Faça as pazes com a Imperfeição

reflexo-tumblr-espelhos“Ainda estou por encontrar o perfeccionista absoluto cuja vida seja plena de paz interior. A busca da perfeição e o desejo da tranqüilidade interior são conflitantes.

Sempre que estamos ligados à realização de alguma coisa de um determinada maneira, melhor do que a que temos no presente, estamos, por definição, engajados numa batalha perdida. Em vez de estarmos felizes e gratos pelo que já alcançamos, nos fixamos no que esta coisa tem de errado e em nosso desejo de reparar este erro. Quando atingimos o ponto zero do erro, ficamos insatisfeitos e descontentes.

Quer tenha relação conosco – um armário desorganizado, um arranhão no carro, uma tarefa mal feita, uns quilos à mais que deveríamos perder – ou com as imperfeições dos outros – a aparência de alguém, o modo como se comporta, como vive sua vida – a própria ênfase na imperfeição impede que atinjamos nosso objetivo de simpatia e gentileza.

Esta estratégia não quer dizer que devamos parar de fazer o melhor que podemos, e sim que não devemos nos concentrar excessivamente no lado errado da vida. A estratégia apenas nos ensina que, embora haja sempre uma maneira melhor de se fazer alguma coisa, isso não deve nos impedir de apreciar a maneira como as coisas são, no momento.

A solução é se pôr de sobreaviso em relação ao hábito de insistir para que as coisas sejam diferentes do que são. Tente se lembrar, com tranqüilidade, que a vida está bem como está, agora.

Na ausência do seu julgamento perfeccionista, tudo parecerá bem. À medida que você eliminar sua obsessão pela perfeição em todas as áreas de sua vida, você começará a descobrir a perfeição na própria vida.”

Texto parte do livro “Não faça tempestade em copo d’água” (Richard Carlson)

Jornalista lança campanha para pôr fim ao preconceito contra nariz grande

sideprofileselfie1

Muitas pessoas se sentem inseguras por causa do nariz grande que exibem. Muitos se retraem e têm prejuízos à sua vida social. A jornalista Radhika Sanghani resolveu dar sua contribuição para pôr fim ao preconceito contra nariz grande.

Ela iniciou campanha no Twitter com a hashtag #sideprofileselfie (selfie de perfil) para que as pessoas com nariz grande não tenham medo de se mostrar como são.

“Odiei o meu nariz por toda a minha vida. Só nos últimos meses eu finalmente o aceitei. Fiquei cansada de me sentir mal ou feia por não atingir o padrão de beleza que vemos na mídia”, disse a jornalista ao “Sun”.

sideprofileselfie2

A campanha bombou. Muitos internautas aderiram e postaram fotos dos seus narizes avantajados.

sideprofileselfie3

“Quero mulheres com nariz grande em comerciais na TV, nos filmes, nas revistas”, disse Radhika.

sideprofileselfie4

Fonte: Extra

Consegui me ver normalmente depois do tratamento?

Estou em dois grupos do Facebook sobre Transtorno Dismórfico Corporal. Em uma das publicações que falei que estava à disposição de quem precisasse de algo, me perguntaram “Gostaria de saber se você conseguiu se enxergar normalmente depois do tratamento.”

Vou colar aqui minha resposta:

Eu consegui sim. Hoje consigo ver minha beleza física e gosto do que eu vejo. Diferente do que acontecia uns anos atrás, que sofria com o que eu via. O tratamento psicológico foi fundamental na minha melhora (o tipo de tratamento que fiz foi a terapia cognitivo comportamental) e a leitura também me ajudou muito a abrir meus horizontes e ver que há outras formas de se pensar sobre o assunto beleza. Com isso, minha auto imagem e a minha auto estima foram mudando e comecei a me descobrir.

