Será que tenho dismorfia?

Algumas pessoas que passam pelo blog dizem que se identificaram com os sintomas mas que não sabem se possuem a doença.

Por isso, criei esse item no menu, com a intenção de ajudar quem tem dúvida a identificar se tem dismorfia corporal ou não.

Em primeiro lugar, quem tem que dizer se você tem ou não dismorfia corporal é um médico profissional dessa área. Resumindo, um psiquiatra E UM psicólogo. Mas tem que ser um psiquiatra que saiba que essa doença existe, porque é comum encontrar psiquiatras que não sabem o que é isso. Experiência própria.

Falando de forma bem teórica, a dismorfia corporal consta no DSM-V (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais) e no CID-10 (Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde).

Critérios para o diagnóstico:
A. Preocupação com um ou mais defeitos ou falhas percebidas na aparência física que não são observáveis ou que parecem leves para os outros.
B. Em algum momento durante o curso do transtorno, o indivíduo executou comportamentos repetitivos (p. ex., verificar-se no espelho, arrumar-se excessivamente, beliscar a pele, buscar tranquilização)
ou atos mentais (p. ex., comparando sua aparência com a de outros) em resposta às
preocupações com a aparência.
C. A preocupação causa sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento social, profissional ou em outras áreas importantes da vida do indivíduo.
D. A preocupação com a aparência não é mais bem explicada por preocupações com a gordura ou o peso corporal em um indivíduo cujos sintomas satisfazem os critérios diagnósticos para um transtorno alimentar
(Se quiser ler mais sobre dismorfia corporal clique aqui).

Se mesmo assim você ainda não tem certeza, vou explicar com o português comum. Uma pessoa com dismorfia corporal tem hábitos específicos que caracterizam bem a doença. Porém, não adianta você se identificar com um ou outro, tem que se identificar com pelo menos mais da metade.

Os hábitos de quem tem dismorfia são:

1. Você fica muito tempo na frente do espelho olhando o que você odeia na sua aparência. Se você está no quarto ou no banheiro não perde a oportunidade de ficar com a cara colada no espelho. Ou evita espelhos.
2. Quando você sai da porta de casa pra fora acha que todos estão reparando como você é horrível. E também acha que eles comentam com outras pessoas como você é horrível.
3. Se você fala pra alguém da família ou amigo do seu defeito (a nível de deformação) a pessoa diz que não é nada do que você diz. Ou pelo menos não do jeito exagerado que você diz ser.
4. Você deixa de ir a qualquer lugar público (festa, shopping, praia) por se achar muito horrível para as pessoas te verem (isso também pode incluir parar de trabalhar ou estudar).
5. Você quer fazer todas as cirurgias plásticas possíveis e impossíveis pra consertar o que você odeia na sua aparência. Você já chegou a ir a consultas com cirurgiões plásticos e dermatologistas pra arrumar esse defeitão.
6. Com certa frequência você chora de tanta tristeza por ser tão feio.
7. Quando falam que você é bonito(a) você tem certeza que estão de sacanagem.
8. Você não consegue pensar em outra coisa a não ser como você é feio e como as pessoas estão reparando na sua aparência.
9. Você não vai a lugar algum sem maquiagem (óculos escuros, boné, etc), nem mesmo à padaria ou à portaria do prédio.
10. Você confere sua aparência em qualquer superfície que reflita sua imagem, as mais comuns são janelas de carros e vitrines de lojas.
11. Você fica comparando sua aparência com a de pessoas famosas que você acha bonita.
12. Você já quis (ou quer) morrer (isso inclui se matar) porque é insuportável aguentar esse peso que é viver com a aparência que você tem.
13. Você nunca namorou ou acredita que quem demonstra interesse por você é por pena ou porque você é tão feio(a) que é mais difícil levar um fora.
14. Você não consegue conversar olhando nos olhos das pessoas ou quando anda na rua não olha pra ninguém.
15. Você foge de fotografias como o diabo foge da cruz.

Ok, li e acredito que tenho dismorfia corporal. O que devo fazer?
Procure um psiquiatra. Pare com esse medo idiota de achar que psiquiatra só serve pra cuidar de gente de manicômio, que baba e  usa camisa de força. Se você não quer se ajudar então não vem se queixar pra mim depois. Eu tenho dismorfia corporal e to dizendo aqui o que é importante fazer pra superar isso. Tudo o que eu to dizendo aqui eu fiz e hoje consigo viver bem melhor.

O que o psiquiatra vai fazer?
O objetivo principal do psiquiatra é te medicar. Ele não fez psicologia na faculdade, ele fez MEDICINA. O psiquiatra não é psicólogo, apesar de tb ter psiquiatra que faz terapia. O que é bom.

Como é a consulta com o psiquiatra?
Você vai sentar na frente do(a) psiquiatra. Ele vai estar atrás de uma mesa de consultório, com um computador, blocos e receituários. Diferente do psicólogo que você senta em um sofá e o psicólogo em outro e entre vocês não tem nada. O psiquiatra precisa saber como é a sua vida, sua rotina e como você se sente (e se vê). Você precisa falar tudo. Se ficar escondendo as coisas do médico não sei qual a razão de você ir lá. Ele ta ali pra te ajudar, se você ficar escondendo as coisas dele o único prejudicado é você. Com base no que você falar ele vai saber qual é o melhor remédio pra você. O remédio vai regular a serotonina e da dopamina (explicando de forma grosseria são substâncias do cérebro responsáveis pelo seu bem estar) e vai ajudar a diminuir as “alucinações”. Em outras palavras, você não vai ficar tão atormentado por causa do seu nariz horroroso, sua pele manchada ou seja lá qual for a sua reclamação. O remédio não vai fazer você se achar se achar mais bonita(o), mas vai diminuir a sua dor emocional, você vai sofrer menos por causa da sua aparência. O psiquiatra vai pedir pra você voltar em um mês, pra saber como está sendo a adaptação com o remédio. O remédio demora cerca de 15 dias para começar a fazer efeito, porque nesse tempo o corpo está se acostumando com o que está recebendo. O que você vai tomar não é como remédio para prisão de ventre. Não adianta você tomar hoje e achar que amanhã já vai se sentir melhor. Conforme você se sentir ao fim do primeiro mês o psiquiatra vai manter essa medicação ou fazer alguma adaptação, como aumentar a dose ou trocar de substância.

Ah, mas eu não quero tomar remédio.
Ok, então não tome. Você pode melhorar sem tomar remédio, mas é um caminho mais longo e doloroso. Eu tomo remédio todo dia por causa da dismorfia corporal e não vejo problema nisso. Tem gente que tem problema do coração e toma remédio todo dia, tem gente que tem diabete e toma remédio todo dia, porque eu não posso tomar remédio todo dia? Meu bem estar vai melhorar, vou conseguir viver melhor, vou conseguir me relacionar com as pessoas e com o mundo melhor, e o mais importante, vou conseguir me relacionar comigo mesma melhor. Se mesmo assim você não quer tomar remédio, tente homeopatia, floral, alguma medicina/terapia alternativa.

Preciso fazer terapia?
É bom fazer. Vai ajudar muito a você superar tudo isso. Vai aprender a rever seus conceitos. Suas opiniões pré formatadas e a mudar as suas verdades únicas que só existem pra você e você nem sabe. O tipo de terapia que eu recomendo (opinião minha) é a terapia cognitivo comportamental.

A terapia cognitivo comportamental é empregada para problemas tais como: dificuldades existenciais, mudanças de estilo de vida e até questões mais específicas como pânico, depressão, ansiedade, anorexia, obesidade, bulimia, obsessões e compulsões.

A terapia desenvolvida nesta abordagem acontece em conjunto com o paciente, onde o mesmo identifica, examina (auto-avalia) e corrige as distorções do pensamento que causam seu sofrimento emocional e tem como objetivo auxiliar o paciente na correção dos pensamentos distorcidos ou disfuncionais, para que o paciente se sinta melhor emocionalmente e para que se comporte de maneira mais produtiva na busca de suas metas.

O que mais preciso fazer?
Cada um precisa achar seu próprio caminho. Os profissionais podem te ajudar, mas o principal responsável pra sair disso é você. Duas coisas que me ajudaram com a minha dismorfia corporal é a leitura. Eu tive que reaprender muita coisa sobre a beleza, auto imagem e auto estima. A listagem de livros que eu li, estou lendo e pretendo ler você pode ver aqui. A outra coisa que eu fiz que ajudou muito foi enfrentar os meus medos. Se eu tinha medo de ir a uma festa porque as pessoas iam ficar me reparando, eu ia. Se eu tinha medo de ir a praia porque eu ia ser a única branca (chegam a tentar falar em inglês comigo achando que sou gringa), eu fecho o olho e vou. Se eu tinha vergonha de usar saia/vestido por causa da minha perna (branca e fina) eu vestia e ia. No começo não é confortável fazer essas coisas, mas a cada vez que você faz o monstro fica menor e é muito bom você poder fazer coisas rotineiras e normais sem ser um tormento. Ou até mesmo poder fazer coisas que antes você não fazia por medo ou vergonha.

No mais, espero boa sorte pra cada pessoa que tiver dismorfia corporal e passar por aqui. Se você acha que não há mais vida, há sim. Tenha fé, acredite, se empenhe em você mesmo, tenha disciplina (como em tudo na vida) que devagar você vai se reerguendo, vai saindo desse poço e vai conseguir seguir em frente. Se você não consegue sozinho, busque ajuda de outra pessoa. Não tenha vergonha disso, feio é não pedir ajuda por orgulho. Deixe o orgulho de lado, o mais importante é a sua felicidade.

