de juventude — qualquer sinal de idade ou suposto descuido acaba virando um pesadelo. “Você deve amamentar”, diz a voz tradicional da sociedade. “Mas não pode ter nenhuma marca de que isso aconteceu”. O mais contraditório é que quando alguma delas cede à pressão, porém, um novo bombardeio é feito. As cirurgias plástica provam que o trabalho de conquistar o ideal da feminilidade é exatamente isso: trabalho. E, idealmente, a feminilidade nunca se mostra como uma construção, ela deve se apresentar como algo natural. O paradoxo da beleza.”

O Fã Clube da Bruna postou um texto bacana referente aos seios de Bruna:

“GENTE ???? Parece que Bruna Marquezine trouxe com carnaval uma descoberta que aterrorizou muita gente, preparados ? TCHARAM: SEIOS NATURAIS.
Controversas a parte sobre a fantasia da moça a enxurrada de comentários que me chocou foram coisas como “peitos murchos” ou “que peitos caídos”. Primeiro, e se fossem? Que necessidade esquisita de opinar a respeito do corpo alheio é essa?
E segundo, não são! São seios completamente normais pra alguém da idade e peso dela. E adivinhem? Seios de mulheres não são essas bolas altas e rígidas que vocês veem por aí, isso se chama SILICONE. Seios naturais são diversos. Tem tamanhos diversos. E aparência diversa.”

28577669_10216434390151947_7595064990621075926_n

Erikayumi9 (perfil do Instagram) escreveu uma coisa bem interessante a respeito. Ela disse “O corpo do outro não diz respeito à você. E se te incomoda tanto, você é quem está precisando de ajuda.”

Chidera Eggerue, uma blogueira de Londres, criou a hashtag #SaggyBoobsMatter no Instagram (algo como “seios caídos importam”). Ela não criou por causa do caso da Bruna, mas sim por causa de seus próprios seios.

E pra finalizar:

“Há que se desassociar a felicidade e o sucesso a partir de um ideal corporal. Não há como negar que ele afeta principalmente as mulheres, prejudicando a autoestima quando são ainda adolescentes e crescendo em desconexão com o próprio corpo. Se conectar com o natural é importante para a libertação como um todo. E há que se celebrar diferentes tipos de beleza.” (texto publicado no site Elle)

Fontes: R7 Elle

Não torne as coisas eternas

IMG_20180129_193052703

Eu recebo vários emails e 90% deles giram em torno que preciso esclarecer aqui. A Os emails que eu recebo contam suas histórias de sofrimento por conta de como essas pessoas se enxergam e como acreditam que é sua aparência e a maioria deles possuem o início disso tudo em algum momento do passado onde alguém falou algo a respeito delas (bullying ou qualquer outro tipo de comentário).

Minha primeira observação sobre isso é o seguinte: Existem pessoas más no mundo que vão nos inferiorizar e vão gostar de fazer isso. Essas pessoas se sentem bem humilhando, ridicularizando ou seja que tipo de atitude má que vão fazer. O que não se pode fazer é aceitar o que as pessoas falam como verdade. Eu digo isso porque eu fiz isso por muito tempo da minha vida. Como já contei aqui no blog, o meu transtorno dismórfico corporal começou na infância quando eu tinha apenas 5 anos de idade quando o amigo do meu irmão me chamava de feia (ele tinha 15 anos) e ria porque eu chorava. Pra ele era uma brincadeira, pra mim era uma tortura e isso prejudicou muito minha auto estima e a minha segurança conforme eu ia crescendo. No colégio veio a fase de bullying me chamando de saracura, girafa, olho esbugalhado e tantas outras coisas que muitos adolescentes também passam. Vou por aqui algumas fotos minhas da minha adolescência.

IMG_20180130_142052556

Acima eu com 13 anos, ainda crescendo. Eu era muito feia, magrela, sem curvas que outras meninas da minha idade já iam tendo. Eu usava aparelho, uma franja toda torta. Vocês vão olhar a foto e dizer “Está normal para uma adolescente passando por transformação” mas eu me via nessa época como um E.T.

O que não podemos é pegar uma época “ruim” da nossa vida, tomar como verdade o que falaram de nós e e eternizar ela que o resto da nossa vida vai ser assim. A vida e o mundo estão em constante transformação. Você não é mais o mesmo de hoje e não é o mesmo de amanhã. Essa imagem do começo da postagem “Não tornar as coisas eternas” foi uma tarefa que minha psicóloga deixou pra mim pois quando eu tinha um problema na minha vida eu eternizava aquele momento como se aquilo nunca mais fosse acabar. E tudo acaba uma hora. Eternizar momentos é o que acontece com os suicidas. Eles acham que o que estão passando não vai ter fim e por isso se matam.

Eu cresci e com cerca de 15 anos eu tinha crescido e não gostava da minha altura. Comecei a andar arcada (ainda ando e tento corrigir isso) e as fotos daquela época mostram como eu me curvava para tentar ser menor.