Acho que é isso que falta para cada pessoa que tem o transtorno dismórfico corporal: se descobrir. Nós (dismórficos) acabamos criando uma imagem na nossa cabeça (e vemos isso no espelho) de como somos e isso não é fácil de consertar. Porém, essa mudança é possível sim. E tirar esse peso das costas do sofrimento com a própria aparência não tem preço. Poder sair na rua sem medo de ser julgada (e se for, não me importo com isso) e poder ser quem eu sou.

O que é preciso esclarecer com a superação do transtorno dismórfico corporal é que a pessoa não vai achar tudo lindo maravilhoso em si. Mas vai entender que aquelas características não são um problema. Por exemplo: Eu não acho o meu nariz o mais bonito para mim. Porém, eu não o vejo mais como um problema. E o meu nariz no conjunto do meu rosto e no conjunto do meu corpo não é um problema e junto com as outras características físicas que tenho faz com que tudo esteja em harmonia e, dessa forma, belo.

A diferença entre uma pessoa com transtorno dismórfico corporal para uma que teve e não tem mais é que as características que antes incomodavam não incomodam mais. Não por uma questão de se conformar com o que não gosta, mas no sentido de então conseguir enxergar que aquela característica não tem nada de errado, que é normal e que no conjunto ela está em harmonia com o restante das outras características físicas. Hoje eu gosto do meu conjunto, me sinto bem como sou. Aceito minhas características porque sei que elas fazem o que eu sou, única. Não existe outra de mim. Não existe outra de você e isso é maravilhoso.

Vou operar meu nariz? Não. Muitas pessoas vão dizer que não há nada de errado com meu nariz. Outras podem até achar meu nariz feio. Só que isso é uma questão de gosto e opinião cada pessoa tem uma. Por mais que eu tenha o nariz “perfeito” nunca vai ser perfeito para todos. Porque “perfeito” não exite, justamente porque não existe um consenso para a beleza. Sempre vai haver opiniões diferentes e isso é ótimo porque dessa forma todos são feios e belos ao mesmo tempo. Hoje eu tenho as mesmas características de quando eu me achava deformada por conta do transtorno dismórfico corporal. Eu tenho olheiras, tenho sardas, tenho o mesmo nariz etc. A diferença é que essas características não tem a mesma intensidade de quando eu estava com o transtorno. E a palavra para tudo isso é equilíbrio.

Grupo do Facebook: https://www.facebook.com/groups/1660848680796787

Não é o nosso olho que vê

Para poder falar de como diminuir o sofrimento por causa do transtorno dismórfico corporal precisamos entender o que o transtorno dismórfico corporal muda na nossa vida.

Entender que estamos com transtorno dismórfico corporal e como tudo acontece ajuda muito a sair disso. Estar com dismorfia corporal altera a forma como nos vemos, e se não aceitamos que isso é uma alteração na nossa mente fica difícil alguma mudança.

O estamos passando é devido a uma alteração no nosso cérebro que faz ele funcionar como se estivesse desconfigurado, fazendo ele funcionar errado. Então precisamos fazer algumas coisas para que ele volte a funcionar corretamente, que é o tratamento.

Como o cérebro está funcionando errado? Ele está vendo uma imagem irreal da nossa imagem. As pessoas me falam “Mas eu vejo no espelho que eu sou assim horrível, não tem como ser mentira porque eu estou vendo com meus próprios olhos que sou assim”. E é justamente aí que está o problema que o transtorno dismórfico corporal causa. Esse transtorno é uma doença mental, conforme está escrito no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Se é mental, então é um problema do cérebro. E o que isso tem a ver com como nos vemos? Está relacionado com como funciona a nossa visão, nossos olhos.

Como funciona a nossa visão? O nosso olho é a ferramenta que faz conseguirmos enxergar. Não é o olho que vê. É o cérebro que vê através do olho. O cérebro lê o que os olhos passam de informação. Os olhos são um prolongamento do nosso cérebro. A função da sua mente é interpretar tudo aquilo que seu olho viu.