Solange

76 ideias sobre “Será que tenho dismorfia?

  1. li seu comentario. tenho a maioria dos sintomas .mas nao me acho horroza,as vezes acho .rs.mas em geral to sempre precisando corrigir algum defeito onde só eu vejo,e em qto nao resolvo me sinto totalmente deprimida. sempre acho que as pessoas falam que não pra tentar me tirar de cabeça de cirurgia.to sempre em médicos de estéticas .não gosto de sair a noite pois acho tdas as mulheres mais bonitas;agora sei que talvez eu preciso de um medico.

  2. Eu meio que me assustei, pois me identifiquei com todos os itens, menos os n° 9, hehe. Mas enfim, é triste o fato de não se aceitar, mas não pretendo procurar ajuda psiquiátrica, pois sei que não vai me ajudar, pois continuarei sendo horrível e não gostando do jeito que sou. Pretendo sim, fazer umas 3 cirurgias ou mais, pois acho que assim poderei me sentir melhor.

    • Oi Paolo. Que bom que vc vai procurar um profissional pra te ajudar. Mas pense bem se a cirurgia é mesmo o melhor caminho a seguir. Nada contra a plástica, como já falei em outro comentário, mas é preciso ver se realmente isso vai te trazer uma melhora ou se é apenas uma ilusão sua. Qualquer coisa estou aqui para conversar.

  3. Eu acho que sou muito magra, mas que tenho barriga, acho que nao tenho peitos, perna nem bunda. muitas pessoas ja me jogaram isso na cara e eu fiquei muito mal, dificil achar shorts ou calças que ficam bons em mim, tudo fica largo. tenho 14 anos e gostaria de saber se era melhor eu entrar em uma academia, por exemplo, para ver se ajuda, ou o que fazer porque mesmo me dizendo que eu nao sou assim eu sofro por causa do que as outras pessoas me falam. fico imaginando o que nao devem falar de mim por ai…

    • Você pode fazer uma boa alimentação, entrar em uma academia ou fazer pilates… o pilates é ótimo e tem resultados mais rápidos além de também ajudar com a postura.

  4. OI…

    Li todos os comentários, e opiniões…
    E em vários casos me senti assim,
    Minhas duas Irmãs são modelos, e com isso sempre vem aquela idiotas comparações de quem é mais Bonita…

    Nossa fico pra morrer quando isso acontece… Não sei o que fazer!

    Me acho muito magra, sem bunda, com uma barriga imensa, muito alta, perna fina , nariz grande ,Olheira funda…
    Em fim comentários ao meu respeito …Só tenho defeitos …

    Uso Corset, já fiz academia … mas não da jeito!

    Comigo não tem Psiquiatra que dê jeito… Só se nascer de novo!
    Mas para isso teria que morrer … e se isso acontecesse deixaria algumas pessoas Infelizes!

    Não sei o que fazer…

  5. Boa tarde! Sou psicóloga e gostei muito da forma clara e direta como você descreveu o transtorno e seus sintomas. Muitas vezes o vocabulário rebuscado impede que algumas pessoas se identifiquem e busquem ajuda.
    Gostei especialmente quando informa que o psiquiatra é um médico que vai poder diagnosticar e medicar o transtorno e quando reforça que não há mal algum em fazer uso de psicotrópicos, desde que sejam devidamente recomendados e acompanhados por um profissional competente!
    Parabéns pelo blog!

  6. Eu traduzi o DSM-IV (www.almadasletras.blogspot.com). Parabéns por ires fundo em busca das soluções. E por enfrentares (como eu mesma já disse aqui, eu vivo muito bem, exatamente por saber que os outros não me veem como eu me vejo. Então, fico mais tranquila.

  7. Querida… sou uma pessoa feliz, de modo geral… Tenho 26 anos, tenho uma família linda e um namorado maravilhoso. Tenho uns problemas, como todo mundo. Mas vejo que me encaixo em pelo menos metade das situações que você descreveu. Eu acho meus seios muito pequenos. Eu piro mesmo de pensar nisso, só não pus silicone porque não tenho dinheiro. Ao mesmo tempo, me revolto muito com os padrões de beleza impostos pela mídia. O fato é que perco tempo demais pensando nos meus seios: como eles são e como, na minha opinião, deveriam ser… O namorado não reclama e acha que não é tão pequeno como eu imagino. Porém, que feio! Li umas conversas do histórico do msn dele, de antes de me conhecer, onde ele disse que o ponto fraco dele eram os seios das mulheres. Senti-me um lixo. Ele disse que não é pra me preocupar com isso, que ele gosta dos meus. Eu simplesmente não consigo acreditar nele. Não que ele seja mentiroso, mas eu não confio em mim mesma, entende? Eu não tenho dinheiro pra consultar com um psicólogo. O que eu faço?

    • Minha flor. Se ele disse que gosta de você do jeitinho que você é, é porque ele te ama assim. Quando a gente gosta de uma pessoa a gente não vê defeitos (coisas de aparência) na pessoa. Começamos a achar nosso amor bonito do jeito que é. E isso inclui os seus seios do tamanho que são. Não se preocupe com isso 🙂 beijo

  8. Primeiramente, gostaria de falar que adorei o seu blog; ele é muito informativo e esclarecedor. Em relação a dismorfia corporal, acho que sou um portador desse transtorno(me identifiquei com 13 dos 15 hábitos apontados). Como apenas tenho 14 anos, não tenho independência e dinheiro para procurar ajuda profissional.

    Meus pais não aceitam a possibilidade de eu possuir qualquer transtorno psicológico, eles falam que sou assim, porque não tenho nada de importante para fazer na vida. Isso me deixa mais triste e sem esperanças.

    Essas atitudes que tenho já estão prejudicando a minha vida social. Deixo de ir a praia, ao shopping, a festas e outros lugares porque me acho horrível e porque acho que as pessoas estão reparando na minha falta de beleza. Evito o máximo possível, olhar para espelhos e objetos que tenham reflexo; porque só consigo achar defeitos na minha aparência. E além disso, penso que nunca vou ter uma vida amorosa, porque sou muito horroroso. O que posso fazer para receber ajuda?(não suporto mais essa dor que estou sentindo).

  9. Oi Solange tudo bem? Bom eu acho que sofro desse problema, pois eu me identifiquei com todos os sintomas que voce descreveu. Não suporto me olhar no espelho e odeio tirar foto, odeio meu corpo, sou muito alto odeio meu cabelo por isso quando eu saio uso capuz que tem no casaco. Odeio meu nariz, meus olhos…. tudo cada milimetro do meu corpo eu odeio, quero fazer varias cirurgias plasticas. Eu pensava que isso era por causa da adolescencia mais nao é, tenho 15 anos e nao tenho amigos, me isolo de todo mundo e fico pensando 24 horas em fazer as cirurgias plasticas, mais é 24 horas mesmooo, é um tormento fico pesquisando absurdos na internet procurando tratamentos e etc… meus pais nem desconfiam q eu sofra disso e nem penso e dizer pra eles, pq eles nao sao pais presentes, nao tao nem aí pra mim. Voce é minha unica esperança, só vc sabe disso e eu espero que vc me ajude de alguma forma. Obrigado.

  10. nossa,me identifiquei muito com a descrição dos sintomas.desde os 13 anos mais ou menos eu me sinto a pessoa mais feia do mundo,hoje tenho 30.não consigo me imaginar tirando foto,a ultima foto que tirei foi a um ano,pq era aniversário da minha filha e eu fui obrigada a tirar foto.o rosto me incomoda muito,acho que tenho muitas pintinhas no rosto mas meu maior problema é o bumbum,odeio e é terrivel me olhar no espelho e aquela coisa imensa esta la.é disso que tenho muita vergonha ao sair na rua,parece que todo mundo ri de mim,minha vida é um inferno!eu tenho muita vontade de usar vestido e muitas vezes ja experimentei em lojas mas simplesmente não posso,não consigo,fica horrivel.vou tentar procurar ajuda mas nem sei por onde começar(ok,um psiquiatra mas o problema é que dependo do sus).

    • Olá Debora. Leve em consideração que muita coisa que você condena em você achando feio, deve ser bonito aos olhos de outras pessoas. É importante sim fazer terapia para tratar esses monstros imaginários dentro de nossa cabeça. Talvez em Hospitais ou em Faculdades de Psicologia você consiga tratamento psicológico de graça ou em melhores condições. O importante é irmos atrás para resolver essas barreiras da nossa vida.

  11. Eu tenho todos os sintomas, mas nao uso maquiagem pq acho que nao adianta nada e fico mais ridicula ainda… Eu só tenho 16 anos e so estou esperando fazer 18 pra poder fazer cirurgia plastica pra ver se melhora. Eu ja vou a psicologa pq sou muito timida e acho que sou assim pq me acho muito feia, nao consigo olhar nos olhos das pessoas pq tenho pena delas de ter que olhar pra mim… Mas nao tenho coragem de falar isso pra ninguem pois isso me faz chorar e eu nao gosto de chorar na frente dos outros :/ e eu tenho certeza que sou feia pq muitas pessoas ja me disseram isso, na verdade fico mais chateada quando falam que sou bonita do que quando falam que sou feia.