IMG_20180130_093649114

Os anos foram se passando, descobri que meu sofrimento tinha nome (transtorno dismórfico corporal) e comecei a tratar. Consegui resolver isso na minha vida e hoje não tenho mais. Tem dias que me acho feia, tem dias que não quero que batam foto de mim, mas sei que isso é normal de qualquer ser humano porque não somos robôs. Só que apesar de me sentir as vezes assim isso não me faz sofrer e me aceito como eu sou e sei que sou um conjunto de características e que vão ter pessoas que vão gostar de mim assim e vão ter pessoas que vão me achar feia também porque isso é questão de gosto de cada um e não tem nada a ver com o meu valor.

Não me acho muito bonita em fotos sem maquiagem mas sei que a maioria das pessoas também ficam assim e que uma maquiagem, um pose bem feita e um filtro na foto ajudam muito e olhamos fotos dos outros e achamos que somos a escória da sociedade.

A gente se olha no espelho e queria ser igual a outra pessoa que é bonita e não percebe que uma iluminação boa, um ângulo bom e acima de tudo UMA BOA AUTO ESTIMA faz qualquer foto ficar boa. E para as mulheres a maquiagem ainda ajuda. Vou usar minhas fotos como exemplo:

IMG_20160110_131538791

Não to nenhuma modelo né. Mas se arrumar o cabelo, passar uma maquiagem, colocar uma roupa legal, por um sorriso no rosto já ajuda. Como vemos nas fotos abaixo:

C360_2017-12-24-17-46-21-994

IMG-20171007-WA0040

Claro que arrumada ta mais bonita mas também não tem nada de errado comigo sem maquiagem. E também não tem nada de errado com você do jeito que você é. Só que quando temos o transtorno dismórfico corporal nós nos vemos diferente. Você estudou na escola que o olho é a “ferramenta” que nos faz ver mas quem lê essa informação é o cérebro. Se o cérebro está com problema, ele vai ler essa informação errada. Que é o que faz você se ver de forma diferente do que você é.

Como eu me via:

comomevejo2

Isso foi uma ilustração que eu fiz pra mostrar pra minha psicóloga na época que eu fazia terapia pra ela entender como eu me via. Porque eu achava que eu explicava pra ela mas ela não entendia o grau de como eu me via. Você pode ver que todas as características que eu coloquei na foto eu tinha, como olhos grandes, sardas, olheiras, dente torto (na época era bem pouquinho, depois arrumei) e papada. Mas que essas características não me fazem essa aberração que está nessa última foto. É isso que acontece com você. Se você não gosta de algo no seu corpo usando uma escala de 0 a 10 onde 0 é bonito e 10 é horrível. Você vai considerar seu “defeito” na escala 10 e as pessoas vão considerar 0 ou 2, por exemplo. Vai ser algo muito imperceptível, insignificante. É isso que vocês precisam entender que a dismorfia corporal vai colocar muita gravidade em algo normal.

Outra observação que quero fazer é que não podemos dar o poder para ninguém decidir pela nossa vida. É como Fábio Junior canta “Nem por você, nem por ninguém, eu me desfaço dos meus planos. Quero saber bem mais que os meus vinte e poucos anos.” Quem decide pela sua vida é você, oras! E se eu decido que sou interessante sim, que tenho qualidades sim, que pessoas se interessam por mim isso vai acontecer porque isso é uma verdade para mim e então eu fico aberto a novas oportunidades na minha vida. Enquanto eu disser que sou feio, que não sou interessante todas as portas estão fechadas. Não ache que alguém vai te amar se nem você mesmo se ama.

Tenho outras coisas pra postar sobre ditadura da beleza, que é de um perfil do Instagram chamado @mbottan. Quem quiser da uma olhada lá nas fotos e nos textos que ela posta, mas depois vou fazer um post só sobre as postagens dela (com os prints do perfil dela). Por enquanto esse post já tem muita coisa pra ler.

“Admito que é inata em nós a estima pelo próprio corpo, admito que temos o dever de cuidar dele. Não nego que devamos dar-lhe atenção, mas nego que devamos ser seus escravos. Será escravo de muitos quem for escravo do próprio corpo, quem temer por ele em demasia, quem tudo fizer em função dele. Devemos proceder não como quem vive no interesse do corpo, mas simplesmente como quem não pode viver sem ele. Um excessivo interesse pelo corpo inquieta-nos com temores, carrega-nos de apreensões, expõe-nos aos insultos; o bem moral torna-se desprezível para aqueles que amam em excesso o corpo.” Sêneca (filósofo, Séc. I)

Reparar no que ninguém mais repara

Recebo emails de pessoas que fizeram cirurgia no nariz e não ficou como queriam. Como recebo emails e o comentários no blog de pessoas insatisfeitas e infelizes por causa do olho, da altura, etc.