Existem várias formas de deficiência neurológica que não permite o cérebro ver corretamente. Mas vou citar dois tipos para podermos entender melhor a ligação dos olhos com o cérebro e depois sobre o transtorno dismórfico corporal.

Agnosia Visual: Normalmente associada a danos cerebrais ou doenças neurológicas, a agnosia visual é a perda da capacidade de reconhecer pessoas, objetos sons e formas. Eles podem olhar para um objeto comum, como uma caneta, e não conseguir identificar o que é.
Um teste para identificar esse transtorno neurológico é pedir para copiar um objeto. Como o paciente pode perceber perfeitamente as formas, apesar de não fazer ideia de seu significado, o desenho sai extremamente parecido com o original. E exatamente aí está o problema do agnóstico visual associativo. Ele copia os traços linha por linha, lentamente, por que seu cérebro manda copiar as formas que está vendo, em vez de dizer – “Hmm, isto é uma âncora. Então vou desenhar baseado na memória de como é uma âncora”. (copiei a explicação de uma matéria da Revista Super Interessante, não fiz da minha cabeça).

Deficiência visual cortical (DVC): É uma forma de deficiência visual causada por um problema cerebral mais que um problema no olho (deficiência ocular).

Podemos então entender que na Agnosia Visual a pessoa está com seu olho em perfeito estado. O olho vê perfeitamente mas o cérebro está com um problema que não permite ler corretamente as informações que o olho envia. Não é o olho que tem um problema. O olho capta e envia a informação corretamente. O problema está lá na leitura dessa informação feita pelo cérebro.

No outro tipo de deficiência visual que é a “Deficiência visual cortical” entendemos que a pessoa tem prejuízo da visão por conta de um problema no cérebro e não propriamente no olho.

No transtorno dismórfico corporal acontece uma alteração psicológica, fazendo com que nos vejamos de forma diferente como somos. Quando uma pessoa me fala “Eu sei que sou horrível porque me olho no espelho e vejo isso”. A pessoa está querendo dizer que não está com problema de visão. Que não tem como o que ela está vendo estar errado porque ela está vendo com os próprios olhos que são saudáveis. Mas o problema não está nos olhos, está na mente. E se a mente mostra para você algo que não é real fica difícil você confrontar o que você está vendo. Porque você não tem duas imagens, a real e a que o cérebro está mostrando, para poder comparar. Então aqui é preciso ter a capacidade de compreensão e separar o que é real e o que a mente está alterando.

Se isso não for claro e a pessoa não tiver total compreensão disso, todo o resto do tratamento vai ficar comprometido. A pessoa com transtorno dismórfico corporal tendo isso bem claro não vai fazê-la vê-la da forma correta. Ela vai continuar se vendo feia, mas ela vai ter a consciência que o que está vendo é irreal e que está em processo para se ver da forma correta e real.

Quando eu digo que beleza é um conjunto de características

Quando alguém vem me falar sobre beleza, de se achar feio(a), eu sempre falo que a beleza é um conjunto de características (externas e internas).

A imagem física tem muitos aspectos. É visual – o que você vê quando olha para você mesmo. É mental – como você pensa sobre sua aparência. É emocional – como você se sente sobre seu peso ou altura. É cinestésica – como você sente e controla as partes de seu corpo. É também histórica – moldada por toda uma vida de experiências, que incluem prazer e dor, elogio e crítica. Acima de tudo, a imagem física é uma questão social. Pode residir em sua mente, mas está fundamentada nas experiências cotidianas que a cercam. O modo como você se sente depende de como se considera avaliado pelos outros. Sua imagem física pode ser abalada pelo julgamento de uma pessoa amada ou pelo assobio de um estranho.

Esse texto acima é de um dos livros que indico aqui no blog, mas tenho que depois confirmar de qual deles. Acho que é do Imperfeitos, Livres e Felizes (Christophe André) mas depois confirmo e arrumo aqui.