    • Olá Deb. Você tem que levar em consideração que muitas pessoas falam que você é feia só para te atingir, e não que elas estão falando a verdade. Então você não pode dizer que tem certeza que é feia porque as pessoas falam isso. Muitas pessoas também já me falaram que eu sou feia. Muitas destas pessoas falaram para me deixar triste, e outras podem até ter realmente me achado feia, mas é uma questão de gosto e não de aparência. Você pode achar uma pessoa feia enquanto outra pessoa vai achar bonita, mas isso não quer dizer que ela é bonita ou feia. E quando falam que você é bonita, aceite o elogio. Eu já falei em outros posts aqui no blog para a gente aceitar os elogios, porque quem os faz está fazendo de coração, não por deboche. 🙂

    • “Na verdade fico mais chateada quando falam que sou bonita do que quando falam que sou feia.” Nossa, vdd. Sinto o msm. Também não suporto essa hipocrisia. Até falei disso no meu comentário.

  12. Nossa… tenho todos os sintomas, espelho para mim é um vício, olho muito desde quando acordo até a hora de dormir, tentando analisar o rosto, tentando não achar tão grave como eu penso… O mais triste é querer, precisar fazer as plásticas mais que tudo na vida e não ter dinheiro pra fazer. Aí você tem que falar “Esse sonho fica pro futuro”. Nossa, isso machuca muito, por que acho que a plástica melhoraria uns 60% do meu comportamento, mas nessas horas não ter dinheiro é horrível! Ainda não arranjei um emprego, aí fica difícil… Mas eu chego lá! Ter essa neura é uma praga!!

  13. Por um momento achei que estivesse falando de mim.. Senti até um alívio de saber que não sou a única no mundo..Tenho 2 cirurgias e já estava programando a terceira.. acho melhor eu procurar um Psiquiatra em vez de cirurgião..rs

    Beijo
    Maravilhoso seu blog.

  14. Li, e acabei de descobrir que tenho essa doença tipo eu nunca me achei bonita nunca mesmo já tentei buscar ajuda médica mas tenho vergonha de falar como me sinto para e agora o que eu faço ?

  15. Boa tarde Solange! Eu não sei se tenho disformia corporal ou sou realmente feia. Pensa eu ir ao médico e dizer q tenho disformia e na cabeça dele ele pensa: “não fia. Vc realmente é muito feia!” Ele vai me dizer? E se eu for realmente muito feia ( como me vejo) e simplesmente tenho consciência disso. E por ter consciência da minha feiura eu sofro. Pq ser feio dói! Eu sempre tive um trauma muito grande com a minha testa! Já procurei médicos e estou disposta a fazer! É um pouco agressiva a cirurgia mas não suporto viver mais! Ultimamente venho reparando muito no meu nariz!! Nas fotos fica monstro… Como é uma cirurgia mais comum e barata falei para o meu marido q gostaria de fazer…aí ele me perguntou pq eu não fazia da testa!!! Chorei umas 2 horas e quando parava e lembrava chorava de novo! Tenho muito medo de fazer a de testa ( eles descolam o coro cabeludo lixam a testa e a chegam uns 2 cm para frente!) mas não tem outra solução! Como vou viver com isto na minha cabeça! E o pior q 2 cm não me ajuda muito… Depois para dar um melhor acabamento ainda vou ter q fazer implante. Meu marido diz q sou muito vaidosa! E eu explico q não me arrumo para ficar mais bonita e sim para ficar menos feia! Para não ser motivo de chacota! Ele nos entende…aí eu pergunto como vou saber se tenho está doença ou simplesmente dou fria w tenho consciência disso???

      • Acho que sou assim como a Kamila. Ri enquanto lia o comentário dela, porque é assim que me sinto. Sou muito feia mesmo ou tenho dismorfofobia? Odeio espelhos, uso boné quase a vida toda, mas se olho num espelho cuja luz seja pouca e suave, me acho bonita. Mas aí eu penso: sou bonita ou feia? É que a desproporção ente a feia e a bonita é tao grande que não sei quem sou. Fotos? Nem pensar. Selfie? Jamais, eu vejo um monstro na tela. Fico deprimida o dia inteiro . Sempre falo que se eu fosse linda qualquer outro problema seria pouco. Se eu fosse linda seria feliz. É isto. Em tempo: não sou uma pessoa superficial, muito menos fútil. Agora, para piorar, estou ficando velha e cada sinal me atormenta desesperadamente.

  16. Olá, não sabia que isso tinha nome rs
    Minha vida toda é baseada na minha beleza, fui beijar alguem a primeira vez com 18 anos.
    Tudo o que faço é baseado na minha aparencia, não consigo nem dirigir um carro por me achar feia.
    Me sinto intimidada em brigas, em discussões, achando que a outra pessoa deve estar tendo dó de mim sei lá..
    Já perdi várias oportunidades na vida por causa disso.
    Não consigo nem expressar meus reais sentimentos, com medo.
    Não consigo me abrir com alguem.
    Faz 2 anos que estou “trancada” dentro de casa, não consigo fazer amizades…
    Minha família sempre viu as minhas “noias”, mas nunca disseram que eu deveria procurar me tratar ou algo assim.
    Então nunca achei que era grave.
    Eles só me diziam para eu parar de ser assim, que era linda e bla bla bla. Mas isso não ajuda né.. rsrs
    Sinceramente, não sei que rumo seguir.
    Estou desempregada, sem estudar, 20 anos, sem amigos, trancada dentro de um apê.
    Só um desabafo.
    Obrigada

  17. passei minha vida tentando descobrir porque minha mae me abandonou,no meu subconsiente pensava que era pelo fato de ser tao feia pois meus irmaos sao bonito,ate hoje ela e meu pai me rejeitam,ja quis morrer,mas acabei me enfiando num buraco,mas estou tentando sair,obrigado pelo esclarecimento.

  18. Me identifiquei com TODOS os sintomas.
    Só o primeiro é que eu evito espelhos, mas na rua, não posso ver um reflexo que já dou uma conferida, pra ter certeza que não estou aparentando ser monstro…
    Nunca fui a um psiquiatra pra falar sobre isso (sobre a depressão sim), tenho medo de começar a falar no assunto e começar a chorar na frente de estranhos…

  19. Eu sei que Tenho disformia ha muito tempo. O que me deixa feliz é me sentir bonita. Algumas vezes eu consigo. Adoro tratamentos estéticos e já fiz algumas plásticas. Só tenho medo de me arrepender das plásticas. Mas tem coisas que acho que sou vou melhorar no meu rosto com plásticas. Muitas pessoas dizem que sou linda e tal sem eu perguntar nada. Mas eu não me conformo porque vejo meninas mais bonitas do que eu é quero ter a pele como a delas,, etc e etc. Não aceito ficar velha. Vou sempre recorrer à algum tratamento. Conheço quase tudo nesse ramo. Só consegui melhorar muito minha auto estima quando procurei fazer coisas que me faziam feliz como por exemplo, conhecer pessoas novas, me divertir, fazer amizades. Às vezes pioramos nossa doença porque nossa vida está parada e então ficamos com a mente vazia alimentando esses pensamentos sobre beleza.

  20. Meu nome é Láiza, tenho 15 anos. As vezes eu me arrumo pra sair e vou me olhar no espelho, fico um tempão, até que desisto de sair e começo a chorar, meu namorado diz que só posso ser doente. Recebo elogios e não consigo acreditar, e vejo todos mais bonitos do que eu. Eu falto pirar com isso…

  21. Bom, meu nome é gabriel, tenho 17 anos, achei muito criativo esse site.Mas, não é sempre que me acho feio, é so as vezes, e eu tenho certeza que tenho defeitos, tipo, sou vesgo, tenho lesao no nariz, e minha arcada dentaria superior esta no sentido vertical, ou seja, minha maxila cresceu demais, mais fora isso, eu me sinto bem, e eu não falo muito com as pessoas porque sou muito tímido, se eu resolvesse esses problemas ficaria mais feliz com certeza!!!!! Rsrsrsrs!!!!

  22. Eu gosto do meu corpo e da minha altura, nao sou tão feio assim, sou bonitinho, mas me sinto feio só as vezes, quando meus colegas falam que pega mais garotas do que eu, e eu tenho mania de me comparar com meus colegas, mas eles tem defeitos também, e somos dois Laiza Teixeita, eu me arrumo pra sair, me olho no espelho a uma decada, eu me acho estranho, que a roupa esta amarrotada ou pequena, so não chorou se não fico mais triste e mais colegas vão falar que sou gay, fora isso estou bem!!! Eu espero que todos e todas as pessoas que comentaram ou nao nesse site, consigam resolver esse problema!!!!# TODOSVAOVENCERESSEPROBLEMA!!!

  23. A dismorfobia corporal não é nada mais nada menos que uma classificação criada pela psicologia para aquelas pessoas que não se conformam com o fato de serem feias. Apenas isso. Já vi documentários a respeito e é sempre assim. Todas as pessoas portadoras desses sintomas eram feias. Não vi uma bonita. Porque quem é bonito já sabe que é. As pessoas falam e ela fica sabendo. Ponto. O que mais me dá raiva, o que mais me dá nojo msm é a mentira e hipocrisia das pessoas, a desgraçada cordialidade: “o que importa é o interior”, “mas vc é bonita”. Tudo mentira. Quando vc já sofreu bullying por ser feia, quando vc percebe que não é desejada, quando vc vê no espelho que é horrível, não adianta as pessoas virem te dizer o contrário. A questão é que as pessoas se incomodam quando nós nos incomodamos com a nossa feiura. E por quê? Porque problema dos outros incomoda, porque não há solução. É assim e ponto. E isso as angustia. Resultado: criaram uma area na psicologia para tentar fazer essas pessoas se conformarem com a feiura delas e pararem de reclamar. É só isso. E apenas isso. Nada mais.

