Procuro

Procuro um voluntário para me ajudar a traduzir alguns textos do blog para o espanhol. Percebi que há pouca informação em espanhol. Então estou traduzindo para o para que pessoas que sofrem do transtorno, mas o idioma que falam é o espanhol, consigam ter informação. Estou usando o tradutor mas traduz muita coisa errada. Não consigo remunerar porque não recebo um tostão com esse blog e sim desembolso um valor anual para mantê-lo no ar.

Se alguém tiver interesse entre em contato deixando um comentário nessa postagem ou pelo email diariodeumadismorfia@gmail.com

Você ama sua casa?

Encontrei em uma espécie de diário que eu levava para a terapia um texto de como eu me via. Eu acho que foi uma tarefa da psicóloga. Provavelmente ela perguntou “O que você sente quando se vê no espelho?” E pediu para eu levar na próxima sessão. Eu acho que foi isso. E abaixo estou colocando o que eu fiz de resposta.

eu_me_vejo_feia

Saber que era isso que eu pensava de mim é triste para mim. Porque hoje eu me trato tão diferente, com tanto amor, tenho tanto carinho por mim em todos os aspectos. Não me acho perfeita (nem fisicamente nem interiormente) mas aceito meus defeitos como fazendo parte de mim e me amo desta forma. Parece conformismo mas não é. Antes eu me via deformada e hoje vejo uma aparência normal. Bonita para algumas pessoas e feia para outras. Porque a realidade é que somos as duas coisas ao mesmo tempo e isso não é um problema. É apenas uma questão de opinião que varia entre as pessoas. Nunca seremos belo para 100% das pessoas nem 100% feio para todos também. O importante é a imagem que temos de nós. Então por isto que é importante buscar ajuda e tratar este transtorno.

Se você não gosta da casa em que você mora, um dia você poderá se mudar. Se você não gosta da cidade em que você mora, um dia você pode se mudar. Se você convive com alguém que não gosta você pode optar por não conviver mais com ela (se não é possível de imediato, um dia isso pode acontecer). Agora se você não gosta de si próprio não tem como se mudar. Não tem como dizer “eu não gosto deste corpo, então vou me mudar pra esse outro corpo aqui que eu comprei”.

Então você vai me dizer “Ah, mas eu posso reformar meu corpo, como se reforma a própria casa e continuar morando nela”. É verdade. Quando o problema é só estético é possível. Mas quando o problema é interno, como por exemplo uma infiltração, é preciso quebrar o interno da casa, quebrar a estrutura. E essa comparação podemos fazer com quebrar o nosso interno, no sentido de quebrar paradigmas, mexendo na nossa estrutura emocional, e consertando as rachaduras no nosso íntimo. Não é possível viver em uma casa bonita por fora mas cheia de problemas estruturais, correndo o risco até mesmo de desabar. Precisamos cuidar primeiro da parte interna da casa que é a parte mais importante e então vivermos em paz. E em nós mesmos também precisamos cuidar primeiro do nosso interior, que é a parte mais importante de nós. Com a nossa parte interna bem estruturada estaremos preparados para cuidar bem do nosso exterior.

Transtorno dismórfico corporal tem cura?

Quando eu descobri que tudo o que eu sofria tinha um nome e que se chamava Transtorno Dismórfico Corporal (ou dismorfia corporal) eu fui pro Google ler tudo o que eu achasse sobre isso. Li em vários sites dizendo que não há cura mas que pode ser controlada. Isso me deixava muito desanimada, pensar que eu teria que lidar com isso o resto da vida.

Que diabos de “não tem cura mas pode ser controlada”, que controle é esse? Tipo um Alcoólatras Anônimos que não tem cura e a pessoa tem que sempre frequentar um grupo de apoio para se manter forte e não ter recaídas? Dismórficos Anônimos, já estava até pensando… “Só por hoje não vou olhar no espelho”.

Fiz meu tratamento, me empenhei, li muito, coloquei em prática as informações novas que eu fui aprendendo e comecei a ver a mudança dentro de mim. Eu mudei minha forma de pensar e a minha distorção de imagem foi sendo mudada para uma auto imagem correta. Desde 2012 eu não tenho mais nenhum sintoma do transtorno e depois de alguns anos assim eu só consegui ter cada vez mais a certeza que eu estava curada desse transtorno psicológico.