Cada pessoa é um conjunto de características. Somos nossas características físicas, mas também somos nossas características de personalidade, o nosso caráter, os nossos gostos e todas as nossas particularidades que é o nosso jeito e que isso é o que realmente simboliza o que nós somos. Nós não gostamos de alguém só por causa da aparência dela. Nós gostamos desta pessoa pelo relacionamento que temos com ela (nesse caso estou falando de gostar no sentido de amizade, não amoroso mas que também serve para relacionamentos amorosos). Digo que quando conhecemos alguém e gostamos dela, uma pessoa que vira nossa amiga, é porque gostamos da companhia dela, gostamos de como ela nos trata, de como se refere a nós, dos momentos que passamos junto com essa pessoa, da confiança e reciprocidade que existe e eu poderia listar tantas outras qualidades de um relacionamento de amizade entre duas pessoas.

E esse vídeo do André Massolini ele fala a mesma coisa, abordando isso em cima de um email sobre relacionamento:

Em vez de suas medidas, as candidatas a Miss Peru forneceram dados sobre violência contra mulheres

miss

“Meu nome é Camila Canicoba e sou representante de Lima. Minhas medidas são: 2.202 casos de feminicídio foram registrados nos últimos nove anos no meu país.”

miss_peru

“Meu nome é Juana Acevedo e minhas medidas são: mais de 70% das mulheres do nosso país são vítimas de assédio nas ruas.”

miss_luciana

“Meu nome é Luciana Fernández e represento a cidade de Huánuco, e minhas medidas são: 13 mil meninas sofrem abuso sexual no nosso país.”

Outras modelos também deram dados sobre violências em seus países. Não foram só as participantes que queriam passar essa mensagem — violência contra mulheres era o tema da noite.

Os organizadores do concurso Miss Peru mostraram recortes de jornais e revistas sobre casos de mulheres assassinadas ou agredidas enquanto as candidatas desfilavam pelo palco de biquíni.

Fonte: Buzzfeed

Instagram Diário de uma Dismorfia

Olá, boa tarde para você 🙂

instagram_diario

Eu criei um Instagram @Diariodeumadismorfia para postar frases e informações sobre o transtorno, sobre auto imagem, sobre auto estima e qualquer assunto relacionado.
Se você não tem Instagram não tem problema, o conteúdo vai ser postado aqui no blog também e na página do Facebook também como segue abaixo os links.

Meu Contato e Redes Sociais:

Email: diariodeumadismorfia@gmail.com
Página no Facebook: https://www.facebook.com/diariodeumadismorfia
Instagram: @Diariodeumadismorfia – https://www.instagram.com/diariodeumadismorfia
Meu Facebook caso queira adicionar: https://www.facebook.com/profile.php?id=1222164652 (informe por mensagem inbox que é daqui do blog porque eu não aceito quem eu não sei de onde surgiu).

Não acredite nas revistas

Aqui, quero reunir edições de imagens publicitárias para que vocês entendam que não é possível acreditar em fotos publicitária e fotos de revistas. E muitas vezes nem nas fotos dos seus amigos do Facebook é possível acreditar pois podem ter edições também. Agora que com qualquer aplicativo de celular tem filtro pra foto então meus amigos, temos que ser mais céticos. Não podemos ser ingênuos quanto a isso, porque aquela pele linda, lisa, sem olheira, sem mancha ou espinhas que você vê por aí em sites e revistas É MENTIRA. Um grande passo para você entender que você é bonita/bonito é que essas imagens são MANIPULADAS para MANIPULAR as pessoas a respeito da verdade sobre aquela foto.

pele_perfeita_dismorfia_corporal2

vichylogocristiane_torlone_revista_sem_photoshop

Para ler o post sobre a Christiane Torloni clique aqui.