    • “A dismorfobia corporal não é nada mais nada menos que uma classificação criada pela psicologia para aquelas pessoas que não se conformam com o fato de serem feias.” Nada a ver seu comentário. Eu sou bonita e sofri muito com a dismorfia corporal. Fiz coisas bizarras pra tentar ser menos feia e tive depressão de ser afastada do serviço. Hoje me considero uma pessoa bonita. E beleza é muito subjetivo, muda de pessoa pra pessoa. O que é bonito pra um não é bonito pra outro. O importante é a pessoa saber que é normal e que tem sua beleza ímpar, única dela. O importante é aprender que não é uma aberração, que não há nada de errado com ela. Já falei com muitas pessoas com dismorfia que me procuraram pra conversar por causa do meu blog e vou te dizer que todas eram pessoas normais como qualquer outra. Eu que sou mulher, até me interessaria pelos homens que conversei caso eu estivesse em uma festa, por exemplo. Sobre o seu comentário “não adianta as pessoas virem te dizer o contrário” é verdade. Não adianta as pessoas te dizerem ao contrário quando você acredita que é feia. Mas é preciso ter sabedoria pra saber que isso é um transtorno da mente, da mesma forma que existe a anorexia e a pessoa não é gorda. Mas no caso a pessoa se acha muito feia e não é isso. Eu fiz terapia, li muito sobre o assunto e me disciplinei pra mudar minha forma de pensar que era errada e começar a pensar da forma correta e hoje tenho uma vida normal e não sofro por conta da minha aparência. “criaram uma area na psicologia para tentar fazer essas pessoas se conformarem com a feiura delas” eu não estou conformada, eu estou ciente de como eu sou e do meu valor e da minha beleza. Leia mais sobre a dismorfia e sobre o meu blog que você vai entender que as coisas não são da forma como você escreveu no seu comentário.

  24. Pelo que eu li tenho só seis dos sintomas: 1,3,5,10,11 e 12. E no item 6 eu me identifico mais ou menos, eu choro algumas vezes, mas geralmente sinto muito ódio de mim! Então acredito que não é o sintoma!
    Ps: muito boa a matéria, nunca tinha ouvido falar dessa doença. Muito bom mesmo!

  25. Me identifiquei com a maioria, vejo pequenos defeitos em mim. Esses tempos atrás fui na dermatologista remover uma pinta pq eu a achav feia. Agora cismei com meu rosto, acho ele oleoso, cheio de espinhas e horrível. Me olho no espelho e odeio o que vejo. Se eu to num lugar, e chega alguma pessoa mais bonita ou bem arrumada, já me sinto a pior pessoa, a mais horrorosa. Não gosto mto de me olhar no espelho. Tenho um namorado, namoro a 4 anos, e de uns tempos pra cá, ate no sexo tenho ficado insegura com meu corpo (meu namorado vive me elogiando, falando que sou linda, gostosa) mas eu nao acredito, eu não aguento mais isso. Parece que cada vez ta pior. Eu achava q era TPM, mas de uns meses pra cá isso tem piorado. Já pensei em até me matar p isso passar. E a mídia cada vez pior, impondo padrões alto de beleza. Eu sempre vejo qualidade noa outros e defeito em mim. Em mim só vejo defeito. Vou procurar ajuda médica pra ver se isso melhora e me alivia…

  26. Oi.
    Acabei de chegar de um shopping e, como acontece sempre que saio, estou arrasado por não me enquadrar pelo menos nos mais básicos padrões estéticos aceitos pela sociedade, e isso está, literalmente, me matando. Estou cada vez mais desanimado com minha vida, estou realmente perdendo a vontade de viver… Estou cansado de tentar enfrentar tudo pra tentar estar satisfeito comigo mesmo, mas sempre em vão, e isso desde quando eu tinha cerca de 14 anos de idade, na época de início da adolescência, quando comecei a carregar esse peso enorme sobre minhas costas, peso esse que tá ficando cada vez mais pesado e insuportável. Claro que, por mais que se esforce, não dá pra mudar a porcaria do meu biotipo, é genético; nasci amaldiçoadamente assim, sei que todo esforço que eu puder fazer pra me tornar alguém que eu gostaria de ser é totalmente inútil, e tô realmente cansado disso, muito. Sempre me anchei um fracassado em todos os sentidos, estou carregando um enorme peso por ser assim desde essa época, e não consigo mais suportar. Hoje tenho 38 anos, meros 1,67m, sou muito branco, com marcas de acnes no rosto, cabelo desajeitado, etc… Nunca consegui terminar uma faculdade, nunca permaneci muito tempo em um emprego… Tudo por não me aceitar como sou, por cada dia ser um sofrimento, por não me suportar….É uma angústia que tira toda minha vontade de viver. É você passar em frente a um dos inúmeros espelhos de um shopping, por exemplo, e ver que você é um cara feio,encarar que todos os homens, e quase todas as mulheres, são mais altos que você, mais atraentes, etc. Você vai andando e dando de cara com diversos casais esbanjando autoestima, felicidade etc enquanto trocam caricias, admirando-se mutuamente, e você ali passando invisível entre eles, carregando invisivelmente o enorme peso do fracasso, por ter uma constituição genética fudida, de saber que nasceu pra ser um rejeitado na bosta da seleção natural… É ver seus primos e amigos namorando, tendo encontros com moças lindas, ficando contentes dentro das roupas que experimentam no provador de uma loja etc enquanto você evita de comprar roupas só pra não da de cara com o espelho na hora de experimentar, e ver que geralmente todas as roupas que escolheu pra provar ficaram ridículas em você, e você ali com uma frustração e uma lamentação tão grande de ser do jeito que é que se, sinceramente, se tivesse uma arma ali, na hora, pra matar a dor atirando na bosta da sua cabeça feia, você não pensaria duas vezes. Eu tento enfrentar, eu saio, vou pras vários locais, justamente com ideia de enfrentamento pra me mostrar que estou exagerando (isso há cerca de 24 anos), mas sempre que saio do meu quarto se incia uma sessão de tortura insuportável, nunca importou o intuito da programação, e sim desesperadamente encontrar algo que amenize essa dor emocional, algo que me mostre que estou exagerando, que o mundo não é como imagino, que tô projetando coisas irreais devido a um problema psicológico, etc Algo que me dê a sensação de ser alguém, de ser contado entre as pessoas, de me achar vivo, fazendo parte do mundo, mas toda vez chego com minha autoestima em frangalhos e tudo que eu quero é tirar a porcaria da roupa, deitar e lamentar por ter nascido e de não ter coragem de acabar com isso de uma vez… Estou o tempo todo me autorepulsando, numa inconformação eterna presa a uma dor emocional lancinante… Não me suporto mais dentro de mim. Por causa disso, hoje eu não tenho nada, eu não sou nada e odeio tudo. Faz 24 anos que deixei de viver. Aí você pode perguntar: “deixou de viver só por causa disso?”, sim, por causa disso, que, por sua vez, interfere e interferiu em muitas outras coisas mais, emocionalmente, emotivamente, fisicamente… E se pergunta é porque não tem noção do que isso causa, do esforço hercúleo que você faz a cada segundo da sua vida pra suportar isso sobre suas costas.

    • Li seu relato e queria te dizer que tenho 1.79 e também não gosto. Eu gostaria de ser menor. Aqui na minha cidade (Florianópolis SC) apesar de ser uma cidade de pessoas mais altas que o restante do país, eu sempre sou a mulher mais alta do local. Sou a mais alta até que os homens. Se vou na lotérica e tem 20 pessoas na fila entre homens e mulheres, eu sou a mais alta entre todos. Se eu vou em uma festa, eu sou a mais alta de todos. Pouquíssimas vezes tem algum homem da minha altura ou maior. Eles existem sim, mas geralmente não estão no mesmo lugar que eu. Isso me incomoda muito e já procurei várias vezes na internet se existia ma cirurgia para cortar os ossos da perna para que eu pudesse ser menor. E existe cirurgia para isso? Não existe. Então eu vou ter essa altura para o resto da vida. Eu vou deixar de ser feliz por causa da minha altura ou por causa de outras características que eu não gosto? Eu me considero com muita olheira, muito branca (que nem você se acha), com papada, etc. Eu não sou só isso. Eu sou muito mais do que a altura que eu não gosto. Eu sou muito mais do que minha olheira, minha papada, minha brancura e tudo que me incomoda. E se essas características individuais eu não gosto, no meu conjunto eu acho que está tudo harmônico.

      Eu não sou só aparência e não me interessa pessoas que me vêem somente assim. Eu sou amizade, sou carinho, sou amor, sou alegria, sou bons momentos junto e não vou me privar por conta das características que não gosto. Todo mundo na vida tem alguma coisa que não gosta, até os considerados “bonitos” tem algo que, se pudessem, gostariam que fosse diferente. Só que eles não se privam da vida por causa disso. A vida é feita de bons momentos com quem gostamos, é sair comer alguma coisa que gosta, tomar um suco na beira da praia, é ver o por do sol, é jogar conversa fora com um amigo, é rir num final de semana sem pensar no trabalho de segunda-feira. A vida não é o meu rosto, o meu nariz, o meu olho, minha altura ou o meu peso. Eu não posso me privar da vida por conta de coisas que eu não vou conseguir mudar. Isso não é se conformar com o que não se gosta. É aceitar e viver em paz sabendo que isso não é um problema na vida. É como aquele ditado “O que não tem solução, solucionado está”. Se não tem solução, então vou me preocupar com o que realmente importa e parar de gastar minha energia e meu tempo com o que eu não posso mudar e no final das contas não tem importância. Porque características da nossa aparência não tem importância absoluta na nossa vida. O que tem importância é o nosso bem estar e nos amarmos. Isso que é fundamental.