Só que como eu não sabia de mais ninguém que também tinha conseguido, eu ficava me questionando se eu realmente tinha saído disso ou era uma convicção equivocada. Então depois com o tempo de blog, conheci um leitor aqui do blog que também tinha o transtorno e que estava fazendo seus próprios exercícios para superar sua dismorfia. Ele enfrentava seus medos e se colocava em situações que não se sentia confortável para aprender a lidar com suas emoções. Depois de um tempo me relatou que não tinha mais o transtorno. Tive então mais um reforço do que eu tinha pensado, de que realmente é possível sair disso. Éramos duas pessoas que contrariávamos a tal informação de quem não há cura, que há só um controle. Isso faz uns 3 anos, se não faz mais. Depois disso não soube de mais ninguém.

Foi quando esse ano foi criado o grupo do whatsapp e então entrou uma pessoa e relatou que teve o transtorno por muito tempo mas que com tratamento conseguiu sair disso e hoje não tem mais. Três pessoas. Eu mal podia acreditar que eu estava sabendo de mais uma pessoa que tinha esse transtorno e estava curada.

Depois disso uma psicóloga comentou sobre um paciente que tinha o transtorno e também conseguiu êxito no tratamento e se curou. E por último de um rapaz que buscou em Deus a cura e também conseguiu. No total, cinco pessoas.

É uma alegria muito grande poder ver de “não há cura” fomos para cinco pessoas curadas. Se eu pudesse dizer qual o segredo para conseguir sair disso eu diria que é persistência. Nada na vida se consegue sem dedicação. Estou querendo dizer que é preciso fazer terapia periodicamente? Não. Se você encontrou um caminho que está dando resultado e não é na terapia, siga o caminho que você encontrou. O meu caminho foi terapia, muita leitura e por em prática a mudança no que eu percebia que eu estava fazendo errado (pensamentos e atitudes). Outra pessoa encontrou o caminho em Deus, dentro da igreja e não fez terapia e não leu nada. Não existe um único caminho, existe o caminho que você se identifica e então caminha por ele. O importante é ver que há um progresso. Se o que você está tentando há algum tempo  e não está vendo nada de mudança em você, tente outro caminho. A mudança é lenta mas devagar se vai longe.

Clique aqui para ler o depoimento do Robert, que era leitor do blog. Ele não tem mais o transtorno faz anos e conta como foi sua vida com o transtorno e como foi o seu tratamento. Que este depoimento possa servir de esperança e inspiração para outras pessoas.

Grupo Whatsapp Dismorfia Corporal

GRUPO WHATSAPP 

simbolo-do-whatsapp-2

38329757-vector-illustration-of-hand-drawn-vintage-mirror-

A pedidos, foi criado (em fevereiro 2018) um grupo do Whatsapp sobre o Transtorno Dismórfico Corporal. Para desabafar, encontrar outras pessoas passando pela mesma situação, tirar dúvidas etc. Juntos somos mais fortes.
‌Opções de como entrar no grupo:
1 – Pelo link. Se você está pelo celular ou com o whatsapp web aberto, clique no link: https://chat.whatsapp.com/C5bBwemzB6O4KJz5pruH19
2 – Ou envie seu número com ddd para o email diariodeumadismorfia@gmail.com
3 – Ou deixe seu número com ddd nos comentários. O comentário não será aprovado. Eu copio o número e excluo o comentário (sem ser aprovado). O número não aparece pra ninguém além de mim.
EDIT:
23/02/18 – o grupo foi criado
23/03/18 – já somos 30 no grupo.
29/03/18 – já somos 40 no grupo.
01/04/18 – já somos 50 no grupo.
Temos debates interessantes no grupo, além de desabafos etc. Somos um grupo de amigos.

Distorção da Imagem Corporal – Auto Imagem – parte 1

Muitas pessoas têm dúvidas de como ela não é feia se ela se vê assim. Como aqui no blog ainda não foi tratado de forma mais a fundo, estou trazendo hoje informações para que fique mais claro que a imagem que vemos foi construída dentro do cérebro e que nós vemos através dos olhos mas essa imagem é lida através do cérebro.