transformaes-com-photoshop-1

nao_acredite_nas_revistas_dismorfia_corporal

valesca_popozuda2_photoshop

capa_de_revista_photoshop

photoshop_capa_revista

Posts relacionados:
Adele magra?
Christiane Torloni de verdade
Desculpe, Kate, mas vc não é magra o suficiente – precisa de Photoshop
E vc ainda acredita nas revistas?
Eu dava um dedo…
Fernanda Vasconcellos aparece sem umbigo em comercial na praia
Photoshop é como nascer de novo
Carol Castro antes e depois do Photoshop
A Mulher da Página 194
Ex-Miss Universo posa nua e sem retoques para capa de revista
Pele Perfeita
Aviso sobre photoshop poderá ser obrigatório em publicidade

Não torne as coisas eternas

IMG_20180129_193052703

Eu recebo vários emails e 90% deles giram em torno que preciso esclarecer aqui. A Os emails que eu recebo contam suas histórias de sofrimento por conta de como essas pessoas se enxergam e como acreditam que é sua aparência e a maioria deles possuem o início disso tudo em algum momento do passado onde alguém falou algo a respeito delas (bullying ou qualquer outro tipo de comentário).

Minha primeira observação sobre isso é o seguinte: Existem pessoas más no mundo que vão nos inferiorizar e vão gostar de fazer isso. Essas pessoas se sentem bem humilhando, ridicularizando ou seja que tipo de atitude má que vão fazer. O que não se pode fazer é aceitar o que as pessoas falam como verdade. Eu digo isso porque eu fiz isso por muito tempo da minha vida. Como já contei aqui no blog, o meu transtorno dismórfico corporal começou na infância quando eu tinha apenas 5 anos de idade quando o amigo do meu irmão me chamava de feia (ele tinha 15 anos) e ria porque eu chorava. Pra ele era uma brincadeira, pra mim era uma tortura e isso prejudicou muito minha auto estima e a minha segurança conforme eu ia crescendo. No colégio veio a fase de bullying me chamando de saracura, girafa, olho esbugalhado e tantas outras coisas que muitos adolescentes também passam. Vou por aqui algumas fotos minhas da minha adolescência.

IMG_20180130_142052556

Acima eu com 13 anos, ainda crescendo. Eu era muito feia, magrela, sem curvas que outras meninas da minha idade já iam tendo. Eu usava aparelho, uma franja toda torta. Vocês vão olhar a foto e dizer “Está normal para uma adolescente passando por transformação” mas eu me via nessa época como um E.T.

O que não podemos é pegar uma época “ruim” da nossa vida, tomar como verdade o que falaram de nós e e eternizar ela que o resto da nossa vida vai ser assim. A vida e o mundo estão em constante transformação. Você não é mais o mesmo de hoje e não é o mesmo de amanhã. Essa imagem do começo da postagem “Não tornar as coisas eternas” foi uma tarefa que minha psicóloga deixou pra mim pois quando eu tinha um problema na minha vida eu eternizava aquele momento como se aquilo nunca mais fosse acabar. E tudo acaba uma hora. Eternizar momentos é o que acontece com os suicidas. Eles acham que o que estão passando não vai ter fim e por isso se matam.

Eu cresci e com cerca de 15 anos eu tinha crescido e não gostava da minha altura. Comecei a andar arcada (ainda ando e tento corrigir isso) e as fotos daquela época mostram como eu me curvava para tentar ser menor.

IMG_20180130_093649114

Os anos foram se passando, descobri que meu sofrimento tinha nome (transtorno dismórfico corporal) e comecei a tratar. Consegui resolver isso na minha vida e hoje não tenho mais. Tem dias que me acho feia, tem dias que não quero que batam foto de mim, mas sei que isso é normal de qualquer ser humano porque não somos robôs. Só que apesar de me sentir as vezes assim isso não me faz sofrer e me aceito como eu sou e sei que sou um conjunto de características e que vão ter pessoas que vão gostar de mim assim e vão ter pessoas que vão me achar feia também porque isso é questão de gosto de cada um e não tem nada a ver com o meu valor.