Você não é só nariz (ou o que quer que te incomode) e provavelmente as pessoas do seu convívio nem reparam no que você repara. Eu tenho uma amigona minha que já conheço há quase 20 anos e e ano passado a gente conversando sobre plástica, mas de forma descompromissada e ela falou “eu quando puder quero fazer do meu nariz”. Então eu pensei “o que? nariz? mas o nariz dela não tem nada de errado”. Então fui nas fotos dela do Facebook ver e reparei então que ela olhava pro nariz dela de um jeito diferente do que as outras pessoas. E eu em quase 20 anos nunca reparei. Eu que fui sempre tão preocupada com a simetria, com a perfeição, com os defeitos, nunca reparei no nariz dela. E é assim que acontece com as pessoas ao nosso redor e com nós. Repararmos em coisas que não tem a proporção que pensamos ter e as pessoas ao nosso redor nem sequer um dia notaram.E porquê? Porque ela não é só nariz. Ela é um conjunto de características físicas onde uma delas é o nariz. E além das características físicas ela também tem outras características internas que fazem ser o que ela é.

Temos que tentar ser mais leves com a gente. Não nos cobrarmos tanto e dar importância para outras coisas da nossa vida, como fazer as coisas que gostamos, estar perto de quem gostamos de estar e assim por diante. Ficar pensando nesses detalhes (porque são detalhes) acabam fazendo a gente deixar a vida passar enquanto estamos na frente de um espelho.

Iraniana teria feito mais de 50 plásticas para se parecer com Angelina Jolie

A iraniana Sahar Tabar tinha o sonho de se parecer com Angelina Jolie. Para isso, realizou 50 procedimentos estéticos. A nova aparência e a magreza e Sahar chamaram a atenção nas redes sociais.

23941104

sahartabar_official

sahartabar_official2

22710844_1962941437287956_3827904609175732224_n sahartabar_official3 sahartabar_official4

iraniana-tenta-ficar-como-angelina-jolie-1511973280944_v2_900x506 (1)

Em uma mensagem no Stories do perfil, Sahar nega ter feito mais de uma plástica e acusa os tabloides europeus e árabes que usaram suas fotos de mentirosos. Além disso, rebate a crítica de pessoas que passaram a segui-la e comentaram sobre as plásticas.

Rayza Nicacio tem orelha torta?

Eu tava vendo tv e a Youtuber Rayza Nicacio estava dando dicas sobre cabelo e penteados. Foi quando eu reparei na orelha dela que é um pouco diferente, caidinha na parte de cima. Quem quiser pode dizer que a orelha dela é torta, já que tudo na aparência das pessoas tem que seguir um padrão imposto pela ditadura da beleza, não é?

Agora pergunte pra Rayza se ela se importa. Eu acho que ela não se importa, não ta nem aí pra hora do Brasil, senão ela tentaria esconder a orelha a qualquer custo e não é isso que pareceu na tv ou nos vídeos do Youtube do canal dela (procure pelo nome dela no youtube que você encontra), ou já teria feito uma plástica.

Não conheço a Rayza mas parece uma pessoa muito feliz e de bem com a vida e com a própria aparência e auto imagem. Então, que vocês usem a Rayza como fonte inspiradora pra vocês, como um mantra de vida e liguem o foda-se para os outros (clique no “foda-se” ali para ler o outro post).

orelha_raiza_nicacio

Foto que peguei da Rayza Nicacio em um vídeo dela pra ilustrar o post.

Postura Corporal – o feio e o belo na mesma pessoa

Tentei achar alguma coisa interessante na net sobre linguagem corporal e postura corporal para deixar esse post mais rico em informações mas não achei nada que eu pudesse usar com relação à dismorfia corporal. Então eu vou explicar com as minhas palavras mesmo.

Quando ficamos com vergonha da nossa aparência na presença de outras pessoas, ficamos 90% feios por causa da nossa postura e 10% por causa da nossa aparência. Uma postura reta e uma atitude confiante aumenta o sua beleza sem precisar de plástica.

Melhor do que falar é exemplificar com uma foto. Então veja só. Uma fotógrafa chamada Gracie Hagen, criou a série Ilussions of the Body (Ilusões do Corpo, na tradução livre) (clique ali no nome em inglês para ver todas as fotos). Coloquei uma folhinha do paraíso para preservar nossas modelos.

O fato é, essa primeira foto, a parte da direita, representa fielmente a postura corporal de uma pessoa dismórfica: curvada, tentando esconder o corpo e com cara de medo do que os outros estão pensando a seu respeito. Já a foto da esquerda mostra uma pessoa confiante sobre si. É a mesma pessoa, só que uma está mais bonita e a outra está mais feia por uma questão de postura, de saber o seu valor independente do que os outros pensem. A pessoa da direita já não acredita mais sem si, se perdeu em algum momento.

(gente, quem salvou meu blog pra trocar de hospedagem perdeu todas as fotos, estou tentando recuperar).

A mensagem que eu quero deixar é: esqueça esse negócio de plástica para arrumar o que você acha feio. Mais da metade do que você quer arrumar é só coisa da sua cabeça, nem existe de verdade, só você vê. E a outra metade é postura corporal. Fique reta(o), tenha postura, mostre que você tem personalidade. Muita gente destaca sua beleza pelo seu charme, pela sua elegância, não pela sua aparência. Já falei em outros posts, a beleza é uma questão de gosto, o que agrada um não agrada o outro, e também é um conjunto de características, as físicas com as de personalidade. Acredite mais em você e veja a beleza florecer. 🙂