Se buscarmos informações lá na aula de biologia sobre os 5 sentidos do Corpo Humano, vamos ler:

O corpo humano é composto de cinco sentidos, a saber: a visão, o olfato, o paladar, a audição e o tato que fazem parte do sistema sensorial, responsável por enviar as informações obtidas para o sistema nervoso central, que por sua vez, analisa e processa a informação recebida.

Não obstante, essas capacidades estão relacionadas com órgãos ou partes do corpo humano (olhos, nariz, boca, ouvidos, mãos) e correspondem às percepções dos homens no mundo, realizadas por meio do processo de tradução, análise e processamento das informações sensoriais, o que muitas vezes, determinou a sobrevivência dos seres humanos bem como dos animais no planeta terra.

Uma especialista em imagem corporal foi convidada pela Daiana Garbin para explicar como acontece a distorção da imagem. Vou postar o vídeo na íntegra aqui mas também vou transcrever uma parte do que ela explicou.

Bianca Thurm – Especialista em Imagem corporal.

A imagem corporal é construída a partir de dois aspectos. Um aspecto psíquico, que contém todo o julgamento que a pessoa tem a respeito do corpo dela. E todas as atitudes (se gosta, se não gosta, se ta feio, se ta bonito, se ta gordo, se ta magro, se está adequado ou não). Essa é a carga de julgamento, psíquico, emocional. E a outra parte, outro aspecto, que constrói a imagem corporal é reconhecer o corpo. Saber qual é o tamanho e a forma real do corpo. Esses dois aspectos trabalham juntos, são informações necessárias para se unirem e formarem a imagem corporal ou a distorção da imagem.

A nossa imagem no espelho é muito mais do que o nosso reflexo. Ela é uma construção carregada de julgamentos e comparações. Vamos dividir o aspecto psíquico do perceptual e vamos falarmos somente do “perceber o corpo”. Reconhecer o tamanho do corpo e o aspecto de forma precisa, a pessoa necessita das próprias informações que são construídas a partir do próprio corpo. São informações de qual é o tamanho da minha perna, do meu quadril, do tronco, dos braços, da cabeça. Então essas informações partem do corpo para a mente e a pessoa vai criando um mapa do seu corpo na mente, com informações neurológicas. Tudo que vem do corpo para a mente vai formando o mapa e é carregado também da vivência corporal que são as experiências que a pessoa viveu ao longo da vida através do corpo. Essas informações também formam o tamanho do corpo. A partir deste mapa a pessoa vai julgar. Se a pessoa reconhece neurologicamente que o corpo é grande, ela vai julgar o corpo como grande. Porque esse mapa com essa construção neurológica é verdadeira para a pessoa. Por isso que a pessoa ouve “Nossa mas você é magra” e ela responde “Não, eu sou gorda” e entra em conflito porque aquilo que as pessoas vêem não condiz com o que a pessoa sente e com essa representação, esse mapa neurológico, que ela tem na mente. E é por isso que para a pessoa ver o corpo distorcido que ela continua buscando uma magreza.

Quando que começa a distorção com a imagem corporal? É na infância? Não tem regra, pode ser em qualquer parte da vida mas é  comum na infância. Por exemplo, uma menina que se desenvolve mais rápido do que outra e por algum momento sofre bullying ou recebe comentários de que o corpo é maior, de que o corpo é grande. Ela já começa a se sentir culpada “eu sou diferente de todo mundo”. Só que na cabeça da criança esse diferente é igual a isolamento. E aí começa o julgamento negativo “você é de um jeito e eu sou de outro”. Então é difícil a criança entender isso. Ela vai entender “eu estou sendo julgada e estou sendo excluída. Estou sendo excluída por quê? Porque meu corpo é diferente.” Então, por exemplo, ela começa a olhar que as outras são muito menores que ela. Então o ideal é ser pequeno e começa a criar uma referência de tamanho pequena “o bom é ser pequeno”. E essa informação (julgamento) vai pra mente. E o julgamento carrega também a questão de tamanho, de reconhecer o tamanho neurologicamente. Eu sou grande, mas grande quanto? A gente não sabe quanto, apenas “grande”. Esse “grande” pode virar qualquer tamanho. E ela tem um ideal de magreza pensando “aquela pessoa magra é o ideal” e começa a buscar tudo isso.