Não me acho muito bonita em fotos sem maquiagem mas sei que a maioria das pessoas também ficam assim e que uma maquiagem, um pose bem feita e um filtro na foto ajudam muito e olhamos fotos dos outros e achamos que somos a escória da sociedade.

A gente se olha no espelho e queria ser igual a outra pessoa que é bonita e não percebe que uma iluminação boa, um ângulo bom e acima de tudo UMA BOA AUTO ESTIMA faz qualquer foto ficar boa. E para as mulheres a maquiagem ainda ajuda. Vou usar minhas fotos como exemplo:

IMG_20160110_131538791

Não to nenhuma modelo né. Mas se arrumar o cabelo, passar uma maquiagem, colocar uma roupa legal, por um sorriso no rosto já ajuda. Como vemos nas fotos abaixo:

C360_2017-12-24-17-46-21-994

IMG-20171007-WA0040

Claro que arrumada ta mais bonita mas também não tem nada de errado comigo sem maquiagem. E também não tem nada de errado com você do jeito que você é. Só que quando temos o transtorno dismórfico corporal nós nos vemos diferente. Você estudou na escola que o olho é a “ferramenta” que nos faz ver mas quem lê essa informação é o cérebro. Se o cérebro está com problema, ele vai ler essa informação errada. Que é o que faz você se ver de forma diferente do que você é.

Como eu me via:

comomevejo2

Isso foi uma ilustração que eu fiz pra mostrar pra minha psicóloga na época que eu fazia terapia pra ela entender como eu me via. Porque eu achava que eu explicava pra ela mas ela não entendia o grau de como eu me via. Você pode ver que todas as características que eu coloquei na foto eu tinha, como olhos grandes, sardas, olheiras, dente torto (na época era bem pouquinho, depois arrumei) e papada. Mas que essas características não me fazem essa aberração que está nessa última foto. É isso que acontece com você. Se você não gosta de algo no seu corpo usando uma escala de 0 a 10 onde 0 é bonito e 10 é horrível. Você vai considerar seu “defeito” na escala 10 e as pessoas vão considerar 0 ou 2, por exemplo. Vai ser algo muito imperceptível, insignificante. É isso que vocês precisam entender que a dismorfia corporal vai colocar muita gravidade em algo normal.

Outra observação que quero fazer é que não podemos dar o poder para ninguém decidir pela nossa vida. É como Fábio Junior canta “Nem por você, nem por ninguém, eu me desfaço dos meus planos. Quero saber bem mais que os meus vinte e poucos anos.” Quem decide pela sua vida é você, oras! E se eu decido que sou interessante sim, que tenho qualidades sim, que pessoas se interessam por mim isso vai acontecer porque isso é uma verdade para mim e então eu fico aberto a novas oportunidades na minha vida. Enquanto eu disser que sou feio, que não sou interessante todas as portas estão fechadas. Não ache que alguém vai te amar se nem você mesmo se ama.

Tenho outras coisas pra postar sobre ditadura da beleza, que é de um perfil do Instagram chamado @mbottan. Quem quiser da uma olhada lá nas fotos e nos textos que ela posta, mas depois vou fazer um post só sobre as postagens dela (com os prints do perfil dela). Por enquanto esse post já tem muita coisa pra ler.

“Admito que é inata em nós a estima pelo próprio corpo, admito que temos o dever de cuidar dele. Não nego que devamos dar-lhe atenção, mas nego que devamos ser seus escravos. Será escravo de muitos quem for escravo do próprio corpo, quem temer por ele em demasia, quem tudo fizer em função dele. Devemos proceder não como quem vive no interesse do corpo, mas simplesmente como quem não pode viver sem ele. Um excessivo interesse pelo corpo inquieta-nos com temores, carrega-nos de apreensões, expõe-nos aos insultos; o bem moral torna-se desprezível para aqueles que amam em excesso o corpo.” Sêneca (filósofo, Séc. I)