      “A imagem física tem muitos aspectos. É visual – o que você vê quando olha para você mesmo. É mental – como você pensa sobre sua aparência. É emocional – como você se sente sobre seu peso ou altura. É cinestésica – como você sente e controla as partes de seu corpo. É também histórica – moldada por toda uma vida de experiências, que incluem prazer e dor, elogio e crítica. Acima de tudo, a imagem física é uma questão social. Pode residir em sua mente, mas esta fundamentada nas experiências cotidianas que a cercam. O modo como você se sente depende de como se considera avaliado pelos outros. Sua imagem física pode ser abalada pelo julgamento de uma pessoa amada ou pelo assobio de um estranho.”

      Esse é um texto de um livro. Cada pessoa é um conjunto de características. Somos nossas características físicas, mas também somos nossas características de personalidade, o nosso caráter, os nossos gostos e todas as nossas particularidades que é o nosso jeito e que isso é o que realmente simboliza o que nós somos. Nós não gostamos de alguém só por causa da aparência dela. Nós gostamos desta pessoa pelo relacionamento que temos com ela (estou me referindo à amizade). Quando conhecemos alguém e gostamos dela, é porque gostamos da companhia, de como nos trata, de como se refere a nós, dos momentos que passamos junto com essa pessoa, da confiança e reciprocidade que existe e eu poderia listar tantas outras qualidades de um relacionamento de amizade.

      Eu não quero chegar aos meus 80 anos, olhar para trás e ver que eu não aproveitei a minha vida porque fiquei lamentando minha altura e minha aparência. Eu quero olhar e ver que vivi da melhor forma possível. Eu tive transtorno dismórfico corporal e perdi uma parte da minha vida, fiquei sem sair, tive depressão, como qualquer pessoa com transtorno dismórfico corporal tem um prejuízo de convívio social (que é um dos critérios para o diagnóstico). Porém, é preciso tratar para sair disso e ter uma vida normal. Viver com o peso que o transtorno nos trás é horrível. Toda vez sair de casa é uma tortura, uma preocupação que as pessoas irão reparar na nossa feiura e que isso vai ser assunto na mesa de jantar de casa pessoa que nos viu. Só que não somos obrigados a viver isso o resto da vida. Podemos nos posicionar diante disso e dizer “eu não quero isso pra minha vida” e então se empenhar em sair disso, através de terapia, leitura e dedicação.

      Se auto julgar dizendo “sei que todo esforço que eu puder fazer pra me tornar alguém que eu gostaria de ser é totalmente inútil” tira qualquer possibilidade de resolver o que se está passando. Se você se condena dessa forma realmente não se tem mais nada a se fazer. Agora se, ao contrário, falar “Sei que qualquer esforço que eu fizer vai ser válido e vai me ajudar a sair disso e vai fazer eu me amar como eu sou”, metade do caminho já está andado.

      Agora, se auto condenando você já tomou a sua decisão e sua vida vai ser sempre assim porque você está convicto disso. Então vai viver dessa forma e só vai se auto afirmar cada vez mais. A cura começa antes mesmo do tratamento. Quando a pessoa percebe que algo precisa ser mudado, já é parte do processo. E identificar as coisas que precisam ser mudadas é o primeiro passo pra tudo mudar e dar certo. Mudar dói, mas nada é mais doloroso permanecer preso a um lugar que não te faz feliz.

      Tem uma pergunta simples que nos posiciona em frente as situações da nossa vida. A pergunta é: Eu quero ou não quero isso pra minha vida? Se não quero, então me posiciono diante da situação e trabalho para mudá-la.

      Já pensou se toda pessoa com algo que não gostasse se auto condenasse a uma vida infeliz? Os anãos, os deficientes físicos, entrando aqui os que mancam, os que não andam, os cegos, os que não tem um braço, as pessoas com diabetes que vão ter que tomar remédio o resto da vida, as pessoas com câncer que apesar do problema não desistem diante da vida, etc etc etc, são tantos exemplos. A auto piedade não é uma dádiva e nos coloca em situação de vítima. E em situação de vítima tiramos a nossa responsabilidade de fazer algo para mudar isso porque eu não sou mais o responsável pela situação.

      Se empregos, relacionamentos e a própria vida foi comprometida por conta do transtorno dismórfico corporal, chegou a hora de mudar essa situação e batalhar para fazer uma realidade nova. Onde eu posso sair de casa sem me preocupar com quem está me vendo porque estou em sentindo bem comigo mesmo, onde eu sei que quando se interessam por mim é porque realmente se interessaram por mim e não por falta de opção, que quando me elogiam é porque realmente querem me fazer um elogio sobre o que estão falando e não por pena.

      Quando leio seu relato eu sei a dor que você passa porque eu passei também por isso. Você deve ter visto no meu blog como eu me via. Eu editei uma foto minha do jeito que eu me via para a minha psicóloga ver como eu me enxergava, eu me via deformada. Eu fiz uma espécie de diário para a terapia que eu fazia na época, onde eu incluía as coisas que achava importante registrar. A primeira página do meu diário é a imagem de uma boneca e de um mundo e um texto que diz “Oi, meu nome é Solange e eu tenho 26 anos. Eu moro em dois lugares: em mim e no mundo. Porém, eu não gosto de morar em nenhum dois dois”. Toda vez que eu leio eu choro. Toda vez. Já se passaram quase 10 anos, mas eu lembro do que eu passei. Eu tomava banho no escuro, passei pomada a base de ácido no rosto na tentativa de tirar as manchas que eu via no meu rosto e ficava escutando meu chefe tirando sarro do meu rosto vermelho. Eu lixei meus dentes com lixa de unha porque nenhum dentista queria arrancar meus dentes “tortos” para por um implante pra eles ficarem retos. Não ache que eu banalizo o seu sofrimento. Eu só quero que você entenda que isso que você está vivendo não é normal. Não há porque se conformar com isso porque a verdadeira realidade é outra. Mas só com tratamento você vai conseguir ver isso.

      O exercício de tentar confrontar e sair, para que se veja que está exagerando e o mundo não é como se vê e que está projetando coisas irreais devido a um problema psicológico não funciona. Não funciona e piora a situação. Vou explicar o porquê. Porque se cria uma expectativa em cima de uma situação, sendo que não há como ver a situação diferente sem tratamento. É como uma pessoa diabética querer medir a glicose do sangue para comprovar que a glicose está controlada mas sem tomar remédio. Não vai estar. Não vai estar porque a pessoa não fez nada para mudar a situação que se encontrava. O ano não vai ser novo se você for o mesmo. Não tem como continuar tendo as mesmas atitudes e esperar resultados diferentes. Não tem como esperar uma realidade diferente se você continua se odiando, se você continua se auto depreciando, continua considerando que você não é digno de ter uma namorada, de alguém tem admirar. Não tem como alguém amar você se nem você se ama. É preciso tratar para isso mudar.

      Se faz 24 anos que você deixou de viver, então chegou a hora de nascer de novo. Eu tenho uma tatuagem da data que eu me mudei pro Rio de Janeiro no meio do meu tratamento de dismorfia corporal porque essa data representa pra mim o meu novo nascimento em relação a minha auto imagem e a minha auto estima. E que bom que podemos renascer quantas vezes for preciso sem precisar morrer de verdade. Que bom que podemos recomeçar a qualquer hora. Basta a gente decidir isso.

      É preciso se empenhar para as coisas certas. As coisas certas são: terapia, psiquiatra, leitura e dedicação para si mesmo. Sem uma dessas faltar não funciona, uma coisa está interligada a outra e tudo precisa acontecer junto ppara funcionar. O único que talvez não seja necessário é o psiquiatra mas depende de cada caso e no seu caso acho indispensável.

      Como tudo na vida pra dar certo a gente precisa de dedicação. Se queremos ter graduação de algum curso precisamos enfrentar 4 anos de aula (alguns 2 anos, mas que seja). Não é possível fazer 1 mês de aula e já querer se formar. É preciso frequentar as aulas, estudar, aprender e então no final do período necessário vai estar formado e com conhecimento. Se quiser aprender a tocar piano, não da para assistir uma aula no youtube ou fazer uma aula presencial e achar que já vai sair tocando. É preciso dedicação, estudar, treinar, fazer isso por um tempo e então vai estar pronto para tocar piano até de olhos fechados. O tratamento do transtorno dismórfico corporal é a mesma coisa. Levar a terapia a sério, levar a medicação a sério, levar a leitura a sério e ter disciplina como tudo na vida para dar certo. Tem que ter o comprometimento mas o resultado vem.

      1 – Ir a um Psiquiatra que saiba sobre o transtorno para tomar uma medicação que diminua seu sofrimento e que te ajude a voltar ao convívio social. Só o tratamento com remédio não adianta. É preciso as outras etapas do tratamento também, mas o remédio ajuda como uma boia para quem está se afogando. A boia não vai ensinar a nadar mas vai ajudar a pessoa a não morrer afogado.

      2 – Terapia. Fazer terapia pra tratar o transtorno. Começar a se descobrir, descobris sua beleza, quais as suas qualidades etc. O tipo de terapia que eu gosto muito é a Terapia Cognitivo Comportamental, que é a terapia que minha psicóloga usa e no meu ver dá grande resultado em pouco tempo porque usa perguntas que te faz refletir e também trabalha com tarefas. Se quiser, dê uma lida na internet sobre esse tipo de terapia.

      3 – Ler. No meu blog, no menu, tem “Livros” com ótimas indicações de livros sobre auto imagem e ditadura da beleza. A leitura ajuda a abrir a mente, ver novos horizontes, conseguir refletir e entender muitas coisas que se pensa errado. Dá para comprar em sebo eles mais barato, mas até novos eles não são caros. No site http://www.estantevirtual.com.br você consegue ver sebos de todo o Brasil e as vezes encontra pra comprar na sua cidade.