Tratamento: Como a distorção de imagem é formada por dois aspectos (o psíquico e o neurológico) os dois precisam receber cuidados. A parte psíquica com psicólogos e as vezes com psiquiatras, as vezes precisa de medicação para ajudar nessa conversa entre a mente, a medicação ajuda muito a fluir melhor  essa comunicação do córtex e a compreensão psíquica do porquê. O que aconteceu e depois precisa reconstruir essa conexão entre perceber o corpo e a informação que chega na mente. A pessoa precisa reconhecer de novo o corpo.

Post com tema relacionado: Não é o nosso olho que vê

Fontes:
Toda Matéria
Youtube – Eu vejo

Bruna Marquezine e seios reais

Recentemente, no Carnaval, deu o que falar as fotos que saiu da Bruna Marquezine.

polemia_seios_caidos_bruna_marquezine1

polemia_seios_caidos_bruna_marquezine4polemia_seios_caidos_bruna_marquezine6Quando vi a foto dela pensei “Que legal. Ela tem dinheiro pra por silicone e não quis. Ela está feliz com o corpo que tem e isso é o que importa. Ela não sente a necessidade de estar dentro de um padrão, ainda mais sendo uma celebridade”.

Porém, o que realmente aconteceu com outras pessoas é que se sentiram no direito de julgar o corpo dela. Falaram que ela tem peito caído. “Nossa, que feio. Parece que amamentou 500 filhos”. “Vá suspender esse peito com silicone. Tá horrível” algumas pessoas comentaram.

Mas que audácia é essa? Cadê o respeito com o corpo do outro? As pessoas perderam o limite e o bom senso.

Screenshot_20180213-232955A gente não precisa estar dentro de um padrão de beleza para ser aceito pelos outros. Estar bem consigo mesmo que é importante. A opinião dos outros não é importante.  O que os outros falam não define o seu valor. Faça um quadro com essas 4 frases e coloque em seu quarto.

A Bruna deixou de ser bonita e ter seu valor por causa que ela tem um peito menor do que o que estamos acostumados em ver nas celebridades? Não. Porque o valor dela existe independente de como é a fisionomia dela. Você não tem mais valor porque colocou silicone, operou o nariz ou qual seja o procedimento estético que você quer fazer. Você não é um produto.

Entre aspas estou colando uma parte do que foi escrito na matéria publicada no site da Elle, que achei muito interessante:

“Mesmo dentro de boa parte do que ficou conhecido como padrão estético, Bruna não ficou livre dos julgamentos — o que evidencia como é preciso desconstruir uma ideia única de beleza. Se Bruna tem ou não o que os usuários da rede social caracterizam como “peitos caídos” não está em debate, mas o julgamento que mulheres recebem, principalmente quando parecem estar livres e felizes com o que veem no espelho, sim.

As redes sociais só aglutinaram uma situação sexista e aparentemente insaciável na vida das mulheres. Provavelmente, se Bruna cedesse à pressão e resolvesse fazer uma cirurgia plástica, ela seria condenada por não valorizar a “beleza natural” e adotar um comportamento supostamente fútil. Há uma cobrança, na maioria das vezes invisível, para que mulheres estejam sempre “impecáveis”, baseadas em um padrão branco e um ideal de juventude — qualquer sinal de idade ou suposto descuido acaba virando um pesadelo. “Você deve amamentar”, diz a voz tradicional da sociedade. “Mas não pode ter nenhuma marca de que isso aconteceu”. O mais contraditório é que quando alguma delas cede à pressão, porém, um novo bombardeio é feito. As cirurgias plástica provam que o trabalho de conquistar o ideal da feminilidade é exatamente isso: trabalho. E, idealmente, a feminilidade nunca se mostra como uma construção, ela deve se apresentar como algo natural. O paradoxo da beleza.”

O Fã Clube da Bruna postou um texto bacana referente aos seios de Bruna:

“GENTE ???? Parece que Bruna Marquezine trouxe com carnaval uma descoberta que aterrorizou muita gente, preparados ? TCHARAM: SEIOS NATURAIS.
Controversas a parte sobre a fantasia da moça a enxurrada de comentários que me chocou foram coisas como “peitos murchos” ou “que peitos caídos”. Primeiro, e se fossem? Que necessidade esquisita de opinar a respeito do corpo alheio é essa?
E segundo, não são! São seios completamente normais pra alguém da idade e peso dela. E adivinhem? Seios de mulheres não são essas bolas altas e rígidas que vocês veem por aí, isso se chama SILICONE. Seios naturais são diversos. Tem tamanhos diversos. E aparência diversa.”

28577669_10216434390151947_7595064990621075926_n

Erikayumi9 (perfil do Instagram) escreveu uma coisa bem interessante a respeito. Ela disse “O corpo do outro não diz respeito à você. E se te incomoda tanto, você é quem está precisando de ajuda.”

Chidera Eggerue, uma blogueira de Londres, criou a hashtag #SaggyBoobsMatter no Instagram (algo como “seios caídos importam”). Ela não criou por causa do caso da Bruna, mas sim por causa de seus próprios seios.

E pra finalizar:

“Há que se desassociar a felicidade e o sucesso a partir de um ideal corporal. Não há como negar que ele afeta principalmente as mulheres, prejudicando a autoestima quando são ainda adolescentes e crescendo em desconexão com o próprio corpo. Se conectar com o natural é importante para a libertação como um todo. E há que se celebrar diferentes tipos de beleza.” (texto publicado no site Elle)

Fontes: R7 Elle

Faça as pazes com a Imperfeição

reflexo-tumblr-espelhos“Ainda estou por encontrar o perfeccionista absoluto cuja vida seja plena de paz interior. A busca da perfeição e o desejo da tranqüilidade interior são conflitantes.

Sempre que estamos ligados à realização de alguma coisa de um determinada maneira, melhor do que a que temos no presente, estamos, por definição, engajados numa batalha perdida. Em vez de estarmos felizes e gratos pelo que já alcançamos, nos fixamos no que esta coisa tem de errado e em nosso desejo de reparar este erro. Quando atingimos o ponto zero do erro, ficamos insatisfeitos e descontentes.

Quer tenha relação conosco – um armário desorganizado, um arranhão no carro, uma tarefa mal feita, uns quilos à mais que deveríamos perder – ou com as imperfeições dos outros – a aparência de alguém, o modo como se comporta, como vive sua vida – a própria ênfase na imperfeição impede que atinjamos nosso objetivo de simpatia e gentileza.

Esta estratégia não quer dizer que devamos parar de fazer o melhor que podemos, e sim que não devemos nos concentrar excessivamente no lado errado da vida. A estratégia apenas nos ensina que, embora haja sempre uma maneira melhor de se fazer alguma coisa, isso não deve nos impedir de apreciar a maneira como as coisas são, no momento.

A solução é se pôr de sobreaviso em relação ao hábito de insistir para que as coisas sejam diferentes do que são. Tente se lembrar, com tranqüilidade, que a vida está bem como está, agora.

Na ausência do seu julgamento perfeccionista, tudo parecerá bem. À medida que você eliminar sua obsessão pela perfeição em todas as áreas de sua vida, você começará a descobrir a perfeição na própria vida.”

Texto parte do livro “Não faça tempestade em copo d’água” (Richard Carlson)

Jornalista lança campanha para pôr fim ao preconceito contra nariz grande

sideprofileselfie1

Muitas pessoas se sentem inseguras por causa do nariz grande que exibem. Muitos se retraem e têm prejuízos à sua vida social. A jornalista Radhika Sanghani resolveu dar sua contribuição para pôr fim ao preconceito contra nariz grande.

Ela iniciou campanha no Twitter com a hashtag #sideprofileselfie (selfie de perfil) para que as pessoas com nariz grande não tenham medo de se mostrar como são.

“Odiei o meu nariz por toda a minha vida. Só nos últimos meses eu finalmente o aceitei. Fiquei cansada de me sentir mal ou feia por não atingir o padrão de beleza que vemos na mídia”, disse a jornalista ao “Sun”.

sideprofileselfie2

A campanha bombou. Muitos internautas aderiram e postaram fotos dos seus narizes avantajados.

sideprofileselfie3

“Quero mulheres com nariz grande em comerciais na TV, nos filmes, nas revistas”, disse Radhika.

sideprofileselfie4

Fonte: Extra

Consegui me ver normalmente depois do tratamento?

Estou em dois grupos do Facebook sobre Transtorno Dismórfico Corporal. Em uma das publicações que falei que estava à disposição de quem precisasse de algo, me perguntaram “Gostaria de saber se você conseguiu se enxergar normalmente depois do tratamento.”

Vou colar aqui minha resposta:

Eu consegui sim. Hoje consigo ver minha beleza física e gosto do que eu vejo. Diferente do que acontecia uns anos atrás, que sofria com o que eu via. O tratamento psicológico foi fundamental na minha melhora (o tipo de tratamento que fiz foi a terapia cognitivo comportamental) e a leitura também me ajudou muito a abrir meus horizontes e ver que há outras formas de se pensar sobre o assunto beleza. Com isso, minha auto imagem e a minha auto estima foram mudando e comecei a me descobrir.

Acho que é isso que falta para cada pessoa que tem o transtorno dismórfico corporal: se descobrir. Nós (dismórficos) acabamos criando uma imagem na nossa cabeça (e vemos isso no espelho) de como somos e isso não é fácil de consertar. Porém, essa mudança é possível sim. E tirar esse peso das costas do sofrimento com a própria aparência não tem preço. Poder sair na rua sem medo de ser julgada (e se for, não me importo com isso) e poder ser quem eu sou.

O que é preciso esclarecer com a superação do transtorno dismórfico corporal é que a pessoa não vai achar tudo lindo maravilhoso em si. Mas vai entender que aquelas características não são um problema. Por exemplo: Eu não acho o meu nariz o mais bonito para mim. Porém, eu não o vejo mais como um problema. E o meu nariz no conjunto do meu rosto e no conjunto do meu corpo não é um problema e junto com as outras características físicas que tenho faz com que tudo esteja em harmonia e, dessa forma, belo.

A diferença entre uma pessoa com transtorno dismórfico corporal para uma que teve e não tem mais é que as características que antes incomodavam não incomodam mais. Não por uma questão de se conformar com o que não gosta, mas no sentido de então conseguir enxergar que aquela característica não tem nada de errado, que é normal e que no conjunto ela está em harmonia com o restante das outras características físicas. Hoje eu gosto do meu conjunto, me sinto bem como sou. Aceito minhas características porque sei que elas fazem o que eu sou, única. Não existe outra de mim. Não existe outra de você e isso é maravilhoso.

Vou operar meu nariz? Não. Muitas pessoas vão dizer que não há nada de errado com meu nariz. Outras podem até achar meu nariz feio. Só que isso é uma questão de gosto e opinião cada pessoa tem uma. Por mais que eu tenha o nariz “perfeito” nunca vai ser perfeito para todos. Porque “perfeito” não exite, justamente porque não existe um consenso para a beleza. Sempre vai haver opiniões diferentes e isso é ótimo porque dessa forma todos são feios e belos ao mesmo tempo. Hoje eu tenho as mesmas características de quando eu me achava deformada por conta do transtorno dismórfico corporal. Eu tenho olheiras, tenho sardas, tenho o mesmo nariz etc. A diferença é que essas características não tem a mesma intensidade de quando eu estava com o transtorno. E a palavra para tudo isso é equilíbrio.

Grupo do Facebook: https://www.facebook.com/groups/1660848680796787

Não é o nosso olho que vê

Para poder falar de como diminuir o sofrimento por causa do transtorno dismórfico corporal precisamos entender o que o transtorno dismórfico corporal muda na nossa vida.