      Os 3 livros que eu considero os mais importante sobre auto imagem, auto estima e ditadura da beleza:

      – A beleza está nos olhos de quem vê – Camila Cury
      – Imperfeitos, livres & felizes – Christophe André
      – Meu corpo, meu espelho – Rita Freedman

      Mas você pode ler o que achar mais interessante, existe uma quantidade enorme de livros sobre esses temas.

      Não se pode ter pressa para terminar o tratamento. Isso é como um curso sobre nós mesmo. É um curso onde vamos nos conhecer. Onde teremos uma aula por semana (com o psicólogo) e depois estudaremos em casa (com leitura) e exercícios (colocando em prática o que estamos aprendendo). Não da para ter pressa. Começar hoje e daqui dois meses dizer “não ta adiantando de nada”. O processo é lento mesmo. Eu demorei 3 anos pra dizer que tudo estava sob controle e que eu tinha saído disso mas cada pessoa tem seu ritmo. Pode ser mais, pode ser menos, o importante é que o resultado venha, independente do tempo. Tem que ter paciência. A pressa, a expectativa, a ansiedade, nada disso ajuda. Bem pelo contrário só faz a gente desistir. E desistir não resolve nossos problemas.

      Eu quero te dizer que o que eu puder te ajudar você pode contar comigo. Os outros poderão andar ao seu lado, mas ninguém poderá andar por você. Torço para o seu sucesso e precisando é só entrar em contato.

      Solange

    • Eu li o que voce escreveu e me identifico muito!

      Li tambem a resposta da Solange para voce que e embasada e faz todo sentido.

      Entendo que este disturbio influencia toda uma vida e que principalmente esta relacionado com os outros, com o que os outros pensam de nos. Entao, fodam se os outros, eles nao sao importantes. Quando nao damos importancia aos outros que na verdade nao importam e voltamos para nos mesmos, para nos cuidarmos, nos aceitarmos e decicarmos a vida, uma vida inteira a nos mesmos, o olhar muda. Sei que frente isso ha a solidao, e que a solidao pesa. Mas quem poderiamos amar mais do que a nos mesmos. Sempre quis morrer. Um dia uma pessoa me disse “eu mataria todos, mas nao tiraria uma unha minha” entao, depois de ouvir isso, tudo mudou para mim.

      Eu sou gorda e estou velha, com rugas e cabelos brancos, fracos, fino e ralo. Meu corpo e disforme e nao atrativo. Tenho milhares de celulites e estrias. Tenho uma cicatriz enorme nas costas devido a um acidente de carro onde a minha coluna lombar L4 explodiu. Minhas pernas sao tortas, ando feio e mal. Minha pele e flacida. A minha barriga e enorme e meus seios sao caidos. Minhas costas e simplismente horroroza. Minha postura e horrivel como a de uma perdedora. Os meus bracos sao gordos. Minha oele do rosto e furada, horrivel e nao tenho dinheiro para cuidar. Sinto dores todos os dias. Malho quase todos os dias e nao adianta nada. Nao consigo arrumar um emprego bom e nao consigo ganhar dinheiro. Meus dentes sao tortos e amarelos. Sou fumante. Nao consigo fazer regime e ter disciplina nenhuma pela for de viver, porque sou fraca – uma fracassada. Sou invisivel ao olhar da maioria dos homens. Quando um homem se interessa por mim, eu duvido e fico pensanso qual e o real interesse dele: dinheiro, diga se de passagem que nao tenho mas acho que aparento rica sendo pobre, o que e o pior. Arrumei um marido estrangeiro pela internet. Ia nas ferias, uma vez por ano, encontra lo. Ele acabava comigo diariamente, me dizendo todos os defeitos do meu corpo, que eu nao sou atrativa e que ele casou comigo por companhia. Esta e a verdade. E frente a isto, digo foda se. Mesmo assim estou viva! Foda se todos. E eu vou fazer o que eu gosto, comer o que eu gosto e simplismente ser, unica, pois nao ha neste mundo ninguem igual a mim. Ninguem tem a minha historia.

      Sei que nao vou ter um relacionamento amoroso nesta vida. Foda se! Eu me basto.

      Claro que tem altos e baixos e que um dia estou melhor e no outro devastada. Mas sacudo a poeira mesmo odiando o meu corpo e o escondendo. Afinal, ainda posso fazer coisas que me dao prazer e isto que importa.

  27. Olá,parte dos sintomas eu tenho principalmente o de ficar se avaliando no espelho. O meu complexo é com o tamanho da minha testa. Parece bobagem mas me incomoda bastante sabe. Driblo meu namorado de todas as formas para não sairmos de casa. Tenho a impressão que todos me olham com reprovação. Me sinto muito mal com isso.

  28. eu tenho uma merda de um buraquinho de cicatriz de espinha no meio do meu nariz que me deixa todo feio é impossível essa merda sair ja tentei usar dermatologia remédios de cicatriz nada funciona…. eu trabalho em garagem de venda de carros toda hr reparo nessa merda

  29. Tenho 22 anos e tenho certeza que tenho dismorfia corporal.
    Vivo me olhando nos espelhos aqui de casa,qualquer defeito já é um inferno pra mim.
    Tenho uma certa obsessão em não envelhecer e isso ta me fazendo mal,vivo me comparando com as pessoas da minha idade e sofrendo com isso,as vezes dizem que pareço ter mais idade e fico pensando em como resolver esses problemas.
    Que especialista eu devo procurar?

  30. Me identifiquei com a maioria dos itens acima, tenho 31 anos, não frequento praias e clubes por não me achar bonita de traje de banho, odeio quando meu marido olha para mim pois acho que esta vendo os defeitos, nunca aceitei bem elogios pois na minha infância nunca os recebi, somente criticas, e para piorar tem mais fatores que me deixam envergonhada de falar, sera que isso já seria um caminho para essa doença?

  31. Eu devo ter isso. Me identifiquei com todos os itens. Me sinto horroroso, meus olhos são horríveis e eu nao consigo olhar no olho de ninguém por 2 segundos. Fotografia me deprime, enfim. Lamento ser assim, fui eem cirurgiões e todos dizem q nao tem o que fazer. Cresci, juntei dinheiro e nao ha o que possa fazer… Lamento minha vida, lamento ser assim.

    • Por favor, use seu email verdadeiro para comentar no blog. Ninguém mais vê seu email além de mim. Gostaria de entrar em contato com você e não consigo pois não colocou o email correto.

  32. Olá, li e me indentifiquei com quase todos menos o 6 porque não tenho tanto dinheiro assim e o 10 porque odeio espelho ou coisas que refletem minha imagem. Então, namorei só 1 vêz qnd tinha meus 17, 18 anos depois não, tenho 24 anos quando ando pela rua não olho diretamente nas pessoas ou quando passo perto eu finjo coçar o nariz ou algo do tipo para por a mão no meu rosto. Também sinto que quando passo as pessoas falam de mim e riem sabe. Já até comentei com minha mãe, mas fala que é coisa da minha cabeça, falo pra ela e não concorda com que eu falo. Sei lá não sei mais o que fazer, nem pra se matar eu tenho coragem, todos riem de mim, e eu sei que é vdd

    • Oá Lih. Ele precisa passar por uma consulta com um psiquiatra que é o médico especialista que vai ver qual é o melhor remédio para ele tomar. Eu tomei Citalopram 40 mg mas cada caso é um caso e tem outras pessoas que tomam outros tipos de remédios para depressão para o mesmo problema (dismorfia corporal). Então não é uma conta matemática que 2+2 = 4. Estamos lidando com pessoas, com vidas e com sentimentos, cada caso é um caso. Te passei por email meu contato caso precise de mais informações.

  33. Oi Solange. Muito obrigada por dividir, ajudando tantas pessoas como eu, por exemplo.

    Espero que voce se cure 100%. Na verdade, acho que voce deve ser uma pessoa linda.

    Me identifico com tudo o que voce escreveu. No meu caso, homens ate me olham e alguns poucos se interessam por mim, mas ai vem o meu problema logo apos o inicio do relacionamento. E claro que quanto mais envelheco, mais invisivel eu fico. Tenho vergonha do meu corpo e tento esconde lo ate o limite… os meus ex pu homend devem sentir isso o que diminui o libido deles… tenho tentado mudar isto e me mudar mas e muito dificil, quase impossivel, me acho feia e tenho vergonha de mim mesma, foco nos defeitos e fico triste e deprimida. Inveto desculpas para nao sair com eles, Carnal entao e uma for de cabeca, bpate nossa e um terror e filme porno e o fim do mundo para mim. Sinto que todas as mulheres sao melhores e mais bonitas do que eu e ai vem os ciumes. Morro de ciumes e brigo muito e por detalhes ate eu mesma nao aguentar mais tanta pressao terminar o relacionamento. Por fim, penso… prefiro ficar sozinha do que ficar sofrendo de ciumes e baixa estima. Na verdade, sofro de qualquer maneira so ou quando estou com alguem, mas sofrer so me parece mais confortavel. Desta maneira, nao consegui constituir familia na vida e ja tenho 40 anos. Ja era. Perdi todas as oportunidade que surgiram. Fico triste demais com isso.

    No passado fui ao psiquiatra e ja tomei remedios e nao adiantou nada. Estes pensamentos me perseguem por uma vida toda. Exercito meu corpo quase todos os dias, tento fazer regime mas nao consigo pois a genetica e mais forte do que eu. Hoje nao tenho dinheiro para fazer terapia mas tenho plano de saude e depois de ler tudo isso aqui acho que vou marcar uma consulta. Confesso que um pouco desanimda porque vou ter que arrimar dinheiro para comprar remedios e sei que vai so maquiar por um tempo por que tudo isso so piora, a minha mente e coracao so puoram ao passar do tempo, a cada ruga que aparece, a cada vez que me vejo no espelho.

    Acho que tenho mesmo e que me conformar, esquecer o desejo de ter um amor na vida e seguir so ate o meu ulto suspiro. Ja fiz isso por um tempo e foi parcialmente bom. Ate o marido estrangeiro que arrumei acabar comigo, falando dos meus defeitos diaraiamente e detalhadamente. Meus defeitos corporais = meus segredos. Depois dele, toda a neura voltou com forca total. Quando na presenca dele, meu coracao estava em pedacos e quanto mais wle fazia isso mais eu me odiava e mais me apegava a ele… como algo que ru nao poderia ter de fato. Humilhacao total.

    Agora tenho que continuar vivendo, como sou. Me fechar e esquevcer tudo isso. Desistor de ser “linda” e fazer e comer o que eu gosto e ser feia mesmo e foda se.

    O que voce me diz sobra monha palavras, por favor?

    Abracos e obrigada

    • Lendo seu relato eu senti que você entregou os pontos por ter 40 anos. Vou colar um pedaço do que você escreveu:

      ” Desta maneira, nao consegui constituir familia na vida e ja tenho 40 anos. Ja era. Perdi todas as oportunidade que surgiram. Fico triste demais com isso.”

      Quando você tiver 50 anos você vai olhar pra trás e vai dizer “Como eu era jovem aos meus 40, agora estou velha”. Quando você tiver seus 60 anos anos você vai olhar pra trás e vai dizer “quando eu tinha 50 anos eu era jovem, agora estou velha”.

      Você perdeu todas as oportunidades que surgiram até ontem. Mas e hoje? Todo dia é uma nova oportunidade. O passado não podemos mudar, é verdade. Mas o hoje está nas nossas mãos e podemos fazer o que quisermos. E isso não é maravilhoso? Eu já me deparei com problemas na minha vida que eu achei que era o fim da minha vida e depois de poder pensar melhor a respeito vi que eu posso me posicionar diante do que acontece comigo e fazer algo daqui pra frente. Eu posso fazer um novo dia, uma nova história porque eu posso decidir o que quero e o que não quero para a minha vida. Tem uma pergunta que o André Massolini fala nos vídeos dele no Youtube (Ele tem um canal bem legal chamado Café de Esperança com vídeos bem curtos motivacionais, se quiser dê uma olhada. E tem outro canal sobre relacionamentos). E a pergunta que ele faz é “O que eu quero e o que eu não quero pra minha vida?” Se a resposta é não quero o que está acontecendo para a minha vida, então eu me posiciono diante desta situação e busco pelo o que eu quero.

      Dois videos legais dele:
      Dirigir a nossa vida – https://www.youtube.com/watch?v=ehpDZ8Fd6Oc
      Todo dia é uma nova página – https://www.youtube.com/watch?v=h2VkwyRoGpE

      No canal dele tem vários outros videos.

      Se você ficar se lamentando por a vida ter “dado errado”, se já se condena a essa prisão perpétua ou a essa pena de morte para a sua vida, realmente não tem mais o que fazer. Mas se você decidir que daqui pra frente você pode ter uma vida diferente do que você teve até agora, que você pode ter uma vida nova, você pode sim mas tem que querer e buscar por isso. Não podemos esperar resultados diferentes tendo as mesmas atitudes.

      Minha irmã vai fazer 41 anos mês que vem e ela é tão jovem. Outro dia eu estava falando sobre os meus irmãos para um amigo e falei assim “eu tenho um irmão 10 anos mais velho que eu e tenho uma irmã 5 anos mais velha que eu, ela tem 37 anos”. Como eu tenho 35 anos, meu amigo falou “Se sua irmã é 5 anos mais velha que você então ela tem 40 anos”. E eu fiquei assim “O queeeeeeee? 40? Não, minha irmã não tem 40.” E fiquei realmente surpresa em ver que pela MATEMÁTICA realmente minha irmã tem 40. Mas não consigo ver ela com 40 porque acho ela tão jovem. Quando digo jovem não me refiro somente a parte física dela, mas pela personalidade dela, é uma pessoa tranquila, de bem com a vida. As vezes um pouco impaciente, claro, todos nós temos defeitos mas nem por isso quer dizer que não tenhamos nosso valor. O que quero dizer é que se você diz “tenho 40 anos, já era” parece que você tem 100 anos e é acamada. É isso que você é? É isso que você deseja pra sua vida? Ser uma pessoa de 40 anos que desistiu da vida? Eu tenho 35 anos, mas quando eu tiver 40 anos e se eu ainda for solteira eu vou querer sim querer conhecer pessoas e ainda vou acreditar que sou merecedora de um amor. Mas porque eu me amo. E ninguém vai nos amar se nem nós nos amamos. E também não vamos conseguir amar porque não nos amamos. Então se tivermos um namorado/marido essa relação não será uma relação de amor, mas uma relação de dependência. Tem até um livro muito bom sobre isso que me ensinou muito que se chama “Amar ou Depender” e eu passei a ver os relacionamentos amorosos com outros olhos.

      Mas antes de pensar em encontrar um amor é importante a gente encontrar o nosso próprio amor. Melhorar a auto estima (tem um livro sobre auto estima muito bom que se chama Imperfeitos, Livres & Felizes e aborda muito sobre auto estima e como melhorar a auto estima). Cada um busca o seu próprio caminho mas o importante é buscar.

      Há poucos meses eu fui na minha psicóloga (sempre vou quando sinto que estou em conflito com algo dentro de mim) e entre os assuntos eu falei que gostaria de conhecer alguém bacana (também estou solteira) mas que eu achava que ninguém ia se interessar por mim porque eu ainda moro com meus pais (que isso seria uma característica de uma pessoa fracassada porque com a minha idade ainda não tenho minha casa, mesmo que de aluguel). E minha psicóloga me perguntou “E a Solange é só isso?” e então começamos a ver que tenho outras qualidades. As vezes pegamos uma característica e nos resumimos a aquilo. Parece que não somos mais nada além daquilo e somos sim muito mais. Eu tenho muitas outras qualidades e você também tem muitas.

      O que eu posso te dizer se você está disposta a ter uma vida melhor daqui pra frente. Uma vida mais leve, mais feliz consigo mesma e viver novas oportunidades.

      1 – Terapia. Fazer terapia pra tratar esse trauma e essa verdade absoluta. Começar a desmanchar essa muralha de pedra que você criou, começar a se descobrir, ver que você é bonita e não é o que esse moleque da sua escola falou que define o que você é. O que as pessoas falam não define o nosso valor e isso precisa ser trabalhado. O tipo de terapia que eu gosto muito é a Terapia Cognitivo Comportamental, que é a terapia que minha psicóloga usa e acho que dá grande resultado em pouco tempo porque usa perguntas que te faz refletir e também trabalha com tarefas.

      2 – Psiquiatra. Pelo menos uma consulta pra ver se é importante você tomar algum remédio.

      3 – Ler. No meu blog, no menu, tem “Livros” com ótimas indicações de livros sobre auto imagem e ditadura da beleza. Eu já li vários deles, alguns nem cheguei a terminar e me abriram a mente, vi novos horizontes, consegui refletir e entender muita coisa que eu pensava diferente. Dá pra comprar em sebo eles mais barato, mas até novos eles não são caros. No site http://www.estantevirtual.com.br você consegue ver sebos de todo o Brasil e as vezes encontra pra comprar na sua cidade.

      Cada um busca o seu próprio caminho. Não existe receita mágica pra tudo dar certo. O importante é não desistir e ir buscando o melhor pra si. Eu tive transtorno dismórfico corporal também e hoje me amo e tenho certeza que aos 40 ainda vou estar me amando e assim por diante. Então não pense que é impossível ou que não há mais tempo. Quando você começar a ver a mudança, mesmo que não seja ainda 100% você vai olhar para a sua vida e vai dizer “Nossa, eu tenho ainda tanto pra viver”. Eu me senti assim. Eu tinha depressão e eu me odiava. E quando eu comecei a sair disso eu pensei “Nossa, que vida é essa que eu não conhecia. Que bom que estou podendo viver novas coisas, conhecer novas pessoas que não poderia ter acontecido se eu tivesse me matado como eu quis há dois anos atrás”. Então se dê uma oportunidade e busque pela melhora porque o resultado é muito gratificante.

      Aproveitando o email. Tem dois grupos no facebook sobre dismorfia corporal e um grupo no whats. Os links estão no blog, é uma das últimas postagens, caso tenha interesse.

      No que eu puder te ajudar, você pode me procurar.

      Abraços.