Entender que estamos com transtorno dismórfico corporal e como tudo acontece ajuda muito a sair disso. Estar com dismorfia corporal altera a forma como nos vemos, e se não aceitamos que isso é uma alteração na nossa mente fica difícil alguma mudança.

O estamos passando é devido a uma alteração no nosso cérebro que faz ele funcionar como se estivesse desconfigurado, fazendo ele funcionar errado. Então precisamos fazer algumas coisas para que ele volte a funcionar corretamente, que é o tratamento.

Como o cérebro está funcionando errado? Ele está vendo uma imagem irreal da nossa imagem. As pessoas me falam “Mas eu vejo no espelho que eu sou assim horrível, não tem como ser mentira porque eu estou vendo com meus próprios olhos que sou assim”. E é justamente aí que está o problema que o transtorno dismórfico corporal causa. Esse transtorno é uma doença mental, conforme está escrito no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Se é mental, então é um problema do cérebro. E o que isso tem a ver com como nos vemos? Está relacionado com como funciona a nossa visão, nossos olhos.

Como funciona a nossa visão? O nosso olho é a ferramenta que faz conseguirmos enxergar. Não é o olho que vê. É o cérebro que vê através do olho. O cérebro lê o que os olhos passam de informação. Os olhos são um prolongamento do nosso cérebro. A função da sua mente é interpretar tudo aquilo que seu olho viu.

Existem várias formas de deficiência neurológica que não permite o cérebro ver corretamente. Mas vou citar dois tipos para podermos entender melhor a ligação dos olhos com o cérebro e depois sobre o transtorno dismórfico corporal.

Agnosia Visual: Normalmente associada a danos cerebrais ou doenças neurológicas, a agnosia visual é a perda da capacidade de reconhecer pessoas, objetos sons e formas. Eles podem olhar para um objeto comum, como uma caneta, e não conseguir identificar o que é.
Um teste para identificar esse transtorno neurológico é pedir para copiar um objeto. Como o paciente pode perceber perfeitamente as formas, apesar de não fazer ideia de seu significado, o desenho sai extremamente parecido com o original. E exatamente aí está o problema do agnóstico visual associativo. Ele copia os traços linha por linha, lentamente, por que seu cérebro manda copiar as formas que está vendo, em vez de dizer – “Hmm, isto é uma âncora. Então vou desenhar baseado na memória de como é uma âncora”. (copiei a explicação de uma matéria da Revista Super Interessante, não fiz da minha cabeça).

Deficiência visual cortical (DVC): É uma forma de deficiência visual causada por um problema cerebral mais que um problema no olho (deficiência ocular).

Podemos então entender que na Agnosia Visual a pessoa está com seu olho em perfeito estado. O olho vê perfeitamente mas o cérebro está com um problema que não permite ler corretamente as informações que o olho envia. Não é o olho que tem um problema. O olho capta e envia a informação corretamente. O problema está lá na leitura dessa informação feita pelo cérebro.

No outro tipo de deficiência visual que é a “Deficiência visual cortical” entendemos que a pessoa tem prejuízo da visão por conta de um problema no cérebro e não propriamente no olho.

No transtorno dismórfico corporal acontece uma alteração psicológica, fazendo com que nos vejamos de forma diferente como somos. Quando uma pessoa me fala “Eu sei que sou horrível porque me olho no espelho e vejo isso”. A pessoa está querendo dizer que não está com problema de visão. Que não tem como o que ela está vendo estar errado porque ela está vendo com os próprios olhos que são saudáveis. Mas o problema não está nos olhos, está na mente. E se a mente mostra para você algo que não é real fica difícil você confrontar o que você está vendo. Porque você não tem duas imagens, a real e a que o cérebro está mostrando, para poder comparar. Então aqui é preciso ter a capacidade de compreensão e separar o que é real e o que a mente está alterando.

Se isso não for claro e a pessoa não tiver total compreensão disso, todo o resto do tratamento vai ficar comprometido. A pessoa com transtorno dismórfico corporal tendo isso bem claro não vai fazê-la vela da forma correta. Ela vai continuar se vendo feia, mas ela vai ter a consciência que o que está vendo é irreal e que está em processo para se ver da forma correta e real.