      Solange

  34. Ooi, achei seu blog recentemente e fico muito feliz de saber que não sou a única pessoa que sofre dessa doença que na verdade não sei se tenho mesmo. tipo, me identifiquei em 100% com os sintomas, já li outros posts seus tbm e me identifiquei. tenho isso há uns 3 anos, hj em dia tenho 15 anos de idade. tenho exatamente todos os sintomas escritos ali.

    sempre procurei sobre isso que eu tinha, mas nunca achei algo ao menos parecido, então eu achava que eu era a única que tinha esse problema. até esse ano, que descobri que o que eu tenho tem nome, fico bem aliviada de saber que não sou a única.

    até que parei um pouco com isso, porque ultimamente ando evitando espelhos/câmeras, mas, eu vivia grudada em um espelho todo santo dia. antes eu achava que o problema era meu rosto ser largo demais, aí eu usava o cabelo pra tampar um pouco. daí depois era o nariz, depois os olhos que são assimétricos, dps a boca e etc… todo dia ficava observando esses defeitos, perguntava pras pessoas e elas diziam que não tinha nada demais e etc. mas diferente de todos os comentários aqui, eu acho que tenho um probleminha a mais… eu não vejo o mesmo rosto sempre, sabe? poucas as vezes que vejo um rosto que acho que é o meu de verdade, aí acho bonito. mas em 95% das vezes não, é sempre um rosto horrível que me faz sentir mó mal, mas saio na rua porque não tenho escolha, mas quando tenho, fico em casa rs. mas nunca consigo ver o mesmo rosto, seja em selfies, espelhos e principalmente a câmera traseira, que é o meu medo. nunca, nunca mesmo, nunca tiro fotos na câmera traseira, acho que é aí que meu rosto fica mil vezes pior, é nela que vejo como meu rosto é assimétrico, coisas que não consigo ver tanto no espelho, é totalmente diferente das câmeras e espelhos, o que não deveria ser, nenhum rosto é 100% simétrico, mas não tem que ter uma diferença perceptível da câmera frontal pra traseira, né?câmera traseira é um terror pra mim. ficava todo dia gravando meu rosto na câmera traseira (com auxílio do espelho na frente pra eu poder ver), tirava fotos lá e ficava mal, porque afinal, na câmera traseira é como as pessoas nos vêem de verdade. porém, eu sei que meu rosto não é como lá pq já teve vezes que vi meu rosto igualmente na espelho e na câmera traseira, exatamente o mesmo rosto, e então é aí que minha auto estima fica boa e eu me sinto MT MT MT bem comigo mesma. tenho todos os sintomas acima e me identifiquei com geral daqui, mas nunca nem vi alguém que tenha esse probleminha a mais, slá, por isso que não tenho tanta certeza se tenho dismorfia. mas bom, vou a um psicólogo pra ajudar. fico feliz que tenha se “curado”, espero me curar tbm

  35. Meu nome é Alexandre, pessoas rir de mim, ja ouvir tipo feio demais etc, estou sendo acompanhando com um psicólogo, e vou em um psiquiatra, minha aparência tipo não uma forma boa as vezes acho ou quase sempre.

  36. Tô num processo de autoaceitação, mas tá tão difícil… Me acho extremamente feia, tenho problemas hormonais que fazem com que eu tenha pelos em excesso (essa é a maior das minhas insatisfações). Vivo me escondendo das pessoas, uso meu cabelo praticamente como um escudo! Não tenho grana pra fazer tratamento, meus relacionamentos sociais são altamente comprometidos, tive apenas um namorado e todos os outros homens que se interessaram por mim, eu dei um jeito de fugir! Quando comecei a ficar com meu ex ele comentou que nunca tinha visto uma pessoa tão peluda como eu, disse que achava “bonitinho” e vivia comentando esse meu problema, isso acabava comigo mesmo eu sentindo que nunca eram comentários maldosos. Sinto que ninguém mais vai querer nada comigo por eu ser assim. 🙁 Por mais que eu receba elogios e nunca tenha ouvido diretamente que sou feia, não consigo me achar bonita, sinto que as pessoas me olham como se eu fosse uma aberração

  37. Rapaz eu resolvi procura sobre esse assunto a pouco tempo,pq isso vem acontecendo comigo a pouco tempo..

    E vou dizer e horrível antes as pessoas diziam que eu era bonito quase constantemente, ate as crianças me admiravam, idosos, homens, mulheres, todos. Mas aí quando isso começou parece que realmente eu fiquei feio ou que eu sou feio, ou até mesmo que as pessoas me elogiavam pq minha alto estima era grande… Sério eu não sei mais de nada esses sintomas que você falou eu já estou me identificando com eles, eu sinto que isto está no começo. estou preocupado e triste ” 😥😢

  38. Eu me vejo com o rosto muito magro e feio , estou muito deprimido e sinto vazio acho que é depressão, penso muito na possibilidade de suicídio, sinto muito mas está quase acontecendo. Nunca contei pra ninguém. 24anos

    • Com quantas pessoas já conversou sobre isso? E por exemplo, já tentou enfrentar o medo de chamar uma mulher pra sair? Mesmo que seja recusado, talvez se sinta mal no começo, mas as mulheres geralmente gostam de insistencia, e acredite, se importam muito menos com a aparência masculina do que os homens imaginam, sem contar que tem um conceito diferente do que bonito pra cada uma, a questão é que isso deixa mais facil, sim, acredite, mesmo que não queira uma mulher hj, pode procurar um psicologo, ele provavelmente vai te fazer rever esse conceito, tente terapia em grupo, ou ir algum clube, fazer coisas que acha que só pessoas bonitas podem fazer, se te fizer melhor vá a igreja e firme sua fé ou até contrate uma garota de programa, mas nunca , nunca leve suicidio como opção, voce não sabe quantas vidas ainda vai chegar a influencar, quantos filhos ainda pode ter, isso nunca é para sempre e sua vida vale sim ser vivida!

  39. Olá estou tão feliz encontrei seu weblog, realmente te encontrei por erro, enquanto eu estava pesquisando outra coisa, de qualquer
    forma eu estou aqui agora e gostaria de dizer Obrigado para um tremenda post e um para todos divertido blog, não tenho tempo para percorrer isso tudo ao minutos mas tenho marcados- e também adicionado em seu RSS feeds, então quando eu tenho tempo eu estarei volta para ler mais, por favor continuem a
    grande trabalho.

  40. um fato sou feia sei disso e todos também sabem. Começei a perceber isso aos 10 anos e já tenho 23 e nunca mudou, quando ando na rua já ouvi muita coisa ruim, sofri muito na escola. E cada coisa que já me aconteceu por causa da minha aparência, que ficaria difícil de escrever tudo. Pior tenho irmãs que são lindas lindas mesmos, ai quando olham para mim começam a comparar…odeio que me comparam. Por conta disso tenho muita dificuldade em me relaciona com as outras pessoas, em todos os sentidos. O foda e quem minha família nem disfarça, ficam tentando me machucar o tempo todo.. Engraçado e que só de olhar olhos de alguém percebo se minha aparência incomoda ou não a pessoa. Apesar de tudo encontrei poucas poucas pessoas mesmo que gostam de mim do jeito que sou.. E como um problema atrai o outro desenvolvi vários ex: depressão, problema alimentar, fobia social, misofonia entre outros rsrsrs. Não consigo desfazer de alguém pela simples aparência por que sei como dói. As vezes fico pensando em porque algumas pessoas que não tem o padrão de beleza como muitos gostam, ou seja são considerados feios, são tão felizes se dão bem e todo mundo gosta. Talvez por que se aceitam e não liguem para os outros, não sei.
    Já deixei de fazer muitas coisas por conta disso, mas ainda tenho muitos sonhos , e não gostaria de deixá los também. Mas não sei o que fazer!

  41. OIá, tenho 22 anos e acabei de passar por uma experiencia traumatizante, a segunda na minha vida, eu nunca tive problemas com minha aparencia até os 12 anos, na realidade antes disso sempre me achei mais bonito que muitos garotos da minha escola ou da rua de casa, era regularmente assediado as vezes gostavam, as vezes não, como todos os outros, porém tive alguns problemas como, eu não tive um crescimento normal da maxila, o osso que carrega a arcada superior dos dentes, e precisei fazer um tratamento odontológico dos 7 aos 13 anos, mas pra resumir o assunto, o tratamento acabou fazendo com que meu rosto crescesse torto, de forma atenuada mas mesmo assim torto, não sabia disso até a doutora me dizer , ela me disse quando eu tinha 13 anos, no dia de tirar o aparelho, sem a presença da minha mãe e disse então que eu devia usar a contenção por 6 meses ou meu rosto cresceria mais torto ainda, dessa vez de forma destrutiva, por medo do que aconteceria, assumi o problema, mas com minha mentalidade sem o apoio da minha mãe, acabei por desistindo e esquecendo que isso aconteceria, hoje sou hiper depressivo por causa disso, pergunto se meu rosto é torto pra quase todos que acabo conhecendo, só pra ouvir que não, ou que não é tão notavel, ainda há pessoas que me acham bonito porém muito menos que antes e eu sempre quis trabalhar com imagem, o que faz eu senti que perdi minha vida antes mesmo que ela comece por que por exemplo, não aguento me ver quando gravo um video meu e fujo de todo o tipo de cameras, gostei do artigo, não sabia como me identficaria ao ler isso antes de clicar, hoje posso buscar ajuda profissional sabendo exatamente o que tratar, agradeço muito.

  42. Gostei do seu blog!! E me identifiquei com a maioria dos sintomas descritos. Eu não tinha todos os sintomas antes de fazer a plástica do nariz que eu tanto queria desde meus 15 anos, mas somente alguns deles… Depois que eu fiz a plástica, achando que eu iria me sentir melhor com minha aparência, piorou mil vezes mais, e eu não tenho vontade nenhuma de sair de casa. Me acho esquisita de rosto, mesmo que as pessoas falem que está tudo normal. É terrivel passar por isso, uma tristeza que não tem fim. É uma eterna contradição, eu não quero me olhar no espelho, mas eu olho toda hora p ver se algo mudou, se eu me acho feia mesmo, ou se eu ainda estou aceitavel. Meus pais dizem que eu sou muito vaidosa. Mas não eh isso… Eh terrível explicar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *